Q

Previsão do tempo

24° C
  • Sunday 24° C
  • Monday 19° C
  • Tuesday 18° C
24° C
  • Sunday 25° C
  • Monday 20° C
  • Tuesday 19° C
24° C
  • Sunday 26° C
  • Monday 21° C
  • Tuesday 20° C
Escaparate

Afonso Lopes Vieira

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
O autor em epígrafe deixou uma indelével marca na história da literatura em língua portuguesa. Nascido em Leiria, a 26 de janeiro de 1878, dono de um virtuosismo encantador e de singular afetividade, foi um profícuo homem de letras e um precursor do cinema e da fotografia. A sua veia literária, além da poesia, das conferências e dos textos para a tenra infância, estendeu-se, também, para as adaptações e as traduções.

Escaparate

O autor em epígrafe deixou uma indelével marca na história da literatura em língua portuguesa. Nascido em Leiria, a 26 de janeiro de 1878, dono de um virtuosismo encantador e de singular afetividade, foi um profícuo homem de letras e um precursor do cinema e da fotografia. A sua veia literária, além da poesia, das conferências e dos textos para a tenra infância, estendeu-se, também, para as adaptações e as traduções.

Dividindo a sua existência entre o seu solar lisboeta e a sua casa de veraneio em São Pedro de Moel, passou os seus dias a ler, escrever e a reunir amigos à sua volta. Viajado, culto e profundamente dedicado à sua obra literária, construiu em torno de si uma áurea de perfeito esteta, sendo toda a sua atividade literária adornada por harmoniosas aspirações renascentistas.

A sua obra coloca-o no movimento cultural conhecido como Renascença Portuguesa, conferindo-lhe, também, o epíteto de “um dos primeiros representantes do Neogarrettismo”. Fundador e redator da revista “Lusitânia” e colaborador de inúmeros periódicos, entre eles “Atlântida”, “Revista de Turismo”, “Contemporânea”, “Serões”, “A República Portuguesa”, “Ordem Nova”, etc., conseguiu manter um percurso sem oscilações, sendo íntegro nos seus propósitos artísticos.

João do Rio (1881-1921) dizia dele: “Fisionomia impressionadora a de Afonso Lopes Vieira, grande poeta da geração nova. Tipo quente de português, com o cabelo caído sobre a testa e a cor morena dos pescadores, corrigido, ou antes, acentuado por uma sóbria elegância londrina. Vejo-o a conversar. Uma correção de dandy, uma finura ducal, o ar fatigado de um mundano.”

Afonso Lopes Vieira, com a sua literatura, cativou leitores em Portugal e no Brasil, embora, alguns críticos do passado digam que na poesia é considerado um poeta menor, pois não trouxe renovação nos temas e no estilo, o certo é que o seu estro deu voz à realidade despretensiosa e genuína de um Portugal a quem não era permitido expressar-se, pois não pululava pelos salões da elite de então.

Segundo Jaime Cortesão (1884-1960): “Este homem, tão enamorado do passado, tinha a inquietação do presente e procurava, com inquietação igual, devassar o futuro. Português de lei e, por isso mesmo, combinava muito a seu modo, na política, na arte e na vida, o casticismo das tradições com o universalismo das ideias novas (…) Aristocrata por temperamento, arrostou com bravura as consequências da sua paixão morganática pelo povo. E nos últimos anos de sua vida esteve em oposição franca e combativa ao governo totalitário de Portugal. Passava, e cada vez mais, longas temporadas na sua casa de S. Pedro de Moel, entre as ondas, o céu e os homens do mar. Deixou em testamento essa linda vivenda para servir de asilo aos pescadores. Viveu e morreu em beleza. Fez da vida uma obra de arte, uma afirmação perene de fé e um belo auto de amor à terra e ao povo.”

Afonso Lopes Vieira faz-nos refletir sobre os horizontes da literatura. O último ato da sua vida ocorreu a 25 de janeiro de 1946, um dia antes de completar 68 anos de idade.

Álvaro Pinto (1889-1957) remata-nos: “…famoso desde Coimbra pelas suas quadras e pelos requintes de artista raro, foi dos poetas deste século um dos que mais nobremente cultivaram o lirismo puro e o amor ilimitado pelos nossos clássicos. A ele se deve uma persistente campanha vicentina, que trouxe para os palcos portugueses e para a bibliografia dos últimos 40 anos as obras imortais do fundador do teatro nacional. A Afonso Lopes Vieira se deve igualmente o recrudescimento dos estudos camonianos, que, a par das suas obras originais e primorosas reconstituições de velhos textos, tinham seu espírito profundamente lusitano em permanente criação de Cultura.” Longa vida literária a Afonso Lopes Vieira. Um autor do Oeste, com pujança nacional.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Crime contra o património de todos denuncia incapacidade de gestão da cousa pública

Mais um incêndio deflagrou no edifício dos pavilhões do Parque D. Carlos I, nas Caldas da Rainha. O edifício emblemático do apogeu da arquitetura de Berquó do século XIX, que nunca foi terminado, resiste perante a ameaça de abandono total e de insistência de vandalismo, na cara das entidades que o gerem e ninguém parece realmente se importar.

mariana calaca baptista

Otimismo: um modo de vida!

Todo o mundo enfrenta obstáculos e dificuldades, mas quando tentamos focar no lado bom das coisas, conseguimos ter mais clareza para resolver os nossos problemas. Pensar positivo não é ignorar os obstáculos e os problemas, é encarar as dificuldades de uma forma mais produtiva, conscientes de que situações negativas são passageiras e não duram para sempre.

miguel