Q

Previsão do tempo

15° C
  • Sunday 17° C
  • Monday 17° C
  • Tuesday 18° C
15° C
  • Sunday 17° C
  • Monday 17° C
  • Tuesday 18° C
15° C
  • Sunday 18° C
  • Monday 18° C
  • Tuesday 19° C
Escaparate

Para que serve a Cultura?

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Recentemente desfrutámos da excelente notícia da criação da Biblioteca António Lobo Antunes, na freguesia de Benfica, em Lisboa, a ser instalada no antigo edifício da Fábrica Simões (Simões & Cª Lda., 1907-1987). Depois da recuperação do imóvel, abandonado por mais de trinta anos, o seu destino só poderia ser o cultural, desejo antigo dos moradores de uma freguesia que conta com, aproximadamente, 37 mil pessoas, e possui, também, dois outros importantes espaços, o restaurado Palácio Baldaya (com uma excelente biblioteca) e o Auditório Carlos Paredes.

Escaparate

Recentemente desfrutámos da excelente notícia da criação da Biblioteca António Lobo Antunes, na freguesia de Benfica, em Lisboa, a ser instalada no antigo edifício da Fábrica Simões (Simões & Cª Lda., 1907-1987). Depois da recuperação do imóvel, abandonado por mais de trinta anos, o seu destino só poderia ser o cultural, desejo antigo dos moradores de uma freguesia que conta com, aproximadamente, 37 mil pessoas, e possui, também, dois outros importantes espaços, o restaurado Palácio Baldaya (com uma excelente biblioteca) e o Auditório Carlos Paredes.

Esse novo polo deverá ser inaugurado no ano de 2024, com a totalidade do espólio literário doado pelo citado autor à cidade de Lisboa, ocupando dois pisos, numa área total de 1.850m2, além de ser dotado de um recinto multiusos com uma galeria de arte e, ainda, o “Espaço António Lobo Antunes”, no conjunto, será uma estrutura que dignificará o nome de um dos melhores escritores europeus e valorizará, ainda mais, a Capital de Portugal.

O curioso é que esse investimento, presumivelmente, não terá uma avalanche de público leitor, pois as bibliotecas em Portugal – devido ao facto da geração atual de possíveis “clientes” estar “agarrada” às redes sociais e “embrulhada” em feéricas e ocas querelas, acerca do “desenvolvimento” do Minecraft, e dos demais modelos de entretenimento virtual – estão com uma frequência muito baixa.

Já nas Caldas da Rainha, utilizando um argumento de merceeiro, o executivo camarário cancela o único evento que transporta o nome do concelho ao exterior, o World Press Cartoon.

Ao expor, divulgar, distinguir e premiar os melhores cartoons editoriais, caricaturas e desenhos de humor, patenteados nos meios de comunicação à escala mundial, esse mesmo executivo estaria a permitir a manutenção da transposição do nome do concelho para todos os quadrantes do planeta, uma divulgação da marca “Caldas da Rainha” que não possui dinheiro que pague.

“Sem a cultura, e a liberdade relativa que ela pressupõe, a sociedade, por mais perfeita que seja, não passa de uma selva. É por isso que toda a criação autêntica é um dom para o futuro.” (Albert Camus, 1913-1960).

Nas Caldas da Rainha, qualquer tipo de criação/divulgação cultural é considerada despesa, hipotecando, assim, o futuro do concelho. Tornando-o pequeno, mesquinho, voltado para dentro.

Então, para que serve a Cultura? Filosoficamente é um somatório de tendências, de processos criativos, de méritos materiais que simultaneamente às grandezas morais salientam um povo ou sociedade. Através dela conseguimos perceber as nossas emoções e os nossos pensamentos tornam-se fluidos e organizados. Ajuda-nos, inclusive, a compreender o que é a memória e, por efeito dominó, a respeitar a história dos que nos antecedem, melhorando, assim, numa tentativa que deve ser diária, os nossos atos futuros perante a nossa comunidade.

A Cultura serve, também, para aguçar o olhar crítico, para ajudarmos a construir a aldeia, vila ou cidade onde nos inserimos, de um modo objetivo, sem patranhas politiqueiras. Serve, igualmente, para contestar e renovar-nos na procura das utopias que nos permitem devanear para lá do espectro do nosso ser.

Por último, e não menos importante, a Cultura serve para que a Democracia esteja sempre em expansão, permitindo a construção civilizada da mentalidade humana, em prol do benefício comum. Ajudando a evitar, assim, o desrespeito aos Direitos Humanos, afinal “todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos. Dotados de razão e de consciência, devem agir uns para com os outros em espírito de fraternidade”.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Em Defesa do Voto Digital Seguro

Praticamente desde 1976 que a participação eleitoral em Portugal tem vindo sustentadamente a decair, com raríssimas exceções pontuais. As razões para esta tendência são de variada ordem, desde o “desafeto democrático” ao alheamento profundo sobre questões políticas.

Síndrome de Jerusalém

Em 1917, o antropólogo Alfred Louis Kroeber escreveu o famoso artigo intitulado “O Superorgânico”, que rompeu de vez pretensas relações entre cultura e quaisquer características genéticas dos indivíduos. Segundo Kroeber, é pela cultura que nos distanciamos do mundo animal. Enquanto os animais são dominados pelos instintos, nós somos influenciados pela aprendizagem, pela cultura. Um cão que nunca tenha convivido com outros cães irá sempre ladrar, abanar a cauda e alçar a perna. Já uma criança nascida na Antártida, mas trazida para Portugal e educada por portugueses será portuguesa.

francisco martins da silva 1