Q

Previsão do tempo

9° C
  • Tuesday 10° C
  • Wednesday 13° C
  • Thursday 14° C
9° C
  • Tuesday 10° C
  • Wednesday 13° C
  • Thursday 13° C
9° C
  • Tuesday 10° C
  • Wednesday 13° C
  • Thursday 13° C
Escaparate

Obras de arte desaparecidas – Estátua Equestre de D. João IV

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
D. João IV (1604-1656), 8º duque de Bragança, 5º duque de Guimarães, 3º duque de Barcelos, filho de D. Teodósio II de Bragança (1568-1630) e da Sra. D. Ana Fernández de Velasco y Téllez-Girón (1585-1607), casado, no ano de 1633, com a Sra. D. Luísa Maria Francisca de Gusmão e Sandoval (1613-1666), da Casa espanhola de Medina-Sidónia, foi aclamado como o 22º Rei de Portugal e Algarves no dia 15 de dezembro de 1640.

Escaparate

D. João IV (1604-1656), 8º duque de Bragança, 5º duque de Guimarães, 3º duque de Barcelos, filho de D. Teodósio II de Bragança (1568-1630) e da Sra. D. Ana Fernández de Velasco y Téllez-Girón (1585-1607), casado, no ano de 1633, com a Sra. D. Luísa Maria Francisca de Gusmão e Sandoval (1613-1666), da Casa espanhola de Medina-Sidónia, foi aclamado como o 22º Rei de Portugal e Algarves no dia 15 de dezembro de 1640.

Cognominado “O Restaurador” – pois foi ele que restabeleceu a Monarquia portuguesa, depois de 60 anos de domínio espanhol (Guerra da Aclamação ou da Restauração) – foi um estratega militar e um meticuloso diplomata.

No ano de 1645 despendeu uma jornada a Caldas da Rainha, Óbidos, Peniche, Alcobaça e Nazaré. Em todas as localidades foi muito aclamado, tendo as populações saído à rua e lançado loas festivas à sua passagem. Junto aos caldenses permaneceu dois dias, 27 e 28 de setembro, aí pernoitando no mais extremo conforto.

Segundo rezam as crónicas do tempo passado, D. João IV faleceu do “mal da gota e da pedra”. Os seus restos mortais encontram-se no Panteão Real da Dinastia de Bragança, no Mosteiro de São Vicente de Fora, em Lisboa.

A população das Caldas da Rainha durante largos anos pôde contemplar, no Parque Dom Carlos I – nas proximidades do monumento em homenagem a Ramalho Ortigão (1836-1915) – a “Estátua Equestre de D. João IV”, porém, assim como o ocorrido com a de Eça de Queirós, essa bela peça (do qual existe uma imagem – em postal da década de 50, no século XX – mas, nenhuma ficha de inventário, rúbrica legível, auto de colocação e de retirada, e ato de depósito em outro local) já ali não se encontra.

Desconheço se a vereação da Cultura terá facilidade em localizar a citada obra de arte. O que sei é que – assim como citei no artigo acerca do desaparecimento do monumento a Eça de Queirós – no final deste ano, caso a peça não tenha sido restituída ao seu lugar de origem (o Parque Dom Carlos I) tratarei do envio de um relatório ao respetivo Ministério, para que este possa encaminhar o assunto para a Procuradoria-Geral da República, dando, assim, conhecimento do facto às altas instâncias da nação.

A arte deve ser tratada com muita deferência, e não só, evidentemente, nas Caldas da Rainha. Um concelho que investe e preserva os seus expoentes culturais, terá, como é natural, uma relevância extrema. A obra de arte possui uma finalidade simbólica, estética, ou de diegese de um conceito determinado, enriquecendo a sociedade em geral, despertando sentimentos, impressões sensoriais, respeito por períodos, movimentos artísticos e pensamentos gregários.

As estatuetas de barro, representando figuras femininas, e as pinturas rupestres, que artistas de um passado longínquo nos deixaram, são a representação viva de uma determinada época do nosso planeta. A “Estátua Equestre de Dom João IV” que estava no Parque Dom Carlos I, em Caldas da Rainha, também o é. Todas as expressões artísticas, a partir do momento da sua criação até ao ponto fulcral da exposição pública, interpretam momentos da vida humana na Terra, e permitem que o pensamento se eleve e a instrução popular se fortaleça.

Se viajamos para cidades de outros países gostamos de admirar as manifestações que os seus cidadãos produzem, seja em que conceito for, e nos mais diversos espaços, porém, quando o deveríamos fazer no local onde residimos, surge-nos uma barreira mental que nos impede de dar o primeiro passo e, assim, passamos a ignorar aquilo que teríamos obrigação de respeitar e divulgar.

Coloco as culpas na classe política. Pouco preparada para elevações espirituais. Aliás, quando abordo certos temas (a maioria das vezes relacionados com a Cultura e a Educação) alguns representantes dessa classe ficam “magoados e de beicinho”, o que mostra a fraqueza de cada um, pois um político que não aceita uma crítica, assumindo erros e tentando resolvê-los (sem achaques de beiça esticada) não serve para representar a população de um concelho.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Faculdade de Medicina

Em 2009, durante a campanha das autárquicas, lancei a proposta de instalação de uma Faculdade de Medicina nos pavilhões do Parque D. Carlos I, em Caldas da Rainha. Para isso, seria oportuno firmar um protocolo com uma Universidade já existente (nomeadamente, Coimbra, Lisboa ou Porto) para que - sem excelsas burocracias, discussões político-partidárias insalubres, ou achaques insossos por parte da Ordem dos Médicos - fosse, no local indicado, instalada uma extensão daquele organismo.

Perigos ignorados em miradouro

O miradouro na Nau dos Corvos, no Cabo Carvoeiro, em Peniche, está encerrado mas as pessoas contornam os obstáculos e acedem na mesma ao local, ignorando o perigo de derrocada que motivou o fecho.

ora toma2