Q

Previsão do tempo

14° C
  • Tuesday 20° C
  • Wednesday 20° C
  • Thursday 20° C
14° C
  • Tuesday 21° C
  • Wednesday 20° C
  • Thursday 20° C
15° C
  • Tuesday 21° C
  • Wednesday 21° C
  • Thursday 21° C
Escaparate

O que fazer com a memória documental

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Olho de soslaio para um antigo bilhete do Teatro Pinheiro Chagas, datado de 1954, que traz no canto superior esquerdo, muito visível, o nome da Empresa Eduardo Montez, e vejo nele uma história familiar deveras enriquecedora.

Escaparate

Olho de soslaio para um antigo bilhete do Teatro Pinheiro Chagas, datado de 1954, que traz no canto superior esquerdo, muito visível, o nome da Empresa Eduardo Montez, e vejo nele uma história familiar deveras enriquecedora.

Aquilo que o ser humano vai deixando pelo caminho são pedaços de uma crónica por contar.

A nossa gaveta da memória, com o passar dos anos, vai do transbordamento ao esquecimento, por isso urge proteger as informações adquiridas. O mesmo acontece com a história física, os “papéis”, fotografias, etc., que vamos produzindo, na correria diária, referentes aos acontecimentos (especialmente os culturais e sociais) ocorridos nas aldeias, vilas e cidades.

No Brasil e nos Estados Unidos da América existem centros de preservação da reminiscência popular documental, que conservam, para deleite das gerações futuras, um aglomerado de emoções e sentimentos, experimentados/vivenciados por gerações anteriores.

Caldas da Rainha deveria, também, criar um centro de memória específico, exatamente nesses moldes. Seria fundamental elaborar e executar um programa de salvaguarda de testemunhos físicos do dia-a-dia, como é o caso daquele bilhete do Teatro Pinheiro Chagas.

Sei que o Museu do Ciclismo vem, com denodo, tentando adquirir, proteger e expor esse tipo de documentação, porém, ainda é pouco, pois falta-lhe verba para angariar espólios (particulares, alfarrábicos e/ou de colecionadores), bem como um local de grandes dimensões para um cuidado acondicionamento.

Olhar para um testemunho material como aquele que citei acima, é trazer para a atualidade uma época distante (já se passaram 67 anos desde que aquele bilhete foi produzido) e tentar, num fascinante exercício de memória, imaginar as pessoas; as casas; as ruas; as praças; o ir e vir dos habitantes do concelho, envolvidos com os seus afazeres; as discussões nos mercados; os passeios no Parque D. Carlos I; os aquistas, snobs e arrogantes, a fumarem caros charutos e a bazofiar grandezas (enquanto desfilavam suas estrepitantes gorduras pelos corredores das Termas); a juventude pobre, sem hipótese de alcançar um futuro próspero, porque os estudos não lhes eram facilitados; os seus pais, que sonhavam incansavelmente com bafejos de riqueza, porém, só lhes saindo na “sorte” o amargor do estatuto de criadagem.

O que fazer com a memória? Deixamo-la morrer num canto do cérebro e esvaziamos os bolsos da alma, atirando o conteúdo para a sarjeta da obscuridade? Oferecendo, assim, ao futuro, indivíduos sem passado, sem ideais, sem ideologias, e, como consequência, agarrados a extremismos, especialmente aqueles que são capazes de erguer, e manter, ditaduras e autoritarismos bacocos? A personalidade de um povo é o motor de um país. Uma população apática, pouco exigente, produz uma nação fraca.

A personalidade que se pretende forte constrói-se com memórias genéticas, com educação digna, com liberdade cultural. Edifica-se, também, com as memórias físicas, com os restos de um passado que um dia foi um princípio notável, em forma de livro, de teatro, de cinema, de música, etc..

Uma criança que cresça acompanhada de reminiscências expressivas, poderá transformar-se num ser elevado, modificador (para melhor) de estruturas, vincado em cânones de Liberdade, Igualdade e Fraternidade, capaz de criar uma nova sociedade, mais justa, mais correta entre si e menos seguidora de totalitarismos exacerbados.

As fortalezas humanas devem ser erguidas com respeito pela memória, inclusive a documental, e não apenas com a bruta pedra, a argamassa religiosa e as prédicas (políticas) ardilosas.

O antifascista, historiador e filósofo italiano Benedetto Croce (1866-1952) remata muito bem o que pensa acerca da memória, seja ela cerebral ou documental: “A cultura histórica tem o objetivo de manter viva a consciência que a sociedade humana tem do próprio passado, ou melhor, do seu presente, ou melhor, de si mesma”.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Caldas e a Cultura

A atual gestão camarária tem vindo a prestar contas aos caldenses sobre os investimentos culturais nas Caldas. Assim, foi justificado, e bem, o abandono do projeto World Press Cartoon, que envolvia verbas na ordem de mais de um milhão de euros/ evento/ano. A...

Arte musical do Ocidente

Refletindo um pouco acerca da música que enlevou algumas regiões do nosso planeta em tempos idos, vêm-me à memória diversos e inauditos temas, entre eles os do período medieval e renascentista, aquando do surgimento da monodia, no século VII.

Para que serve a Cultura?

Recentemente desfrutámos da excelente notícia da criação da Biblioteca António Lobo Antunes, na freguesia de Benfica, em Lisboa, a ser instalada no antigo edifício da Fábrica Simões (Simões & Cª Lda., 1907-1987). Depois da recuperação do imóvel, abandonado por mais de trinta anos, o seu destino só poderia ser o cultural, desejo antigo dos moradores de uma freguesia que conta com, aproximadamente, 37 mil pessoas, e possui, também, dois outros importantes espaços, o restaurado Palácio Baldaya (com uma excelente biblioteca) e o Auditório Carlos Paredes.