Q

Previsão do tempo

11° C
  • Monday 11° C
  • Tuesday 13° C
  • Wednesday 14° C
11° C
  • Monday 12° C
  • Tuesday 13° C
  • Wednesday 14° C
11° C
  • Monday 12° C
  • Tuesday 13° C
  • Wednesday 14° C

Em Caldas da Rainha é permitido estacionar-se em todo o lado

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Durante muitos anos, a população das Caldas manifestou-se por várias vezes, junto das entidades responsáveis, para que fossem criados passeios mais largos, com rampas, para melhor circulação dos utentes com carros de compras, de bebes e cadeiras de rodas de deficientes. Para além disso, solicitámos, na mesma altura, que fossem criados espaços de estacionamento para […]
Por vezes os peões não encontram muito espaço nos passeios por causa do mau estacionamento (foto de arquivo)

Durante muitos anos, a população das Caldas manifestou-se por várias vezes, junto das entidades responsáveis, para que fossem criados passeios mais largos, com rampas, para melhor circulação dos utentes com carros de compras, de bebes e cadeiras de rodas de deficientes.

Para além disso, solicitámos, na mesma altura, que fossem criados espaços de estacionamento para deficientes, cargas e descargas e paragem autocarros.

Finalmente os caldenses viram ser satisfeitas as suas pretensões, com todas as condições, para que cada um circulasse e ocupasse os espaços para que estavam destinados, comodamente para o efeito…

É com muita surpresa que lamentavelmente estes espaços se tornaram uma selvajaria, com carros por todo lado, em que ninguém respeita ninguém, não se olhando a meios para atingirem os fins.

Os veículos estacionam nos passeios por todo o lado, os peões são obrigados a circularem na estrada, a paragem dos autocarros sempre ocupada com carros, obriga a que se formem filas de veículos. As carrinhas querem o seu espaço de cargas e descargas, senão entopem o trânsito, resumidamente, estamos perante uma cidade desorganizada, desarrumada, com carros mal estacionados por todo lado, apesar de existirem parques de estacionamento com a primeira hora gratuita, mas os condutores preferem transgredir e estacionar nos passeios e em todos os locais proibidos, sabendo que não são multados…

Já reuni com o agente superior responsável pelo trânsito, que referiu não ter agentes suficientes para fazer cumprir a legalidade nos estacionamentos e trânsito.

O senhor presidente da Câmara tudo tem feito, no que está ao seu alcance, colocando pilares onde pode e pintando com traço amarelo junto aos passeios, mas não havendo polícia a vigiar, de pouco serve esta atuação.

É uma vergonha e falta e respeito para com as entidades responsáveis, assistirmos a este desrespeito, como se nesta cidade não existam.

As pessoas sabem que não existem polícias suficientes e que por isso não são multadas pelas infrações praticadas, daí o motivo desta selvajaria de estacionamentos ilegais.

Esta situação não pode continuar e urgentemente têm de ser tomadas medidas para que cada um se respeite ao outro, nos respetivos lugares…

Bastava que para isso se veja a PSP atuar, não sendo necessário multar inicialmente, mas advertir e a partir de um determinado tempo, se não acatarem, então sim, porque não multar?

Todas as pessoas deveriam lembrar-se que antes de serem condutores foram peões, e mesmo conduzindo, continuam a ser peões e como tal deveriam ter mais respeito pelos mesmos.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Parque Urbano das Águas Santas: Um grito de cidadania

Enquanto munícipe, sinto-me na obrigação de denunciar a triste situação em que se encontra o parque urbano das Águas Santas. Este espaço, que deveria ser um refúgio de paz e lazer para todos, está entregue ao abandono e ao descuido. O parque foi construído com financiamento da União Europeia como parte da resposta à pandemia de Covid-19, o que torna a situação ainda mais revoltante. Quero expressar a minha indignação perante as autoridades responsáveis e chamar a atenção para a necessidade urgente de ações efetivas.

Caça ao voto dos professores

O investimento de Portugal na Educação está 14% abaixo da média dos países da OCDE, potenciando desinteresse pela profissão e falta de professores.

francisco martins da silva