Q

Previsão do tempo

16° C
  • Tuesday 21° C
  • Wednesday 20° C
  • Thursday 20° C
16° C
  • Tuesday 21° C
  • Wednesday 21° C
  • Thursday 20° C
17° C
  • Tuesday 22° C
  • Wednesday 22° C
  • Thursday 21° C

O Reino Unido não é uma ilha

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Com a british exit (brexit, saída britânica), o Reino Unido (RU) resolveu alguns problemas políticos internos, mas manteve outros externos; ganhou alguma liberdade de acção em questões geoestratégicas onde sempre houve divergências com a União Europeia (UE), por exemplo, o apoio aos EUA nos conflitos do Iraque, Afeganistão e Líbia; mas haverá sempre problemas conjuntos que nem a UE nem o RU podem resolver sozinhos — Irlanda do Norte, questões climáticas, migrações, comércio externo, colaboração científica — diz Pedro Ramos Pinto, especialista em desigualdades, professor de História da Universidade de Cambridge, numa entrevista recente pela correspondente da Antena 1 em Londres Rosário Salgueiro.

Com a british exit (brexit, saída britânica), o Reino Unido (RU) resolveu alguns problemas políticos internos, mas manteve outros externos; ganhou alguma liberdade de acção em questões geoestratégicas onde sempre houve divergências com a União Europeia (UE), por exemplo, o apoio aos EUA nos conflitos do Iraque, Afeganistão e Líbia; mas haverá sempre problemas conjuntos que nem a UE nem o RU podem resolver sozinhos — Irlanda do Norte, questões climáticas, migrações, comércio externo, colaboração científica — diz Pedro Ramos Pinto, especialista em desigualdades, professor de História da Universidade de Cambridge, numa entrevista recente pela correspondente da Antena 1 em Londres Rosário Salgueiro.

Um ano após a saída do RU da UE há perdas para os dois lados que não são ainda todas óbvias. Algumas têm tido menos impacto do que se previa, embora a pandemia impeça uma análise objectiva. É o caso da grande quebra nas importações e exportações entre o RU e a UE, que já recuperaram para níveis de antes da brexit. Contudo, muitos controlos sanitários e de fronteira só irão tornar-se efectivos a partir deste ano. Outras áreas têm sido problemáticas para o RU. Se ganhou o controlo, digamos teórico, das suas fronteiras e da imigração, por outro lado, perdeu o acesso fácil à mão-de-obra da UE. Tendo em conta os dados oficiais, calculados por baixo, cerca de 100.000 imigrantes saíram do RU durante o ano de 2020, gerando problemas de falta de mão-de-obra. Por outro lado, há agora dificuldade em conseguir vistos para estudar ou para trabalhar no RU e a libra tem vindo a cair em relação ao euro, o que torna menos atractivos os salários britânicos. E se a ideia da brexit era reduzir o saldo migratório, tem havido compensação de imigrantes dos países extracomunitários.

Sendo vizinhos, RU e UE continuarão a fazer trocas comerciais e a colaborar na política internacional. E tudo isso terá sempre de ser negociado alínea a alínea. Tal como acontece dentro da UE, que é uma constante renegociação e discussão de políticas que se pretendem comuns.

Países extracomunitários, como a Noruega ou a Suíça, construíram uma relação estável com a UE. Isso terá de acontecer também entre o RU e a UE, certamente com negociações duras e prolongadas — como na sensível questão da Irlanda do Norte, que passou a ser uma das fronteiras externas da UE.

Se a fronteira vier a ser na Irlanda do Norte, irá enclausurar a comunidade católica. Se ficar como está, entre a Irlanda do Norte e o resto do RU, cria sério problema político para a comunidade protestante. Tudo previsível, mas a brexit precipitou-se por causa da disputa da direcção do Partido Conservador entre Boris Johnson e Theresa May. Foi uma das bandeiras que permitiu Johnson chegar à chefia do partido e a primeiro-ministro, mas fazendo promessas à comunidade protestante da Irlanda do Norte que é muito difícil cumprir, porque a UE, como qualquer outra federação ou país, não pode permitir uma fronteira completamente aberta, por onde passem produtos e pessoas sem qualquer controlo. Para o professor Pedro Ramos Pinto, a única solução é a de Theresa May, que é criar as condições para que o RU tenha o mesmo tipo de relação com a UE que tem a Noruega ou a Suíça. Ou seja, fronteiras abertas, mas o RU, tal como a Noruega e a Suíça, terá de aceitar submeter-se às leis e à regulamentação da UE, sem ter voz na criação e aplicação dessas regras — o oposto das justificações e objectivos da brexit de Johnson e dos conservadores.

ARTIGO SEM ACORDO ORTOGRÁFICO

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Não adoeça neste verão, ok?

O presidente da República de Portugal fez este patético apelo aos portugueses: “Vamos todos tentar não adoecer neste Verão”, numa assunção de que o Serviço Nacional de Saúde está um caos, consequência da incompetência ou falta de vontade de resolver os problemas, ou ainda, pelo conluio do Governo com o setor privado da saúde.

Água das Caldas

A investigação cuidada traz-nos sempre boas-novas e inúmeras curiosidades. Recentemente, em renomado arquivo brasileiro, encontrei uma singular informação acerca da água termal de Caldas da Rainha, substância muito desejada, nos idos do século XIX, em terras de Vera Cruz.

O problema do SNS é na sua essência económico

Por estes dias todos estamos preocupados com a saúde do Sistema Nacional de Saúde (SNS). E cheios de razão para essa preocupação. Todos os dias assistimos a problemas em hospitais, centros de saúde deste nosso Portugal. É uma evidência que algo de errado se passa.