Q

Previsão do tempo

20° C
  • Sunday 19° C
  • Monday 18° C
  • Tuesday 21° C
20° C
  • Sunday 19° C
  • Monday 19° C
  • Tuesday 21° C
20° C
  • Sunday 20° C
  • Monday 20° C
  • Tuesday 23° C

Ministro da Saúde garante calendarização de novo hospital do Oeste para 2023

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
“No primeiro semestre do próximo ano anunciarei um calendário para a construção do novo hospital do Oeste”, disse o ministro da Saúde, Manuel Pizarro, na passada segunda-feira, no final de uma visita à unidade das Caldas da Rainha do Centro Hospitalar do Oeste (CHO), onde reconheceu existirem “muitas dificuldades por causa das suas infraestruturas antigas”.
Na visita ao hospital das Caldas o ministro da Saúde disse que aguarda o final de um estudo para decidir a localização do novo Hospital do Oeste

“No primeiro semestre do próximo ano anunciarei um calendário para a construção do novo hospital do Oeste”, disse o ministro da Saúde, Manuel Pizarro, na passada segunda-feira, no final de uma visita à unidade das Caldas da Rainha do Centro Hospitalar do Oeste (CHO), onde reconheceu existirem “muitas dificuldades por causa das suas infraestruturas antigas”.

O ministro aguarda a conclusão do estudo encomendado pela Comunidade Intermunicipal do Oeste à Universidade Nova de Lisboa sobre a localização e o perfil assistencial do novo hospital, após o que “será tomada uma decisão”.

“Esse estudo está praticamente completo, estamos a aguardar a versão final e depois tem que haver um diálogo com as autarquias locais porque a decisão de uma localização não deixará de ser isenta de dificuldades e discordâncias”, apontou o governante, acrescentando a necessidade de “haver um entendimento, porque já andamos há tempo a falar nisto e é altura de fazer o novo Hospital do Oeste”.

Apesar dos investimentos feitos nos últimos três anos, na ordem dos “oito milhões de euros”, o ministro reconheceu que as infraestruturas “não estão adaptadas a todas as necessidades do mundo moderno”, sublinhando que, tratando-se de “um hospital localizado fora dos grandes centros tem também dificuldades em matéria de recursos humanos”.

Na visita a vários serviços da unidade das Caldas, incluindo à urgência, fechada à comunicação social, Manuel Pizarro disse ter encontrado “serviços que estão a funcionar em pleno, com uma grande dedicação dos seus profissionais”.

“Quem visitar esta maternidade, como eu tive a ocasião de conhecer esta manhã, vê várias pessoas em trabalho de parto e dezenas de mães felizes e profissionais com um enorme cuidado técnico e um enorme carinho”, adiantou.

Apesar de “transmitir uma imagem de tranquilidade”, reconheceu que tal “não diminui a gravidade dos problemas que possam ter ocorrido” no hospital. Recorde-se que em junho deste ano ocorreu a morte de um bebé, numa altura em que, devido a constrangimento no preenchimento da escala, a Urgência Obstétrica se encontrava encerrada à receção de grávidas.

Questionado se há profissionais suficientes, disse que “nunca são suficientes e eles têm que se multiplicar para garantir que todos os turnos são cumpridos, de acordo com os padrões de qualidade que são necessários”, acrescentando “que é esse trabalho que temos que fazer, de formar e atrair mais profissionais a regressarem ou a manterem-se no Serviço Nacional de Saúde”.

Quanto à Urgência de Ginecologia e Obstetrícia do Hospital das Caldas da Rainha voltar a encerrar, o ministro disse que “vai acontecer esporadicamente”, revelando que espera resolver os problemas o mais rápido possível “sem esquecer que estes serviços funcionam em rede e há momentos que um tem que compensar o outro”.

Já no que respeita às dificuldades estruturais do hospital, que há anos reclama a construção de uma Unidade de Cuidados Intensivos, o ministro afirmou que “a dotação orçamental está inscrita no orçamento do CHO” e que o Ministério da Saúde vai agora “avaliar que condições técnicas” tem para realizar a obra, “numa circunstância, essa sim, muito difícil, porque todas as unidades de saúde que constituem o CHO (os hospitais das Caldas da Rainha, Torres Vedras e Peniche) são obsoletas para aquilo que seria uma construção hospitalar moderna”.

“Estamos a tentar resolver com o que temos as necessidades das pessoas, enquanto perspetivamos a construção de um novo hospital no Oeste, e esse sim, permitirá resolver de raiz os problemas”, relatou.

“O principal problema é a dispersão das unidades hospitalares”

Antes da visita ao hospital das Caldas a presidente do conselho de administração do CHO, Elsa Baião, reuniu-se com o ministro da Saúde. Em declarações à imprensa disse que a visita aconteceu porque o governante mostrou interesse em conhecer a unidade hospitalar, “o que é muito positivo porque ficou consciente da nossa realidade em que as infraestruturas estão desadequadas e que precisam de facto de remodelação e reabilitação”. 

Elsa Baião destacou o facto de Manuel Pizarro ter manifestado o compromisso de em breve assumir um calendário para a construção do novo Hospital do Oeste, um “passo muito importante”, uma vez que o principal problema é a dispersão das unidades que acaba por “impedir ter a melhor otimização dos recursos”. “Esta dispersão implica ter vários serviços em duplicado e triplicado nas várias unidades hospitalares e acresce as dificuldades de termos edifícios antigos sem grande capacidade de expansão”, explicou a responsável. 

Por outro lado, a administradora do CHO adiantou que a população abrangida é muita. “Estamos a falar de 300 mil habitantes que precisam de uma resposta muito assertiva a nível de cuidados de saúde, que muitas vezes as instalações que temos e os recursos não permitem satisfazer”, vincou.

Alegou que há um grande foco que é colocado no Serviço de Urgência, que tem “constrangimentos de espaço e recursos”. No entanto, salientou que o “hospital não é só a urgência e existem serviços que funcionam muito bem”, exemplificando que de 2019 para 2022 conseguiram fazer mais  10% de consultas e mais 16% cirurgias.

Sobre a criação dos cuidados intensivos, a responsável revelou que estão a “avançar nas unidades das Caldas e Torres Vedras, com dificuldades relacionadas com a questão do espaço”.  

Elsa Baião disse ainda que enquanto não nascer o novo hospital vão propor intervenções que serão “determinantes para melhorar a capacidade do internamento, serviço de obstetrícia e cirurgia ambulatório, que tem as instalações muito desadequadas”.

Quanto à colocação de uma direção clínica, após a demissão apresentada pela anterior diretora, Elsa Baião revelou que está em andamento, uma vez que os “processos não são imediatos”. 

Vitor Diniz pediu resposta a memorando

A falta de resposta a um memorando entregue há cerca de cinco meses ao secretário de Estado da Saúde, levou o porta-voz da Comissão de Utentes do CHO, Vitor Diniz, solicitar ao novo ministro “uma resposta às revindicações necessárias para melhorar a saúde do Oeste a nível de equipamentos, pessoal, unidade de cuidados intensivos, entre outros”.

“Entreguei uma carta a lembrar que está pendente este memorando e que é muito importante para nós uma resposta”. Segundo Vitor Diniz, Manuel Pizarro ficou “sensibilizado e garantiu que iria responder” e pediu à “comissão que não falássemos mal da saúde no Oeste porque é um mau sintoma para atrair profissionais”.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Criatividade de alunas da Escola de Hotelaria posta à prova

Realizou-se a 2ª edição do EstrELA Monumental, evento criado pelo Mosteiro do Leitão, restaurante na Batalha, com o apoio da Escola de Hotelaria e Turismo do Oeste (EHTO). Neste estabelecimento de ensino, 17 alunas estiveram na manhã de 21 de maio a preparar os seus pratos de autor, de modo a convencer o júri a tornarem-se um dos quatro pratos vencedores. 

monumental

Cardeal na celebração dos Votos Perpétuos de religiosa caldense

No dia 1 de junho, pelas 17h00, na Igreja Paroquial das Caldas da Rainha, terá lugar a Celebração da Profissão Religiosa dos Votos Perpétuos da Irmã Ana Margarida Lucas, da Congregação das Irmãs Dominicanas de Santa Catarina de Sena, presidida pelo Cardeal D. Manuel Clemente, Patriarca Emérito de Lisboa. Haverá depois um jantar convívio no Centro Paroquial.

religiosa

Soldado Nobre no Cineclube CCC

Soldado Nobre, de Jorge Vaz Gomes é o filme da próxima sessão do Cineclube CCC, no dia 1 de junho, pelas 16 horas, no Centro Cultural e de Congressos das Caldas da Rainha.

soldado