Q

Previsão do tempo

10° C
  • Thursday 15° C
  • Friday 14° C
  • Saturday 13° C
11° C
  • Thursday 15° C
  • Friday 14° C
  • Saturday 13° C
12° C
  • Thursday 15° C
  • Friday 14° C
  • Saturday 13° C

Exposição dá a conhecer laboratórios de criação de algas e microalgas

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Produzida pelo Politécnico de Leiria, a exposição “Azul Mare – Arte e Ciência”, patente na Biblioteca e Sala Berlengas da Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar (ESTM), em Peniche, até dia 30 de novembro, pretende ser um percurso de conhecimento das algas e suas propriedades e, simultaneamente, um percurso meditativo sobre as condições de produção das primeiras imagens fotográficas realizadas pela técnica da cianotipia, um processo inventado em 1842 pelo matemático, astrónomo, químico e inventor, Sir John Herschel.
Laboratórios de criação de algas e microalgas

Produzida pelo Politécnico de Leiria, a exposição “Azul Mare – Arte e Ciência”, patente na Biblioteca e Sala Berlengas da Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar (ESTM), em Peniche, até dia 30 de novembro, pretende ser um percurso de conhecimento das algas e suas propriedades e, simultaneamente, um percurso meditativo sobre as condições de produção das primeiras imagens fotográficas realizadas pela técnica da cianotipia, um processo inventado em 1842 pelo matemático, astrónomo, químico e inventor, Sir John Herschel.

A cianotipia consiste numa emulsão sensível à luz que contém sais de ferro que reagem aos raios ultravioleta. Este processo permitia de uma forma relativamente simples fixar numa superfície as sombras numa cor ciano também conhecida como cor água.

A mostra reúne fotografias realizadas nos laboratórios de criação de algas e microalgas do MARE – Centro de Ciências do Mar e do Ambiente do Politécnico de Leiria, da autoria de Emanuel Brás, docente e investigador da Escola Superior de Artes e Design das Caldas da Rainha (ESAD.CR), cianotipias elaboradas por estudantes da ESTM, em colaboração com o Instituto Português da Juventude de Leiria, textos de Teresa Mouga, investigadora do MARE, e um algário criado a partir de algas recolhidas ou reunidas pelo investigador Marco Lemos, investigador do MARE do Politécnico de Leiria e docente na ESTM.

Os curadores da exposição são Samuel Rama, docente da ESAD.CR, e Teresa Mouga, investigadora do MARE do Politécnico de Leiria e docente na ESTM.

“Ao realizar o herbário em cianotipia, Anna Atkins tornou-se na primeira mulher a criar imagens fotográficas não só de algas, mas também do seu próprio texto manuscrito, indicando os propósitos do herbário organizado em livro, os nomes das várias espécies em latim e até dedicatórias”, descreve Samuel Rama.

Esta exposição retrata não só as algas, mas também o mar, com as suas múltiplas caraterísticas, elementos e propriedades.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Pai e filho julgados por matar rapariga

Inicia-se nesta quarta-feira, 30 de novembro, no Tribunal de Leiria, o julgamento do jovem de 20 anos e do pai, de 46 anos, acusados de estarem envolvidos na morte de Soraia Sousa, de 18 anos, a 3 de outubro do ano passado, no largo junto à estação de caminhos de...

martinganca

Teatro da Rainha recebe apoio de 400 mil euros

O Teatro da Rainha, companhia apoiada pela Câmara Municipal de Caldas da Rainha, estrutura de criação teatral que se assume como um centro dramático — centro de atividades que projeta de modo multidisciplinar tradição e inovação teatrais — obteve no Programa de Apoio Sustentado 2023-2026, da Direcção-Geral das Artes, o apoio máximo para o quadriénio que em 2023 se inicia. Esse apoio, de 400 mil euros, supõe um plano artístico, formativo e de atividades paralelas que se distribui por 14 estruturas no todo nacional.

teatro