Q

Previsão do tempo

20° C
  • Sunday 19° C
  • Monday 18° C
  • Tuesday 21° C
20° C
  • Sunday 19° C
  • Monday 19° C
  • Tuesday 21° C
20° C
  • Sunday 20° C
  • Monday 20° C
  • Tuesday 23° C

Laço azul para chamar atenção para maus-tratos infantis

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Mais de 200 alunos do 1º ciclo ao secundário e professores do Colégio Rainha D. Leonor e do Agrupamento de Escolas Raul Proença formaram no dia 30 de abril, no Campo de Rugby de Caldas da Rainha, um laço humano para assinalar o mês dos maus-tratos na infância, uma realidade que ainda persiste.
Laço Azul gigante no Campo de Rugby de Caldas da Rainha (foto Município das Caldas)

A iniciativa, que foi organizada pela Comissão de Proteção de Crianças e Jovens das Caldas da Rainha (CPCJ) decorreu pelas 11h30, em simultâneo em todo o país.

Na atividade, estiveram ainda presentes jovens do Centro de Educação Especial Rainha D. Leonor, a vereadora Conceição Henriques, com o pelouro da Ação Social na Câmara Municipal das Caldas da Rainha, agentes da PSP e elementos da comissão da CPCJ.

A maioria dos participantes estava vestida com uma t-shirt azul e o lacinho azul da campanha, e formou, no espaço exterior do campo, um enorme laço azul humano.

O laço azul foi adotado como símbolo do mês de prevenção dos maus-tratos na infância porque em 1989 uma norte-americana (Bonnie Finney) amarrou uma fita azul na antena do carro, em homenagem ao seu neto, vítima mortal de maus-tratos. Com esse gesto quis “fazer com que as pessoas se questionassem”.

Escolheu o azul, porque simboliza a cor das lesões e seria uma imagem constante na sua luta na proteção das crianças contra os maus-tratos. A repercussão desta iniciativa foi de tal ordem que abril passou a ser o mês internacional da prevenção dos maus-tratos na infância.

No ano passado o Laço Azul humano realizou-se na Praça 25 de Abril, com a participação dos Agrupamentos de Escolas Rafael Bordalo Pinheiro e D. João II e este ano a iniciativa foi feita noutra zona da cidade para que outros estabelecimentos de ensino tivessem a oportunidade de participar. “Vamos tentar fazer em locais diferentes para que todas as escolas possam participar, uma vez que a deslocação é difícil”, disse Ana Catarina Almeida, presidente da CPCJ das Caldas da Rainha.

Para esta responsável é importante as crianças do 1º ciclo formarem o laço azul porque é “nas faixas etárias mais pequenas que deve ficar a mensagem, porque mais tarde vão-se lembrar da iniciativa que fizeram no campo e porque razão o fizeram”.

“Há cada vez mais entidades como professores, profissionais de saúde, agentes policiais entre outras pessoas que reportam situações de maus-tratos na infância e o trabalho da CPCJ é ajudar a resolver os problemas sempre com o objetivo de trabalhar em cooperação com as famílias para, conjuntamente, traçar um plano para melhorar a qualidade de vida das crianças”, frisou.

Ana Catarina Almeida revelou que este ano já existem mais casos sinalizados, o que revela uma “tendência crescente” de sinalizações no concelho. No final do ano de 2023 tínhamos 73 processos ativos agora temos 120”, contou a presidente da CPCJ, acrescentando que as problemáticas mais sinalizadas são a violência doméstica.

As crianças serem espetadoras de agressões entre progenitores é também uma violência. “Uma criança ou jovem que assiste às agressões e aos insultos do pai para com a mãe ou vice-versa, apesar de não ser maltratado fisicamente, o menor converteu-se também numa vítima desta relação tóxica”, explicou a responsável.

“Há crianças que são expostas a consumo de álcool ou de drogas, que normalmente altera o comportamento nos adultos, deixando-os mais violentos”, adiantou.

A falta de acesso à habitação é um grande problema

Segundo a presidente da CPCJ das Caldas, a falta de acesso à habitação é um “grande problema”. “Há famílias sinalizadas pelas comissões de proteção de menores, não por maus-tratos, mas sim por falta de acesso à habitação. Existem muitas famílias a partilhar uma casa pequena com dois a três agregados e não têm as condições mínimas para as crianças crescerem”, relatou.

A negligência é outro perigo sinalizado, derivado da falta de supervisão e acompanhamento familiar, que resultam maioritariamente da falta de competências parentais e a não imposição de regras às crianças e jovens.

Outra problemática é os imigrantes que “vêm viver para Portugal, mas continuam com a sua cultura e muitos não querem vacinar os filhos e não cumprem as consultas e o Sistema Nacional de Saúde não consegue controlar”, contou. “Vêm à procura de uma vida melhor e o objetivo deles é trabalhar e a criança fica numa ama ilegal, que não é uma resposta mais adequada e quando são confrontadas acham natural, porque na cultura deles é assim. A criança não é valorizada, mas isso é um trabalho que tem de ser feito de sensibilização às novas famílias que vêm de origens diferentes”, adiantou.

A presidente da CPCJ das Caldas salientou que o objetivo é ajudar as famílias a “ultrapassar a situação que causou perigo naquela altura e a seguirem o seu caminho”. E desmistificou a ideia de que a CPCJ é uma entidade que retira as crianças aos pais ou familiares. “As famílias têm muito medo que vamos retirar os filhos, mas o nosso objetivo é ajudar os pais a ganharem competências parentais para cuidar deles e para lhes garantir os cuidados básicos e os seus direitos”, realçou.

Revelou também que existem algumas preocupações como a falta de resposta ao nível da “saúde mental, nomeadamente consultas de psicologia, que são uma necessidade urgente”.

Indicou que a Associação Social e Cultural Paradense efetuou uma candidatura, que foi aprovada e vai iniciar a 11 de maio o Centro de Apoio Familiar e Aconselhamento Parental (CAFAP).

“Era uma necessidade muito urgente e vai começar a receber famílias que são encaminhadas pelo tribunal ou pela CPCJ”, disse a responsável.

O CAFAP vai poder melhorar as competências parentais, seja a nível de gerir orçamentos, cumprir com as refeições, entre outras tarefas importantes para a qualidade de vida das crianças. 

São quatro técnicos (educadora, assistente social, psiquiatra e psicólogo que vão colaborar no CAFAP, com “o intuito de dar resposta às famílias assinaladas”.    

Quanto a outras atividades da CPCJ, a responsável revelou que a PSP (na cidade) e a GNR (nas zonas mais rurais) têm um plano de sessões de sensibilização aos alunos.

No dia 1 de junho vão assinalar o Dia Mundial da Criança e a 18 de novembro vão intervir nos agrupamentos de escolas e sensibilizar para a proteção das crianças contra a exploração sexual.

A CPCJ está sediada no Edifício Rainha D. Leonor, um novo espaço municipal dedicado à ação social, na Rua Capitão Filipe de Sousa, nº2, nas Caldas da Rainha.

laco 2
A iniciativa foi organizada pela Comissão de Proteção de Crianças e Jovens das Caldas da Rainha (foto Município das Caldas)
(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Criatividade de alunas da Escola de Hotelaria posta à prova

Realizou-se a 2ª edição do EstrELA Monumental, evento criado pelo Mosteiro do Leitão, restaurante na Batalha, com o apoio da Escola de Hotelaria e Turismo do Oeste (EHTO). Neste estabelecimento de ensino, 17 alunas estiveram na manhã de 21 de maio a preparar os seus pratos de autor, de modo a convencer o júri a tornarem-se um dos quatro pratos vencedores. 

monumental

Cardeal na celebração dos Votos Perpétuos de religiosa caldense

No dia 1 de junho, pelas 17h00, na Igreja Paroquial das Caldas da Rainha, terá lugar a Celebração da Profissão Religiosa dos Votos Perpétuos da Irmã Ana Margarida Lucas, da Congregação das Irmãs Dominicanas de Santa Catarina de Sena, presidida pelo Cardeal D. Manuel Clemente, Patriarca Emérito de Lisboa. Haverá depois um jantar convívio no Centro Paroquial.

religiosa

Soldado Nobre no Cineclube CCC

Soldado Nobre, de Jorge Vaz Gomes é o filme da próxima sessão do Cineclube CCC, no dia 1 de junho, pelas 16 horas, no Centro Cultural e de Congressos das Caldas da Rainha.

soldado