Q

Previsão do tempo

10° C
  • Thursday 15° C
  • Friday 14° C
  • Saturday 13° C
11° C
  • Thursday 15° C
  • Friday 14° C
  • Saturday 13° C
12° C
  • Thursday 15° C
  • Friday 14° C
  • Saturday 13° C

Marina da Nazaré acolhe veleiro atacado por orcas

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
A interação com um grupo de orcas colocou em sobressalto os tripulantes de um veleiro, que se refugiou na marina de recreio da Nazaré.

A interação com um grupo de orcas colocou em sobressalto os tripulantes de um veleiro, que se refugiou na marina de recreio da Nazaré.

O veleiro, com bandeira do Reino Unido e onze metros e meio de comprimento, tinha saído do porto de Baiona, em Espanha, em direção ao porto de Lisboa, e estava em frente à Marinha das Ondas, na Figueira da Foz, quando pelas 14h30 da passada quinta-feira, sofreu uma interação com um grupo de orcas.

Os dois velejadores que seguiam a bordo, um inglês e uma alemã, foram surpreendidos com o ataque. Relatam que seriam entre cinco a sete orcas, uma das quais bebé. Apareceram muito rápido e atingiram o barco, fazendo-o rodopiar.

Apesar de terem colocado o veleiro a navegar em marcha atrás, manobra que se tornou popular desde que em agosto do ano passado foi partilhada por um velejador em dificuldades, as orcas – que estariam a seguir um cardume de atuns – continuaram a rondar e a bater no barco e só momentos depois é que desistiram, ficando a cem metros de distância, até abandonarem em definitivo o local.

O barco acabou por dar entrada no porto da Nazaré, sem que tenham sido observados danos que impossibilitem a continuação da viagem, como constataram os velejadores com câmaras submarinas e uma inspeção interna. O leme estava apenas com marcas de ter sido abocanhado pelas orcas, como revelou uma verificação da embarcação recorrendo a uma grua da Docapesca.

As capitanias da Figueira da Foz e da Nazaré não chegaram a ter que fazer qualquer intervenção, dado que não houve nem feridos nem danos relevantes.

Este incidente foi partilhado num grupo no Facebook onde são relatados ataques de orcas, com o objetivo de alertar a navegação.

A Marinha Portuguesa explica que a interação com estes mamíferos ocorre sobretudo devido ao comportamento de orcas juvenis, as quais atraídas pelas estruturas móveis e ruidosas das embarcações, como o leme e a hélice, podem aproximar-se excessivamente das embarcações e embater nas estruturas”. Por este motivo, é recomendado que seja desligado o motor e imobilizada a porta do leme no caso de avistamento destes animais.

Todas as testemunhas relatam que as orcas não tentam atacar as pessoas e até agora não há registo de feridos.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Arte em posto Multibanco

Motivos alusivos ao ecossistema natural e animal do Paul de Tornada e a imagem da igreja da localidade embelezam um posto Multibanco naquela povoação das Caldas da Rainha, numa ideia do executivo da junta de freguesia concretizada pelo artista Ricardo Silva, que estudou na Escola Superior de Artes e Design das Caldas da Rainha.

tornada 1

Choque aparatoso na Rua Vitorino Fróis

Um choque aparatoso entre duas viaturas na Rua Vitorino Fróis, na cidade das Caldas da Rainha, ao final da manhã desta terça-feira, levou a que um dos carros ficasse virado de lado. Os dois condutores foram assistidos pelos bombeiros mas recusaram transporte ao hospital.

Vereador do PS explica aprovação do orçamento da Câmara para 2023

O orçamento da Câmara Municipal das Caldas da Rainha para 2023 foi aprovado na passada segunda-feira e nem foi preciso ao Vamos Mudar socorrer-se do voto a favor do vereador do PS, com quem tem um entendimento de compromisso, já que o PSD absteve-se, votando apenas contra o orçamento para os serviços municipalizados. O socialista Luís Patacho explicou concordar com as cautelas e critérios no investimento, tendo em conta “o atual contexto macroeconómico, marcado pela incerteza sobre o fornecimento de bens e serviços, com uma grande pressão inflacionista, especialmente ao nível da energia e dos combustíveis, mas também das matérias-primas, e enorme volatilidade dos mercados”.

ps