Q

Previsão do tempo

20° C
  • Monday 19° C
  • Tuesday 22° C
  • Wednesday 22° C
20° C
  • Monday 19° C
  • Tuesday 22° C
  • Wednesday 23° C
20° C
  • Monday 21° C
  • Tuesday 24° C
  • Wednesday 25° C

Há um ano a cantar às janelas para combater solidão

Mariana Martinho
23 de Março, 2021
“Cantigas à Janela” é nome do projeto que nasceu em tempo de confinamento, e que levou um grupo de jovens caldenses ligado ao Movimento Viver o Concelho (MVC) “a sair da sua casa para cantar à janela de tantas pessoas”. Com o “objetivo de alegrar aqueles que estavam sozinhos e mais em baixo devido ao confinamento”, o projeto em um ano passou do “lar para a rua, e da varanda de casa para o mundo virtual”, animando assim todas as sextas-feiras à noite dezenas de pessoas através das redes sociais, e agora, os seniores que estão institucionalizados.
1- Os elementos do projeto

Foi há cerca de um ano e em pleno confinamento, que a mentora do projeto, Teresa Serrenho lançou o desafio às suas filhas, Mariana Bernardino, de 16 anos, e Leonor Bernardino, de 11 anos, e aos amigos, Daniela Martins, de 24 anos, e Pedro Martins, de 20 anos, de levar “alegria através de músicas cantadas, não pelas melhores vozes, mas por bons corações a todos”.

“Numa primeira abordagem, o projeto tinha como missão a minha avó, Ludovina, que estava institucionalizada e que se encontrava sem visita dos familiares há mais de um mês, tendo o nosso objetivo sido conseguido logo no primeiro instante”, recordou Teresa Serrenho, adiantando que a sua avó os reconheceu, sorriu, cantou e pediu mais músicas, tal como os restantes utentes do lar Palácio D’El Rei, em Óbidos. Destacou ainda que “esse foi o mote essencial para começarmos com as Cantigas à Janela”.

Nessa primeira aparição pública, o grupo relembra que teve o cuidado de escolher músicas que fossem em português e que tivessem uma mensagem de esperança e de positividade, adaptando-as assim ao material e ao momento. “Não tínhamos experiência e nunca nos tínhamos sujeitado a fazer estas figuras, mas ao mesmo tempo foi muito intenso, genuíno e divertido”, frisou a mentora do projeto, que depois dessa situação começou a pensar nas pessoas que conhecia e que também estavam sozinhas em casa, e decidiram continuar a estender as cantigas às janelas de muitos.

“Em vez de ser só para a nossa avó e para as pessoas da família começou a ser para todos”, sublinhou Mariana Bernardino, uma das vozes do grupo, que decidiu nesse instante criar uma página nas redes sociais, que atualmente tem mais de mil e trezentos seguidores.

Teresa Serrenho faz notar que “uma coisa tão simples faz uma diferença tão grande”.

Além do lar, o projeto caldense agarrou no seu amplificador a pilhas e percorreu vários sítios emblemáticos da cidade, bem como cantou em baixo de diversas janelas de outras localidades, como SãoGregório, Vidais, Carrasqueira e até São Martinho do Porto. Ao mesmo tempo começaram a chover pedidos de pessoas que queriam ouvi-los para dedicatórias especiais, em que “a prenda eramos nós e a música”, disse Pedro Martins, o guitarrista das “Cantigas à Janela”.

“Passamos do lar para a rua e da varanda de casa para mundo virtual”

A certa altura, como havia a proibição de circulação entre concelhos, o grupo não arranjou uma forma de poder responder a todas as solicitações. “Pensámos, porque não aproveitar o facto de morar na avenida e nas traseiras termos uma espécie de anfiteatro de prédios, e realizarmos os concertos na varanda? Fazíamos a diferença para mais de vinte pessoas”, frisou Mariana Bernardino, recordando que o primeiro concerto a partir da varanda “não correu assim tão bem, pois o som não tinha potência suficiente para abranger todos”. Ao mesmo tempo, as “Cantigas à Janela” começaram a transmitir os concertos em direto através das redes sociais, sendo assim “online para quem não vivesse ao pé DE nós, e à janela para quem estivesse ali”. “No fundo era a janela para todos, pois o telemóvel serve de janela virtual”, apontou a vocalista.

A partir desse momento, o grupo continuou apostar nos concertos em direto todas as sextas-feiras, a partir das 21h30. Durante uma hora Mariana e Pedro usam as suas vozes e uma guitarra para cantar quinze temas, que requerem “arranjos e ensaios antes”.

Atualmente, o projeto encontra-se na segunda temporada, tendo a primeira decorrido entre abril e junho do ano passado. “Este projeto surgiu durante a pandemia e se extinguirá quando percebermos que já não se justifica e pudermos andar mais à vontade”, explicou Teresa Serrenho, adiantando que “as ‘Cantigas à Janela’ têm a capacidade de mudar os dias de muitas pessoas, que sabem que pelo menos à sexta-feira têm alguma companhia”.

Para a mentora, “isto acaba por ser muito mais impactante do que uma simples conversa”, e nesse sentido, o grupo decidiu no passado dia 13 retornar à sua missão inicial de cantar às janelas de lares, desta vez através da parceria entre a associação MVC com o projeto R.I.T.A. – Rede de Intervenção Terapêutica e Apoio à Comunidade, suportado pela gerontóloga caldense Mariana Mendes. “

Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Deputados interrogam ministra sobre carências nas extensões de saúde

Os deputados do PSD na Assembleia da República Hugo Oliveira, Margarida Balseiro Lopes, Pedro Roque, Olga Silvestre e João Marques denunciaram “graves carências de funcionamento” das extensões de saúde de Santa Catarina, Rostos e A-dos-Francos, no concelho das Caldas da Rainha, tendo questionado a ministra da tutela sobre diversas situações.

deputados

Condução perigosa na A8 entre Tornada e Caldas

A zona da A8 entre Tornada e Caldas da Rainha está referenciada pelo Destacamento de Trânsito (DT) de Leiria da GNR como palco de condução perigosa, tendo levado à detenção de alguns condutores ao longo do último mês.

corridas