Q

Previsão do tempo

28° C
  • Saturday 26° C
  • Sunday 23° C
  • Monday 21° C
28° C
  • Saturday 26° C
  • Sunday 23° C
  • Monday 21° C
29° C
  • Saturday 29° C
  • Sunday 25° C
  • Monday 22° C
Escaparate

Diário de um corpo sem memória

Rui Calisto

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Fernando Correia - um dos mais respeitados profissionais da comunicação social em Portugal - esteve recentemente nas Caldas da Rainha, numa rádio local, a falar acerca do seu mais novo livro, cujo título pode ler-se em epígrafe.

Nele, o autor que nos acostumou – através da sua voz aveludada e bem colocada – a ouvir prazerosamente relatos de futebol, traz-nos uma realidade emotiva, dolorosa, vivida na primeira pessoa. Uma diegese que nos faz pensar na vida (na nossa e na de quem está ao nosso lado), na dele e na da Vera, a personagem principal.

Fernando e Vera, dois padecentes que não estão sós, pois tiveram filhas, e estas lhes deram netos, seres humanos saudáveis, com corações latejantes de amor pela mãe já avó, que, infelizmente, por ironia de um fadário ímpio, é incapaz de o perceber, de o sentir, de sequer o sonhar.

Uma senhora que desconhece as suas próprias emoções, com uma vida que paira num éter nebuloso, com uma palavra que não ecoa no quarto, com um coração que pulsa movido por um milagre autêntico (ou químico). Perceberá, então, a solidão de sua alma? Terá noção, no limiar de onde se encontra, de que o seu solilóquio não possui ouvintes? Haverá dentro de si um discurso solene, dito ininterruptamente ao seu ser, para que este se mantenha vivo, naquela neutralidade física comovente?

Vera, não é somente a ressoante personagem desse livro, é, também, de uma vida que um dia foi. Dentro de si existe uma distância, um abismo, onde ecoa a esperança tutelar de uma família, a sua, que a quer para si, como deve ser, como deveria ser.

“Uns dias antes de seres internada ouvimos muitas vozes à nossa volta a dizerem tudo o que a ignorância permite e documenta. No restaurante, e enquanto procuravas comer a sopa à mão, as pessoas sentadas noutras mesas riam de troça e apontavam para a testa com o dedo indicador.”

Tenho comiseração por este povo, que não consegue perceber o que se passa ao seu redor. “Que pena eu tenho dos pobres de espírito.”

O “Diário de um corpo sem memória” expõe, de modo marcante e comovente, o ritmo do coração de Fernando Correia, em sonantes batidas, por uma alma que, em anos volvidos, o arrebatou de amores. Um livro que patenteia, também, a necessidade que todos temos de conhecer com profundidade o que é a doença de Alzheimer, como a podemos identificar e, principalmente, como devemos agir quando estamos diante de um ser humano que sofre com essa perturbação, para não fazermos figura de néscios.

Uma enfermidade atroz, que vem devagar, sem pressa, e fica, e fica, pousa em nós na antessala do vácuo, aguardando que o organismo lhe dê um sinal para parar, anúncio que nunca chega, até que ele, o prenúncio, esquece-se de si próprio e avança, instala-se, domina-nos, apagando-nos para as coisas terrenas.

Em cada página desse livro percebemos a pequenez do que somos, diante da imensidão do desconhecido. É uma narrativa que nos leva também a acreditar em prodígios, e a desejar que aconteça, no estalar de um segundo, a debelação do mal; e que aquele cérebro não tivesse sido corrompido; que aquele olhar se enchesse de luminosidade; que ela, a Vera, regressasse a este momento, com uma lucidez desconcertante.

O “Diário de um corpo sem memória” é um livro para a cabeceira, por todo o sempre, para ser lido quantas vezes o nosso coração desejar.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

As festas das aldeias e suas tradições

Com a chegada do verão começa a altura dos arraiais, das festas das aldeias, onde reina o tradicional bailarico e de seguida o dj a fazer o resto da magia.

Novo recorde de maior onda surfada na Praia do Norte

Há um novo recorde mundial de maior onda já surfada na Praia do Norte, na Nazaré, que foi alcançado pelo alemão Sebastian Steudtner, que em 29 de outubro de 2020 atingiu os 26,21 metros, segundo foi anunciado nesta terça-feira pela World Surf League (WSL), organizadora dos Red Bull Big Wave Awards.

onda