Q

Previsão do tempo

9° C
  • Friday 13° C
  • Saturday 12° C
  • Sunday 12° C
10° C
  • Friday 13° C
  • Saturday 12° C
  • Sunday 13° C
9° C
  • Friday 13° C
  • Saturday 11° C
  • Sunday 13° C

Mercado Semanal reabre após meses difíceis para os feirantes

Marlene Sousa

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
O Mercado Semanal das Caldas da Rainha reabriu nesta segunda-feira ao público num ambiente geral de satisfação, após cerca de três meses de inatividade, que foram “difíceis" para alguns comerciantes.
“Amigos da feira” tomam o pequeno-almoço há cerca de 5 anos na Feira Semanal das Caldas

Foram três longos meses penosos para Sérgio Bernardino, da Roulotte Bar “O Camionista”. “Foi muito mau porque todos os mercados onde trabalho fecharam e fiquei com zero rendimento”, contou ao JORNAL DAS CALDAS.

Não teve qualquer apoio durante o tempo que esteve sem trabalhar. “Davam com uma mão e tiravam com a outra, a moratória do banco que pedi foi negada”, salientou, acrescentando que se os mercados não abrissem “tinha que arranjar uma solução como colocar-me à beira da estrada a vender frango assado”.

Sérgio Bernardino, que é de A-dos-Francos, vende frango, entrecosto e coelho assado e tem ainda porco no espeto nesta feira. O segredo do seu “sucesso” é o “tempero e a qualidade da carne que é toda nacional”. O feirante reparou que “os clientes estavam também ansiosos que a feira abrisse”, uma vez que recebeu vários telefonemas a perguntar quando é que voltava.

É o caso dos “amigos da feira”, que há cerca de cinco anos que se juntam todas as segundas-feiras no mercado semanal e tomam o pequeno-almoço num momento de convívio. Eram dez da manhã e comiam entrecosto assado com batata frita, acompanhado por um copo de vinho tinto. “Tinha saudades da feira, porque é aqui que nos encontramos e estivemos quase três meses sem nos vermos”, contou Mário Paulino, porta-voz do grupo de amigos, natural de Alvorninha, mas residente na cidade das Caldas. “Esta crise provocada pela pandemia é difícil para quem vende, mas nós também sentimos devido à falta de convívio porque temos amizade e carinho uns pelos outros”, apontou.

Clara Conde, de Leiria, vendedora há dois anos de roupa de cama (lençóis, cobertores e colchas), manifestou-se satisfeita com a reabertura do Mercado Semanal. “Precisava de escoar o meu produto e já estava sem rendimento há algum tempo”, disse a feirante, revelando que “vende-se muito menos porque as pessoas estão sem dinheiro”.

Adélia Costa, que vende farturas há mais de dois anos, estava feliz por voltar, porque é o seu meio de subsistência. “Este ano não vai haver festas e vai ser mais difícil para o meu negócio”, revelou, considerando que a feira reabriu “com tudo muito bem organizado e com todos os cuidados e tranquilidade”.

Mário Rafael, de 62 anos, residente nas Caldas, vende há cerca de 30 anos neste mercado. Não passou despercebido na feira, com alguma clientela para comprar “as calças de ganga e os fatos de trabalho”.

O comerciante estava com uma mistura de emoções, entre o alívio por voltar ao negócio e a tristeza de voltar sem a presença do seu filho, de 47 anos, que morreu pela “profunda tristeza e medo provocado pela pandemia”.

“Está a ser uma altura muito difícil, isto é uma empresa e apesar de ter colocado os meus filhos em layoff ainda não recebi um tostão”, contou.

Mário Rafael destacou o esforço que a Câmara Municipal das Caldas fez na reabertura desta feira e também do Mercado de Santana, que “estão muito bem organizados”. Quanto ao número de clientes na feira, referiu que “tem que haver um recomeço e economicamente irá crescer progressivamente”.

Câmara quer potenciar a atividade económica

No recinto da feira, que foi totalmente vedado e alargado, controlavam-se os acessos nas quatro entradas, para que não passasse a presença em simultâneo de mil pessoas. Bancas mais espaçadas e a presença em cada uma delas de uma embalagem de álcool gel para os clientes desinfetarem as mãos passou a ser desde segunda-feira, e até um prazo indefinido, a nova realidade desta feira.

As entradas foram vigiadas por agentes da PSP e seguranças, que verificaram se os visitantes levavam máscaras e pediram a todas as pessoas para desinfetar as mãos à entrada, nos dispensadores de álcool gel instalados.

O presidente da Câmara das Caldas, Tinta Ferreira, que esteve no Mercado Semanal ao meio da manhã, fez ao JORNAL DAS CALDAS um balanço positivo “ao esforço e comportamento dos vendedores como dos clientes que cumpriram todas as normas de segurança”.

Tinta Ferreira admitiu ser uma operação complexa porque o recinto é muito grande. Considera que a reabertura correu tão bem como no Mercado de Santana.

O autarca disse que gastaram cerca de dez mil euros na preparação logística, “uma vez que a saúde pública está em primeiro”.

O presidente destacou o esforço da autarquia “em potenciar a atividade económica no concelho”.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Icónico edifício da Secla vai ser reabilitado

Depois de vários anos ao abandono e já em estado de degradação, o edifício icónico sede da Secla, nas Caldas da Rainha, vai finalmente ser totalmente reabilitado e valorizado.

secla

Candidato do BE luta “por uma linha do Oeste que responda aos desafios atuais”

O candidato do Bloco de Esquerda pelo distrito de Leiria às próximas eleições legislativas, Ricardo Vicente, viajou no passado dia 12 de comboio na Linha do Oeste, de Leiria para Caldas da Rainha, para assinalar a necessidade de requalificar da linha integralmente, e de garantir velocidades de deslocação competitivas com o transporte rodoviário, contrariamente aos resultados previstos pelo Governo para a requalificação no troço de Meleças até Caldas da Rainha.

bloco