Q

Previsão do tempo

20° C
  • Monday 22° C
  • Tuesday 22° C
  • Wednesday 22° C
20° C
  • Monday 23° C
  • Tuesday 22° C
  • Wednesday 23° C
21° C
  • Monday 24° C
  • Tuesday 24° C
  • Wednesday 25° C

Novo centro de testes Covid-19 no Pavilhão Rainha D. Leonor

Marlene Sousa

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Um novo centro de testes Covid-19 abriu na passada segunda-feira no Pavilhão Rainha D. Leonor, nas Caldas da Rainha, numa parceria entre a autarquia, o laboratório do grupo Germano de Sousa e o Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Oeste Norte, onde “poderão ser testadas todas as pessoas com indicação das autoridades de saúde”, prevendo-se que “numa primeira fase sejam realizados 80 a 100 testes por dia”, número que, “dependendo da procura, poderá ser alargado através das equipas locais, a garantir a colheita e testes nos lares do concelho”, explicou João Rio Tinto, gestor de projeto do laboratório privado.
O novo centro vai permitir obter resultados entre 48 a 72 horas

A estrutura pretende “dar resposta a uma necessidade da população local e também da classe médica que se encontrava preocupada com os longos prazos para marcação de testes”, disse o representante do Grupo Germano de Sousa.

“O novo centro vai permitir obter resultados entre 48 a 72 horas após a realização do teste, reduzindo, assim, as listas de espera”, adiantou.

“Os resultados são enviados por e-mail, não existe manuseamento em papel, para garantir também que eliminamos o risco de contágio”, assegurou o responsável.

Os testes serão realizados apenas mediante a apresentação de requisição médica do Serviço Nacional de Saúde (médico de família/unidades de saúde familiar), sendo gratuito para o utente.

Quem o realizar através de requisição médica de instituições de saúde privadas terá de assumir o custo de 150 euros, tendo o laboratório Germano de Sousa o acordo com várias seguradoras de saúde. “Não tem existido uma procura muito grande de utentes do privado ou através de seguradoras, mas é uma possibilidade e estamos preparados para isso”, garantiu João Rio Tinto, que tem a expetativa de que “90 por cento ou mais serão utentes referenciados pelo SNS”.

A marcação é feita por telefone e os utentes são atendidos por ordem de chegada. O centro tem um fluxo de sentido único, ou seja, a pessoa passa pela receção e depois dirige-se para a área técnica, composta por dois gabinetes para a colheita.

No caso de suspeitos de infetados em domicílio ou em lares, este laboratório vai fazê-los ao local.

Novo centro vem dar resposta a nível local

“Este novo centro de testes Covid-19 é uma necessidade porque tínhamos um único posto de colheitas a funcionar há duas semanas, com um limite de 40 testes”, informou Ana Maria Pisco, diretora do ACES Oeste Norte, adiantando que “com a entrada em funcionamento deste centro está garantida a resposta a nível local”.

A responsável revelou que tem “notado um grande acréscimo de pessoas testadas e por cada pessoa testada positiva tem que haver dois testes negativos. Portanto, isto multiplica em muito a necessidade de fazer os testes e era fundamental ter nas Caldas um outro local para fazer mais testes Covid-19”. .

A responsável espera que os profissionais mais ligados à saúde e de outras instituições do Oeste que estão na linha da frente também “possam agora ser testados”.

A diretora do ACES Oeste Norte assegura que “neste momento não há falta de testes, nem de reagentes nem de zaragatoas” e que vão “testar o máximo de pessoas que pudermos”.

Ana Maria Pisco revelou ainda que no ACES Oeste Norte “nunca faltou equipamento de proteção individual” e que seguiram sempre as regras da Direção Geral de Saúde”. No entanto, salienta a necessidade de o utilizar de uma “forma racional e necessária e não o desperdiçar, porque não sabemos durante quanto tempo é que o vamos utilizar”.

Inscritos na plataforma informática do ACES Oeste Norte, até à passada semana já foram realizados 500 testes ao coronavírus. “Não estão aqui contabilizados os testes feitos ao lar de Santa Catarina e no lar de Turquel ou outras instituições deste tipo, porque saíram deste sistema”, disse a responsável.

Por exemplo, os testes que foram feitos no lar de Santa Catarina “foram feitos no hospital de Santa Maria, precisamente porque não tínhamos aqui ainda capacidade de resposta”, explicou a diretora do ACES Oeste Norte.

Mara Marques, médica do Centro de Saúde das Caldas da Rainha, sentiu com os seus utentes a necessidade de haver mais testes Covid-19 nas Caldas e falou com o representante do Grupo Germano de Sousa no sentido de analisar a possibilidade de abrir um centro local. “Graças à parceria com a autarquia temos aqui a estrutura a funcionar e que irá dar resposta às necessidades locais”, apontou.

Testes a funcionários das IPSS

O presidente da Câmara das Caldas disse que já tinham sido contactado pelo ACES Oeste Norte e que já estava preparado para a eventualidade de haver a necessidade de um segundo centro de testes, na sequência dos acordos que existem entre a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo e os laboratórios.

Tinta Ferreira explicou que “criámos as condições necessárias para que o centro funcione com segurança e disponibilizámos alguns colaboradores do desporto, uma vez que a estrutura está a funcionar no pavilhão”.

A par com o espaço, a câmara facultou ainda à empresa uma linha telefónica e de internet para marcação dos exames, sendo o atendimento assegurado por funcionários do município.

“A existência deste recurso vai possibilitar arrancar com a realização de testes aos funcionários dos lares e também aos colaboradores do apoio domiciliário do concelho”, no âmbito de um processo integrado no conjunto de medidas articuladas com a Comunidade Intermunicipal do Oeste (OesteCim), explicou, o autarca.

São, segundo Tinta Ferreira, “90 a 100 euros por cada teste e o Governo paga metade, portanto, no Oeste todo estamos a falar em 5000 funcionários, o que dará cerca de 500 mil euros (250 mil suportados pelo Governo e 250 mil suportados pelos doze municípios que compõem a OesteCim).

No que respeita ao município das Caldas são cerca de 600 colaboradores que tinham de ser testados. Dará 70 mil euros, cabendo à autarquia pagar 35 mil.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Quatro pessoas assistidas em acidente aparatoso

Um acidente envolvendo dois carros na Avenida Barata Feyo, junto ao hipermercado E.Leclerc, nas Caldas da Rainha, ocorreu neste domingo de manhã, levando quatro pessoas a serem assistidas pelas equipas pré-hospitalares dos bombeiros.

despiste1