Q

Previsão do tempo

7° C
  • Thursday 14° C
  • Friday 13° C
  • Saturday 11° C
7° C
  • Thursday 14° C
  • Friday 13° C
  • Saturday 12° C
6° C
  • Thursday 14° C
  • Friday 13° C
  • Saturday 11° C
Apresentação do livro da Associação Meninos do Mundo

Jovens contaram a sua experiência no voluntariado internacional

Mariana Martinho

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
O livro “Voluntariado Internacional”, que contém cinquenta e três testemunhos de experiências de voluntariado internacional no Brasil, Índia, Sri Lanka, Senegal, Etiópia, Nepal, China e Quénia, foi apresentado na passada sexta-feira no auditório da Biblioteca Municipal das Caldas da Rainha. Além da obra, que pertence à Associação Meninos do Mundo, a sessão contou com o testemunho de dois jovens voluntários da associação na Guiné Bissau e em São Tomé e Príncipe.
Teresa Fernandes, Cármen Gonçalves e Carlos Xavier

A obra, que está dividida em seis capítulos, conta com os testemunhos de diversos voluntários, que “procuraram retratar a sua experiência e explicar o que cada um aprendeu efetivamente com ela”, explicou Cármen Gonçalves, que também faz parte da direção dos Meninos do Mundo. Segundo a responsável, “esta associação tem como objetivo promover a defesa dos direitos, liberdades e garantias das crianças, em qualquer parte do mundo”, através da implementação de projetos e iniciativas de cariz social, especialmente em países em vias de desenvolvimento. Nesse sentido, “procuramos deixar as sementes nas crianças e nas comunidades envolventes, de modo a que eles continuem quando nós vamos embora”. Foi o caso da proposta de alteração da Lei de Proteção à Infância, em São Tomé e Príncipe, de modo “a que as crianças de alguma maneira tenham oportunidade de fazer queixa e ter continuidade”, e ainda a implementação de projeto piloto na escola em São Tomé e Príncipe para trabalhar as necessidades educativas especiais das crianças. Além destes projetos, a associação pretende este ano criar um centro de acolhimento na Guiné-Bissau. De acordo com Cármen Goncalves, fazer voluntariado é “muito importante mas fazer só por fazer não é solidariedade, é caridade”, nesse sentido, “devemos sempre pensar naquilo que sou efetivamente útil e o que posso fazer pelo outro”.

“O voluntariado é uma experiência única”

Um dos testemunhos é da jovem voluntária, Teresa Fernandes, que atualmente tem 19 anos, mas quando foi pela primeira vez, em missão de voluntariado internacional, tinha apenas 16 anos. “Fiz praticamente toda a minha adolescência fora de Portugal, primeiro em São Tomé e Príncipe, e depois em Guiné Bissau”, referiu a jovem, adiantando que “essas experiências foram tão marcantes para mim”. Na primeira missão, em São Tomé e Príncipe, Teresa Fernandes teve diversas tarefas, entre elas, ajudar a sensibilizar as crianças para os seus direitos e deveres. “Muito surpreendentemente elas não sabiam, nem faziam a ideia que os tinham”, contou a voluntária. Para Teresa Fernandes, “o voluntariado é uma experiência única, em que cada um vive de maneira diferente. No meu caso fez-me perceber que aquela realidade que vivia não era a toda a gente, existindo cenários bem piores, como o facto de crianças terem de andar quilómetros para conseguir água ou acesso à medicação”. Outra experiência em que teve oportunidade de participar foi na Guiné Bissau, onde contactou com raparigas vítimas de casamentos precoces. “Com uma equipa especializada procurávamos trabalhar a autoestima dessas crianças, que tinham pouca autoestima e ultrapassar essa história traumatizante”, explicou a jovem, adiantando que “ser-se voluntário não é só estar no campo. É também saber o poder da diferença e comprometermo-nos com nós mesmos a fazer o nosso próprio papel”. Essa experiência fez Teresa Fernandes “ser uma pessoa diferente e aquilo que sou hoje”. Ao contrário da jovem Teresa, Carlos Xavier, de 22 anos, começou a experiência do voluntariado internacional um pouco mais tarde, com 18 anos. “Fui sem perspetivas e com uma ideia errada”, confessou o jovem, adiantando que o que mais o marcou foi a “falta de carinho e de estrutura familiar que aquelas crianças têm e que nós por vezes não damos valor”. Primeiramente esteve em São Tomé e Príncipe com outros voluntários para ajudar a construir a primeira biblioteca numa escola pública e no verão do ano passado decidiu ir dois meses fazer voluntariado numa associação, que trabalhava com os refugiados, na Grécia. “Ambas as experiências ajudaram-me a perceber que nós somos uns sortudos, por ter família e educação, e ter tudo o que temos direito no nosso dia-a-dia”, sublinhou o jovem, adiantando que “hoje sinto-me uma pessoa diferente, mais crescida e com outros valores”. A iniciativa foi organizada por uma aluna da turma de primeiro ano de Gestão de Turismo da Escola de Hotelaria e Turismo do Oeste (EHTO), que também faz parte da associação.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Inês Belbute com medalha de bronze na marcha

Inês Belbute, atleta da Escola de Atletismo do Arneirense, das Caldas da Rainha, alcançou o 3° lugar no Campeonato Nacional de Marcha em Estrada, realizado em Porto de Mós, com a marca de 29 minutos e 42 segundos.

atleta

Gaeirense com vitória caseira no futsal

O Gaeirense arrancou com uma goleada a fase de manutenção/descida do Campeonato Nacional da III Divisão de Futsal, série 6. Vitória caseira por 5-1, diante da Casa do Benfica da Golegã.

Nova loja de produtos para animais de estimação

A Goldpet - Produtos para animais de estimação, Lda abriu uma loja nas Caldas da Rainha, estando o evento formal de inauguração marcado para sábado, a partir das 10h00.

goldpet2