Q

Previsão do tempo

15° C
  • Monday 16° C
  • Tuesday 14° C
  • Wednesday 17° C
16° C
  • Monday 16° C
  • Tuesday 14° C
  • Wednesday 17° C
16° C
  • Monday 16° C
  • Tuesday 15° C
  • Wednesday 17° C

Projeto para pessoas com demência e familiares esteve no Cadaval

Mariana Martinho

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
“A doença de Alzheimer assume um lugar de destaque, representando cerca de 50 a 65% dos casos de demência em Portugal”, referiu uma das coordenadoras do projeto “Café Memória faz-se à estrada”, que esteve no passado dia 6 no Cadaval.
Na sessão, os presentes trocaram experiências e realizaram exercícios, como forma de ajudar a lidar com a doença

Esta iniciativa, que consiste em ir ao encontro de comunidades mais desfavorecidas do ponto de vista social e geográfico, pretende contribuir para a melhoria da qualidade de vida e redução do isolamento social das pessoas com demência e dos seus familiares, bem como sensibilizar a comunidade para a problemática das demências.

Este projeto, que resultou de uma iniciativa de duas entidades promotoras, a Associação Alzheimer Portugal e a empresa Sonae Sierra, e de um conjunto alargado de parceiros, arrancou como projeto-piloto em abril de 2013, com a abertura dos Cafés Memória de Lisboa-Colombo e de Cascais. Após cinco anos de intervenção, a iniciativa decidiu lançar uma nova vertente do projeto, o “Café Memória faz-se à estrada”, sendo um espaço mensal destinado aos familiares e às pessoas com Alzheimer ou com outro tipo de demência, ocupando desde espaços de restauração em centros comerciais, até museus ou locais cedidos por instituições de ensino.

Desta vez foi o concelho do Cadaval escolhido para receber mais uma sessão do projeto, onde os presentes trocaram experiências e realizaram exercícios, e ainda ouviram as duas técnicas coordenadoras do projeto, Catarina Alvarez e Isabel Sousa, a falar de como ajudar a lidar com a doença.

Segundo Catarina Alvarez, “as demências são doenças neuro degenerativas, que causam um declínio progressivo no funcionamento da pessoa, através da perda de memória, capacidade intelectual, raciocínio, competências sociais e alterações das reações emocionais normais”.

Apesar da maioria das pessoas com demência ser idosa, a coordenadora salientou que “nem todas as pessoas seniores desenvolvem a doença e esta não faz parte do processo de envelhecimento natural”, podendo assim surgir em qualquer pessoa, mas é mais frequente a partir dos 65 anos. Em algumas situações pode ocorrer em pessoas com idades compreendidas entre os 40 e os 60 anos

Contudo, a coordenadora explicou que ainda “existe um elevado desconhecimento por parte das pessoas relativamente a esta doença, o que causa perceções e atitudes negativas dos indivíduos e da sociedade em relação a esta problemática, que geram estigma, provocando isolamento social e redução da qualidade de vida das pessoas com demência e dos seus cuidadores”.

“As demências ainda não são reconhecidas como uma prioridade, não existindo uma estratégia ou plano nacional para enfrentar este problema social e de saúde pública de relevância crescente”, sublinhou Catarina Alvarez. No que diz respeito ao acesso às respostas pelos cidadãos, a maioria das vezes são “assimétricas, por estas se concentrarem habitualmente nos grandes centros urbanos, sendo esta realidade promotora de injustiça e desigualdade social”.

Por isso, esclareceu que numa fase inicial é “essencial o diagnóstico médico, quando os primeiros sintomas aparecem, de modo a garantir que a pessoa que tem uma condição tratável seja diagnosticada e tratada corretamente”. Por outro lado, se os sintomas forem causados por uma demência, o diagnóstico precoce possibilita o acesso mais cedo a apoio, informação e medicação.

Além do Alzheimer, também existem outras formas de demência como a doença de Parkinson e a doença de Huntington. “Apesar dos sintomas nas fases iniciais serem diferentes em função de cada tipo de demência, é sempre fundamental um diagnóstico médico rigoroso”, afirmou Catarina Alvarez.

Igualmente alertou para a existência de várias situações que produzem sintomas semelhantes à demência, como por exemplo algumas carências vitamínicas e hormonais, depressão, sobredosagem ou incompatibilidades medicamentosas, infeções e tumores cerebrais.

Atualmente não há cura para a demência, contudo “existem fármacos que podem reduzir alguns sintomas da doença”. Além disso é importante, o papel familiar, bem como de amigos e cuidadores, que pode fazer uma diferença positiva na forma de lidar com a doença.

“Nós estimamos que cerca de 80% das pessoas com demência vivam em casa e não em contexto institucional, por isso, o papel da família é fundamental”, frisou a coordenadora.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Aluno da EHTO no MasterChef

Guilherme Romão, aluno da Escola de Hotelaria e Turismo do Oeste, das Caldas da Rainha, no Curso de Padaria Avançada 2021 (sexta edição), está a participar na nova temporada do Programa "MasterChef Portugal".

guilherme

Peniche com campeão de muay thai

O Município de Peniche soma mais um campeão nacional, desta feita, o atleta Cláudio Figueiras, da classe de cadete do MSA-Sitnarong Muay Thai Camp Peniche/Portugal.

claudio

Limpeza subaquática

O Município de Peniche promoveu no passado sábado uma ação de limpeza subaquática no porto da cidade, procurando, no âmbito da sensibilização para a salvaguarda do ecossistema marinho, contribuir para aliviar a pressão exercida pelos apetrechos e outros materiais involuntariamente perdidos.

limpeza