Q

Previsão do tempo

15° C
  • Monday 18° C
  • Tuesday 19° C
  • Wednesday 22° C
15° C
  • Monday 18° C
  • Tuesday 20° C
  • Wednesday 23° C
15° C
  • Monday 19° C
  • Tuesday 22° C
  • Wednesday 25° C
Escaparate

Curso de História Urbana

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Caldas da Rainha foi fundada em 1484 (há 534 anos), guindada a vila em 1511 (há 507 anos) e elevada a cidade em 1927 (há 91 anos). É, portanto, uma respeitável senhora.

Uma região com muitas estórias, e com muita história, e que, com certeza, faz parte do imaginário de muitas famílias, ou por aqui terem nascido, ou por aqui terem habitado.

O seu nome é uma homenagem à Rainha D. Leonor de Lencastre (1458-1525), sua fundadora, e a sua fama tem origem na sua maior riqueza: A existência de águas termais sulfurosas em seu subsolo, cujos resultados medicinais foram confirmados por diversas civilizações durante séculos.

Caldas da Rainha não pode ser considerada velha, pois, consta que as primeiras cidades, ou assentamentos permanentes, surgiram há, aproximadamente, quinze mil anos. Para confirmarmos a sua idade real e qual a identidade da sua população, seria fundamental que, neste concelho, existisse um curso de História Urbana, onde fosse possível estudar a sua essência secular e o seu processo de urbanização.

Jericó, na Cisjordânia, às margens do rio Jordão, descrita na Bíblia Hebraica como a “Cidade das Palmeiras”, é considerado o burgo mais antigo do mundo e, segundo estudos criteriosos acerca da sua História Urbana, é possível estimar que os seus primeiros habitantes ali chegaram entre 9600 e 9000 a.C., sendo povoada e despovoada inúmeras vezes, e passando por diversos domínios: Império Otomano, Reino Unido, Jordânia e, desde 1994, Autoridade Nacional Palestina. Estima-se, atualmente, que a sua população seja de 20 mil habitantes. A 500 metros de distância da moderna Jericó é possível percorrer a região mais antiga, apreciando nela as ruínas que a tornaram famosa e tantas vezes secular.

Outras cidades antiquíssimas, e que vêm resgatando a sua História Urbana, são: Ur (na Suméria, no sudoeste do Iraque), Damasco (Capital da Síria), Beirute (no Líbano), Cairo (no Egito) e Sanaa (no Iêmen). Todas, alvo de cuidadosos estudos acerca da sua origem, bem como da chegada dos seus primeiros habitantes.

Sabemos que Caldas da Rainha foi fundada em 1484, porém, a sua história é muito mais antiga do que esses apregoados 534 anos. Pode ser que os Iberos tenham aqui fincado pés, assim como os Celtas, os Fenícios, os Cartagineses, os Romanos, os Bárbaros, os Vândalos, os Suevos, os Alanos, os Lombardos, os Visigodos, os Ostrogodos ou os Muçulmanos. Somente com um curso de História Urbana podemos chegar a conclusões mais precisas.

Através de um bem elaborado protocolo com o Departamento de Ciências e Técnicas do Património, da Universidade do Porto, ou com os Departamentos de História, Arqueologia e História da Arte da Universidade de Lisboa, é possível iniciar a investigação com a honestidade que o assunto merece. Estimando que, se essa pesquisa tiver início no ano de 2019, os resultados preambulares, seguros e concretos, podem ser do conhecimento público a partir do ano de 2039.

O tempo de investigação é moroso devido ao facto de ser necessário levantar os modelos de ocupação antrópica, estudando antigas sociedades, como as do Paleolítico, do Mesolítico, do Neolítico, do Calcolítico (ou Idade do Cobre), da Idade do Bronze, e da Idade do Ferro.

Caldas da Rainha possui um dos territórios mais deslumbrantes de Portugal e, o seu nascimento, é dos mais bonitos do planeta. Resta agora descobrir o que está na sua génese, como torrão e como povo e, para isso acontecer, somente com muita e honesta pesquisa!

Rui Calisto

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Estudantes visitam Paul de Tornada

A Associação PATO recebeu duas turmas da Escola Secundária Raul Proença, que realizaram um conjunto de atividades de voluntariado, explorando a Reserva Natural do Paul de Tornada numa visita guiada, contribuíram para o nascimento de um jardim sensorial e efetuaram ainda uma monitorização ambiental na Lagoa de Óbidos com o Projeto Coastwatch, recolhendo muito lixo marinho.

pato

Jovens portugueses e finlandeses em intercâmbio

Entre os dias 1 e 8 de abril, a Associação Juvenil de Peniche foi palco de um intercâmbio sob a temática da arte e sustentabilidade. O evento recebeu a participação de doze jovens, de Portugal e Finlândia, com idades entre os 15 e os 25 anos.

intercambio

Curso Avançado de Produção de Microalgas e Cultivos Auxiliares

O MARE - Politécnico de Leiria e a Escola Superior de Turismo e Tecnologias do Mar, em Peniche, vão promover uma nova edição do Curso Avançado de Produção de Microalgas e Cultivos Auxiliares, que pretende dar a conhecer as espécies de microalgas cultivadas em laboratório, métodos de cultivo, potencialidades como recursos marinhos, sistemas de produção, e os cultivos auxiliares que beneficiam e cujo valor nutricional pode ser modelado através da alimentação com microalgas. As inscrições estão abertas até dia 27 de maio.