Q

Previsão do tempo

20° C
  • Sunday 19° C
  • Monday 18° C
  • Tuesday 21° C
20° C
  • Sunday 19° C
  • Monday 18° C
  • Tuesday 22° C
20° C
  • Sunday 20° C
  • Monday 20° C
  • Tuesday 24° C

Crédito Agrícola das Caldas, Óbidos e Peniche com resultado líquido de 1,7 milhões de euros em 2021

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
O Crédito Agrícola Mútuo das Caldas da Rainha, Óbidos e Peniche (CCAMCROP) encerrou o exercício de 2021 com um resultado líquido de 1 759 360,50 euros.
Cristiana Lage (vogal), Luís Manuel Soares (presidente) e João Correia da Silva (vogal)

O Crédito Agrícola Mútuo das Caldas da Rainha, Óbidos e Peniche (CCAMCROP) encerrou o exercício de 2021 com um resultado líquido de 1 759 360,50 euros.

O conselho de administração do CCAMCROP é composto por três administradores executivos e tem atualmente 63 colaboradores. O presidente é Luís Manuel Soares e tem como vogais, Cristiana Lage Lourenço e João Correia da Silva.

De acordo com estes responsáveis, o resultado líquido de 2021 registou um aumento de 826.000,00 euros face ao período homólogo anterior, e um decréscimo de 1.127.000,00 euros, face ao mesmo período em 2019 (num contexto de pré-pandemia), quando foi registado um resultado de 2.886 milhões de euros.

A atividade comercial apresenta uma evolução do volume de negócios, com um aumento de 53 milhões de euros e de 83 milhões de euros, face a 2020 e 2019, respetivamente. Como reflexo do continuado apoio prestado pelo Crédito Agrícola à economia local, a carteira de crédito (bruto) a clientes apresentou um crescimento de 14 milhões de euros (face a 2020) e de 17 milhões de euros (face a 2019).

Os recursos de clientes sob a forma de depósitos à ordem e depósitos a prazo/poupanças apresentam um crescimento de 35 milhões de euros e de 66 milhões de euros, face a 2020 e 2019.

Num período caraterizado pela incerteza, este crescimento demonstra, segundo o conselho de administração, “a confiança depositada pelos clientes na caixa e no Grupo Crédito Agrícola”.

Regista-se, igualmente, uma evolução dos fundos de investimento, com um crescimento da carteira de fundos de 4 milhões de euros face a 2020 e de 3 milhões de euros, quando comparado com 2019. Na componente dos seguros assinala-se, igualmente, um crescimento.

Apresenta ainda um “confortável nível de solvabilidade, com uma folga considerável face aos níveis mínimos recomendados”.

Quanto às expetativas para 2022, a administração disse que não podia “ter acontecido pior à economia mundial que a seguir a uma pandemia se tivesse iniciado uma guerra”. Os elementos estão “apreensivos com as suas consequências e o crescimento dos preços, especialmente em todo o setor energético, é já uma realidade contagiosa a todos os setores de atividade”.

Referência no sistema bancário português”

O Crédito Agrícola é o único banco a operar em Portugal filiado no setor bancário cooperativo europeu, sendo, de acordo com a administração, um grupo de “referência no sistema bancário português, com capitais exclusivamente nacionais, do qual fazem parte um conjunto de empresas financeiras, entre as quais as seguradoras CA Vida e CA Seguros, oferecendo uma oferta universal de produtos e serviços financeiros e de proteção”.

Os elementos da administração revelaram que o Crédito Agrícola “evoluiu, está mais profissional, mais competente, mais desafiante e mais presente na sociedade portuguesa”. É composto atualmente por 75 Caixas de Crédito Agrícola Mútuo e Caixa Central que, em conjunto, detêm uma rede de 624 agências (a maior rede de Agências no país), estando presente em mais de 700 localidades, através da instalação de ATM.

A Caixa Agrícola tem a sua área de ação geográfica nos concelhos de Caldas da Rainha, Óbidos e Peniche, contando, atualmente, nessas localidades com 12 agências, 37 ATM e 10 balcões.

“O Crédito Agrícola deixou de ser percecionado como um banco para agricultores e afirmou-se como uma das maiores instituições portuguesas, fruto do trabalho da Caixa Central de Crédito Agrícola Mútuo, das Caixas Agrícolas, das empresas do grupo, dos seus administradores e trabalhadores”, afirmaram. 

Sendo a Caixa Agrícola uma instituição centenária, já com 109 anos de existência, o crescimento e resultados alcançados são, de acordo com estes responsáveis a confiança que as “pessoas têm no Grupo”.

O Crédito Agrícola, “fruto desse reconhecimento e notoriedade”, tem granjeado importantes distinções, a nível externo, nomeadamente, já no início de 2022 foi eleito pela “Escolha do Consumidor 2022 como melhor banco, na Categoria Pequenos e Médios Bancos, conquistando assim a preferência dos consumidores portugueses, destacando-se com o 1º lugar em oito das dez categorias em avaliação.

Com as novas formas de trabalho aceleradas pela pandemia, a CCAMCROP apostou na digitalização, tendo “renovado todo o parque informático, a fim de o dotar das mais recentes tecnologias, possibilitando, melhorar a rapidez do desempenho das aplicações atuais”.

Dada a atomização da sua rede, o Crédito Agrícola “tem um compromisso para com as pessoas que vivem nos territórios onde atua”. Em muitos casos, são o “único banco que serve essas populações que olham para a sua agência como sendo sua”.

“Contribuímos ao nível económico, social, cultural e desportivo para o progresso das comunidades locais porque, encontrando-se enraizada na sua área de ação geográfica, tem uma proximidade com os seus clientes que permite estar atenta às suas necessidades, quer ao nível do crédito, quer ao nível da absorção de parte substancial das poupanças das empresas e particulares), apoiando ainda projetos de investimento”, afirmaram os elementos da administração.

Apontam ainda que assumem um papel “muito importante ao nível da responsabilidade social através do apoio com donativos/patrocínios a iniciativas, estando associados a eventos que muito têm contribuído para o aumento da sua notoriedade e do reconhecimento por parte das pessoas, enquanto entidade dinâmica e com sustentado crescimento”.

Moratórias encontram-se em situação regular”

No que concerne à situação das moratórias, osadministradores executivos revelaram que após o fim do período de moratória legal no final de setembro, do valor de 2.892 milhões de euros, de moratórias expiradas, 93,7% retomaram o plano de pagamento original e 87,9% encontram-se em situação regular (fases 1 e 2).

“Ao nível da Caixa Agrícola as responsabilidades dos clientes que aderiram às moratórias ascenderam ao montante de 35 milhões de euros, encontrando-se o mesmo crédito, atualmente, em situação regular”, adiantaram.

No seguimento da cessação das moratórias de crédito, reforçaram o “acompanhamento das responsabilidades dos clientes que aderiram às moratórias, com especial relevância para aqueles que evidenciam dificuldades financeiras, podendo existir, no futuro, a necessidade de reforçar o nível de provisionamento dos financiamentos tendo em conta eventuais alterações no risco de crédito ocorridas desde o reconhecimento inicial”.

Segundo os administradores executivos, o banco tem crescido junto dos “mercados e segmentos mais jovens fruto da gestão do dia a dia com o CA Online (homebanking, acesso à documentação digital e gestão de contas), na abertura de conta à distância através da App CA Mobile que permite adicionar o cartão CA ao Apple Pay, App Ca Teen, presença em redes sociais, criação da App moey (conta exclusivamente digital) e facilidade de financiamento online através da oferta online CA Crédito Pronto”.

“Posição de solvabilidade estável”

Os administradores garantem que a digitalização “não substitui nem procura substituir a proximidade da banca, com um forte significado afetivo”.

Segundo os elementos, 2022 poderá ser o ano de viragem, porque a CCAMCROP “encontra-se em condições de ultrapassar esses desafios dada a manutenção de níveis de liquidez confortáveis e de uma posição de solvabilidade estável através de fundos próprios (capital) adequados ao seu perfil de risco, estando disponível para continuar a orientar a sua ação e investimento para o apoio da retoma económica”.

Ao nível dos investimentos diretos, a Caixa Agrícola “prevê concluir e inaugurar as novas instalações da agência da Foz do Arelho, permitindo um melhor acolhimento aos nossos clientes e associados e uma maior visibilidade”.

Ainda ao nível das instalações, pretende efetuar a abertura das novas instalações da agência de Atouguia da Baleia, mudando-se para o centro da vila, com evidentes vantagens para os clientes e associados.

Está prevista a substituição/atualização de todo o parque das ATM e Balcões 24, de forma a manter o bom desempenho do equipamento, dotando-o das mais recentes evoluções tecnológicas e de segurança.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Compromisso de Óbidos com o Governo desbloqueia verbas do PRR

O Município de Óbidos anunciou que foi decisivo para desbloquear o acesso do Governo aos 713 milhões de euros do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) retidos por Bruxelas, ao ter assinado, no dia 17 de maio, o auto de transferência de competências na área da saúde.

PRR

Criatividade de alunas da Escola de Hotelaria posta à prova

Realizou-se a 2ª edição do EstrELA Monumental, evento criado pelo Mosteiro do Leitão, restaurante na Batalha, com o apoio da Escola de Hotelaria e Turismo do Oeste (EHTO). Neste estabelecimento de ensino, 17 alunas estiveram na manhã de 21 de maio a preparar os seus pratos de autor, de modo a convencer o júri a tornarem-se um dos quatro pratos vencedores. 

monumental

Cardeal na celebração dos Votos Perpétuos de religiosa caldense

No dia 1 de junho, pelas 17h00, na Igreja Paroquial das Caldas da Rainha, terá lugar a Celebração da Profissão Religiosa dos Votos Perpétuos da Irmã Ana Margarida Lucas, da Congregação das Irmãs Dominicanas de Santa Catarina de Sena, presidida pelo Cardeal D. Manuel Clemente, Patriarca Emérito de Lisboa. Haverá depois um jantar convívio no Centro Paroquial.

religiosa