Q

Previsão do tempo

14° C
  • Sunday 15° C
  • Monday 12° C
  • Tuesday 13° C
14° C
  • Sunday 14° C
  • Monday 12° C
  • Tuesday 13° C
14° C
  • Sunday 15° C
  • Monday 12° C
  • Tuesday 13° C

Bombarral vai investir 5,7 milhões de euros para melhorar as condições de habitabilidade

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
A Câmara Municipal do Bombarral pretende investir 5,7 milhões de euros na área da habitação até 2026, com o intuito de solucionar as carências habitacionais identificadas no âmbito da Estratégia Local de Habitação. Com esta aposta, o município pretende dinamizar o mercado de arrendamento, promovendo uma oferta alargada de habitação para arrendamento a custos acessíveis, para dar resposta a 49 famílias.
A autarquia visa adquirir para reabilitação 46 imóveis e requalificar outros três do parque habitacional

A Câmara Municipal do Bombarral pretende investir 5,7 milhões de euros na área da habitação até 2026, com o intuito de solucionar as carências habitacionais identificadas no âmbito da Estratégia Local de Habitação. Com esta aposta, o município pretende dinamizar o mercado de arrendamento, promovendo uma oferta alargada de habitação para arrendamento a custos acessíveis, para dar resposta a 49 famílias.

A Estratégia Local de Habitação corresponde a um instrumento que define as linhas mestras da intervenção municipal em matéria de política de habitação, ainda que “mais focado na identificação e supressão das carências habitacionais, sejam elas de precariedade, sobrelotação ou inadequação”, sublinhou o presidente da Câmara Municipal, Ricardo Fernandes, considerando- o como “um instrumento fundamental para identificar as formas de suprir essas carências habitacionais no concelho”.

O diagnóstico resultou de uma interação entre uma empresa externa de consultores especializados na elaboração deste tipo de estudos e os serviços municipais, nas componentes da ação social, que articulou com a Segurança Social, e das obras particulares, mas com um acompanhamento muito próximo das Juntas de Freguesia. “E foi desta conjugação de esforços que se chegou à identificação das carências habitacionais, de acordo com os critérios que o programa prevê”, explicou o autarca.

Nesse sentido, o programa visa adquirir para reabilitação 46 imóveis e requalificar outros três do parque habitacional do município, de modo a garantir o acesso à habitação a famílias em situação de grave carência habitacional, e promover a requalificação dos que se encontram degradados ou em mau estado de conservação. Com esta aposta, o município também pretende dinamizar o mercado de arrendamento, com uma oferta alargada de habitação para aluguer a custos acessíveis, dando assim resposta a 49 famílias.

No estudo, elaborado no âmbito da estratégia revelou que, entre 2011 e 2021, a população decresceu 5% no concelho, acentuando-se o seu envelhecimento. Das 4.140 famílias, 515 são monoparentais e 267 têm situações de desemprego e em que o rendimento médio mensal por agregado familiar é de 1.264 euros, existindo por isso “um número expressivo de grupos sociais vulneráveis”.

O parque habitacional mostra um índice de envelhecimento acima da média nacional e regional, sendo a média de idade dos edifícios de 41 anos, motivo pelo qual 28% requerem reparações e 3,1% estão muito degradados.

Já os encargos mensais com aquisição ou arrendamento de habitação neste concelho situam-se nos 312 euros, “um valor muito expressivo relativamente aos rendimentos médios da população”.

O programa também identificou meia centena de agregados familiares, em que 74 famílias vivem em situações habitacionais indignas, das quais 24 com casos de insalubridade e de insegurança, 29 em situação de precariedade, 13 moram em casas sobrelotadas e oito em casas inadequadas face a incapacidades ou deficiências entre os elementos do agregado familiar.

“Neste momento, o foco terá de ser o da supressão das carências habitacionais, porque é esse o propósito dos financiamentos disponíveis”, frisou o autarca, adiantando que numa segunda fase terá de ser obrigatoriamente a da constituição de habitação, com rendas acessíveis como forma de conseguir atrair mais população jovem para o concelho. “Essa é sem dúvida uma das grandes ambições que queremos concretizar, assim os financiamentos venham surgindo e permitindo a sua implementação”, apontou Ricardo Fernandes.

Para além desta componente de supressão das carências habitacionais, o município tem como objetivo reabilitar habitações para alojamento temporário, intervir na reabilitação de cinco habitações privadas para acabar com situações de insalubridade e insegurança, implementar um programa de apoio a melhorias nas habitações para famílias em carência económica, um outro direcionado à integração social e acompanhamento de famílias, outro de apoio ao arrendamento, promover incentivos para a reabilitação de habitações privadas e reforçar o número de imóveis no mercado de arrendamento acessível.

A autarquia prevê a construção de habitação com rendas acessíveis, conjugada com as políticas de natalidade. “Estamos a trabalhar no reforço da oferta do serviço de creche, o que aliado à qualidade de vida da nossa zona será determinante para um dos objetivos estratégicos que ambicionamos e que consiste no rejuvenescimento da nossa população”, vincou.

Esta estratégia, aprovada em maio de 2021, foi remetida ao Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana (IHRU), previa inicialmente, através do programa 1º Direito – Programa de Apoio de Acesso à Habitação, um mecanismo para um horizonte de seis anos, com uma parte do instituto de 4,6 milhões de euros, dos quais cerca de 1,8 milhões de euros concedidos sob a forma de comparticipações financeiras e 2,8 milhões de euros a título de empréstimo bonificado. Da conjugação destas duas perspetivas de financiamento, o programa ia conseguir comparticipações entre os 30% e os 45%.

“Contudo, com o Plano de Recuperação e Resiliência, há a possibilidade de candidatarmos as ações previstas na nossa Estratégia Local de Habitação a um financiamento de 100%”, explicou o autarca, adiantando que “tudo isto vai depender da capacidade que o município tiver de ir adquirindo imóveis devolutos e os recuperar para alojar os agregados identificados”.

Neste momento, e até ao dia 11 de fevereiro, “o município está a dar oportunidade aos bombarralenses de sinalizarem eventuais imóveis devolutos que tenham, para se constituir uma bolsa de edifícios a serem devidamente avaliados como reunindo condições para serem adquiridos e integrados nas soluções de resolução das carências habitacionais”, frisou Ricardo Fernandes. 

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Marcha lenta de agricultores em protesto entre Bombarral e Caldas da Rainha

Uma marcha lenta entre o Bombarral e Caldas da Rainha, na passada quinta-feira, juntou mais de duas centenas de veículos, a maioria tratores, num protesto dos agricultores com mensagens para os futuros governantes do país. No final foi apresentado um manifesto reivindicativo.

trator2

Comitiva de Santa Cruz de visita ao Bombarral

Uma comitiva do Município de Santa Cruz, de Cabo Verde, foi recebida na tarde da passada segunda-feira pelo presidente da Câmara Municipal do Bombarral, Ricardo Fernandes. O momento decorreu no Salão Nobre dos Paços do Concelho e contou, também, com a presença do vice-presidente, Nuno Vicente, bem como dos vereadores Fátima Coelho e Bruno Santos.

cabo

Lendas para conhecer no Carvalhal

"A Lenda da Moura Encantada e outras lendas do Carvalhal" é o mote da atividade que a Câmara Municipal do Bombarral promove a 24 de fevereiro, na histórica aldeia do Carvalhal.

lendascarvalhal