Q

Previsão do tempo

19° C
  • Saturday 24° C
  • Sunday 21° C
  • Monday 27° C
19° C
  • Saturday 25° C
  • Sunday 22° C
  • Monday 28° C
19° C
  • Saturday 27° C
  • Sunday 23° C
  • Monday 32° C

DECO: “O consumidor deve ler o contrato de seguro antes de assinar”

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
A Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor – DECO assume-se como “a voz dos consumidores”, procurando “garantir o respeito pelo cumprimento” dos seus “direitos e os legítimos interesses”.

A Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor – DECO assume-se como “a voz dos consumidores”, procurando “garantir o respeito pelo cumprimento” dos seus “direitos e os legítimos interesses”.

Com sede em Lisboa, está representada em todo o território nacional por sete estruturas regionais: Minho, Norte, Centro, Ribatejo e Oeste, Alentejo, Algarve e Madeira.

A DECO Ribatejo e Oeste, que abrange o concelho das Caldas da Rainha, localiza-se na Rua Eng. António José Souto Barreiros Mota, nº 6 L, em Santarém, podendo ser contactada pelo telefone 243 329 950 e pelo e-mail. deco.ribatejoeoeste@deco.pt.

Raquel Fanha, jurista do Departamento Jurídico e Económico da DECO, responde ao JORNAL DAS CALDAS sobre a temática dos seguros.

JORNAL DAS CALDAS – Quais são as principais queixas dos consumidores relacionadas com os seguros?

DECO – As principais reclamações prendem-se com as dificuldades em acionar o seguro em caso de sinistro, uma vez que os consumidores só nesse momento são devidamente informados das exceções às coberturas da apólice, bem como os inúmeros obstáculos muitas vezes criados pelas companhias de seguros com pedidos de documentação e informação não essenciais à apreciação da situação em causa e que vão sendo efetuados de forma espaçada no tempo, protelando a decisão de comparticipação e dificultando a resposta do consumidor.

Existem diversas reclamações sobre dificuldades de comparticipação em caso de incapacidade, com os consumidores a sentirem muita dificuldade no reconhecimento da mesma para efeitos de acionamento do seguro.

JORNAL DAS CALDAS – Que aconselhamentos em geral são dados pela DECO a quem pretenda contratar um seguro?

DECO – O consumidor deve ler o contrato antes de assinar, devendo estar especialmente atento às coberturas, exclusões, prazos para participação dos sinistros, formalidades necessárias, limites indemnizatórios, entre outros aspetos. O consumidor pode procurar informação junto das entidades qualificadas para o efeito em caso de dúvida e deve pesquisar condições de várias seguradoras para perceber qual a que melhor se adequa às suas necessidades.

JORNAL DAS CALDAS – Se houver maus profissionais nesta área que se tentam aproveitar dos consumidores que intervenção pode ter a DECO?

DECO – As seguradoras têm deveres de informação que devem cumprir, devem comunicar as condições do contrato de forma completa, clara e adequada ao consumidor, para que este possa tomar uma decisão verdadeiramente esclarecida.

As empresas têm de provar que cumpriram os seus deveres de informação. O consumidor deve sempre procurar informar e esclarecer-se junto das entidades qualificadas para o efeito. A DECO atua, em primeiro lugar, na prestação da informação, e, caso seja necessário, na mediação de eventuais conflitos que possam surgir entre os consumidores e as seguradoras.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Detido com faca de mato após zaragata no Parque

Um indivíduo de 26 anos foi detido pela PSP das Caldas da Rainha no Parque D. Carlos I quando tinha abandonado uma faca de mato, com uma lâmina com comprimento superior ao legalmente permitido, após ter estado envolvido numa zaragata com outro homem.

Escultura de homenagem à PSP deixa polícias emocionados pela ligação à comunidade

Foi inaugurada na passada sexta-feira uma escultura de homenagem à PSP na sede da Divisão Policial das Caldas da Rainha, a propósito dos 150 anos do Comando Distrital. Peça da autoria de Carlos Oliveira em parceria com a empresa MVC Portuguese Limestones, representa “um gesto de apreço pela entrega abnegada dos nossos polícias no que fazem na defesa dos que mais precisam”, considerou o superintendente, Luís Carrilho, diretor nacional da PSP, presente na cerimónia.

escultura1 1

Menor internado em centro educativo por atear seis fogos florestais

O Tribunal da Relação de Coimbra confirmou a pena de medida tutelar educativa de internamento em centro educativo, em regime fechado, pelo período de três anos, aplicada a um menor de quinze anos pelo Juízo de Família e Menores das Caldas da Rainha, pela prática de cinco crimes de incêndio florestal e outro qualificado como incêndio florestal agravado.

menor