Q

Previsão do tempo

15° C
  • Wednesday 23° C
  • Thursday 24° C
  • Friday 27° C
15° C
  • Wednesday 23° C
  • Thursday 24° C
  • Friday 27° C
15° C
  • Wednesday 25° C
  • Thursday 26° C
  • Friday 30° C

Apanha de percebe nas Berlengas com comité de cogestão

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Foi entregue nesta quinta-feira na Secretaria de Estado das Pescas a proposta para a portaria que irá permitir a criação do primeiro comité de cogestão da apanha de percebe na Reserva Natural das Berlengas. Este enquadramento legal da cogestão foi elaborado pelo consórcio de entidades que integram o projeto Co-Pesca 2, e é fruto de um trabalho conjunto de cerca de três anos.
O percebe é um marisco de valor comercial bastante elevado, sendo as Berlengas um local privilegiado para o apanhar

Foi entregue nesta quinta-feira na Secretaria de Estado das Pescas a proposta para a portaria que irá permitir a criação do primeiro comité de cogestão da apanha de percebe na Reserva Natural das Berlengas. Este enquadramento legal da cogestão foi elaborado pelo consórcio de entidades que integram o projeto Co-Pesca 2, e é fruto de um trabalho conjunto de cerca de três anos.

O percebe é dos mais apetecidos e procurados mariscos da costa portuguesa, que devido à dificuldade da sua captura atinge um valor comercial bastante elevado. Devido às suas caraterísticas naturais as Berlengas são um local privilegiado para o percebe, especialmente nas vertentes voltadas a norte, onde o hidrodinamismo é mais intenso.

Sérgio Leandro, investigador responsável do Instituto Politécnico de Leiria e do MARE (polo de investigação científica do Centro de Ciências do Mar e do Ambiente), diz que se trata “de um momento histórico e determinante para a implementação de novos modelos de gestão aplicáveis em algumas pescarias portuguesas”.

“A partilha de responsabilidades, o assumir de compromissos e o respeito mútuo entre os mariscadores da Berlenga, biólogos e entidades gestoras e fiscalizadoras, será determinante para implementar uma correta exploração económica do percebe, sem colocar em causa a sustentabilidade do recurso no território classificado como Reserva da Biosfera”, aponta.

Para Rita Sá, coordenadora de Oceanos e Pescas da Associação Natureza Portugal/World Wide Fund for Nature (ANPlWWF) e facilitadora neste projeto, “é o culminar de todo o trabalho desenvolvido nos últimos anos, que envolveu não apenas investigadores e autoridades, mas sobretudo mariscadores que se uniram em torno da preservação desta espécie e da atividade em si e que irá resultar numa mudança de paradigma na gestão dos recursos marinhos”.

O Co-Pesca 2, iniciado em 2018, teve como principal objetivo a implementação da cogestão da apanha de percebe na Reserva Natural das Berlengas, cuja gestão partilhada entre vários intervenientes permitiu focar na sustentabilidade do recurso nas suas múltiplas dimensões: ambiental, económica e social. Este projeto, único em Portugal, marcou o ponto de partida dos processos participativos de cogestão de recursos vivos marinhos e envolveu cerca de 40 mariscadores, organizações não-governamentais, cientistas e entidades públicas. Os parceiros da iniciativa são o Instituto Politécnico de Leiria, a ANPlWWF, a Universidade de Évora, MARE e o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, tendo sido financiado pelo Mar 2020.

Além do pioneirismo deste projeto ao sublinhar a importância da cogestão como uma das formas eficazes para gerir os recursos naturais, o Co-Pesca 2 conseguiu também, em 2019 e com o apoio da Docapesca, a criação do check point para descarga no porto de Peniche do percebe capturado na Reserva Natural das Berlengas. O check point permitiu facilitar a monitorização do esforço de pesca e melhorar a qualidade dos dados fornecidos pelos mariscadores.

Em 2020, também no âmbito do projeto, e devido ao estado de emergência a que a situação pandémica obrigou, os 40 mariscadores licenciados solicitaram às entidades competentes, a entrada em vigor de uma moratória de apanha do percebe na Reserva Natural das Berlengas, visando o fecho da pescaria por tempo indeterminado até que estivessem reunidas todas as condições de segurança. Esta iniciativa promovida por questões comerciais e de saúde pública foi reveladora da união e do desenvolvimento do associativismo entre os mariscadores.

O trabalho de capacitação feito ao longo do projeto junto da Associação de Mariscadores da Reserva Natural das Berlengas é um dos resultados mais visíveis do projeto: o grupo reforçou a sua coesão e agilizou a tomada de decisão coletiva, conseguindo assim ter maior força enquanto associação de mariscadores – esta força e o envolvimento dos mariscadores neste processo é fundamental para o sucesso da cogestão.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Incêndio consome artigos para famílias carenciadas

Um incêndio em instalações da Paróquia de Peniche, que serviam de espaço de armazenamento de artigos para ajudar famílias carenciadas, consumiu parte dos produtos, entre roupas e alimentos, na tarde desta terça-feira, 4 de outubro.

stella

Requalificação do Museu José Malhoa vai avançar

A cerimónia protocolar de assinatura do auto de consignação da empreitada de requalificação do Museu José Malhoa, da responsabilidade da Direção Regional de Cultura do Centro, tem lugar no dia 6 de outubro, às 15h, no museu caldense.

malhoa

“Outubro Rosa” sensibiliza para o cancro da mama

A Associação Cadaval Solidário e a Comunidade Francesa no Cadaval, com o apoio da Câmara, realizam a 16 de outubro, a partir das 10h, no Parque dos Lápis, a iniciativa “Outubro Rosa”, um dia de sensibilização ao cancro da mama.

lapis