Q

Previsão do tempo

23° C
  • Thursday 23° C
  • Friday 26° C
  • Saturday 27° C
23° C
  • Thursday 23° C
  • Friday 26° C
  • Saturday 28° C
23° C
  • Thursday 23° C
  • Friday 29° C
  • Saturday 30° C

Mário Tavares lança livro sobre a cultura orizícola e conflitos sociais

Rui Miguel

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
“Cultura Orizícola e Conflitos Sociais nos Concelhos das Caldas da Rainha e de Óbidos no Terceiro Quartel do Século XIX - a Cultura do Arroz e as “Sezões - da Lagoa do Arelho à Lagoa de Óbidos”, é como se designa o novo livro do historiador caldense Mário Tavares.
O historiador Mário Tavares na sessão de apresentação do seu novo livro

Foi no passado dia 30, no Museu de Ciclismo, nas Caldas da Rainha, que o autor apresentou a obra, que é um estudo parcialmente elaborado para um seminário de história do mundo rural, integrado no curso de mestrado que o autor frequentou e concluiu na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, sob a orientação do professor José Tengarrinha.

Segundo Mário Tavares, o livro corresponde “ao trabalho realizado ao interesse pessoal em obter um melhor conhecimento sobre o período liberal/constitucional vivido nas Caldas da Rainha e região envolvente, entre os anos 30 a 80 do século XIX – período ainda pouco estudado e que reputo ser de grande importância, para a compreensão das significativas modificações socioeconómicas ocorridas na vila termal, lá para os finais de “novecentos”.

O estudo relata a cultura do arroz onde a comissão chegou à conclusão que as variedades cultivadas em Portugal são essencialmente duas: o arroz praganoso, de sequeiro, regado por inundação e o arroz carolino de regadio. A expansão da orizicultura em Portugal acontece em meados do século XIX, como consequência de uma política agrícola que visava a introdução de novas culturas, com o propósito de se conseguir um maior equilíbrio na balança de transações com o exterior.

A região Caldas / Óbidos – a Oeste da Serra dos Cadeeiros, dada a existência das bacias hidrográficas da Baria de São Martinho do Porto e da Lagoa de Óbidos, oferecia excelentes condições nas suas baixas para a implementação de arrozais de razoável dimensão.

O livro refere ainda agricultores da Várzea da Rainha “versus” o Latifundiário Gama (razões do passado que potenciaram estes acontecimentos).

Descreve também o Naufrágio nos “Mares do Talvai” no início da década sessenta. “Como a velha Quinta do Talvai teve, em épocas mais gloriosas a característica de ser o maior empregador da aldeia (Chão da Parada – Reguengo da Parada, atual União de Freguesias de Tornada e Salir do Porto) na cultura intensiva do arroz, nos tempos da minha jovem adolescência era vista como o local onde muitos dos pais dos miúdos da terra tinham ganho o sustento para muito de nós”, contou o autor.

A sessão de lançamento do livro contou com a presença do presidente da Câmara das Caldas, Tinta Ferreira, entre outros autarcas.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Exposição Álefe em Ferrel

Na galeria da Associação Cultural Rabeca, no Largo Dr. Manuel Pedrosa, em Ferrel, no concelho de Peniche, vai ser inaugurada a exposição Álefe, com pinturas e aguarelas de António Teodoro.

alefe

Freguesias levam cultura ao Folio

No âmbito do Folio - Festival Literário Internacional de Óbidos as sete freguesias do concelho de Óbidos fazem-se representar com iniciativas, como lançamento de livros, música, poesia, tertúlias, exposições, instalações, teatro, entre outras. Eventos inseridos no "Dia da Freguesia" - Folio Educa.

folio