Q

Previsão do tempo

20° C
  • Sunday 19° C
  • Monday 18° C
  • Tuesday 21° C
20° C
  • Sunday 19° C
  • Monday 18° C
  • Tuesday 22° C
20° C
  • Sunday 20° C
  • Monday 20° C
  • Tuesday 24° C

Inaugurada Casa de Transição de Apoio aos Sem-Abrigo

Francisco Gomes

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Foi inaugurada na passada sexta-feira, num bairro da cidade das Caldas da Rainha, uma Casa de Transição de Apoio aos Sem-Abrigo, um espaço habitacional que visa acolher temporariamente pessoas em situação de elevada vulnerabilidade social que, além de alojamento, garante um acompanhamento regular com os técnicos sociais, até à sua desejável autonomia.
Vítor David e Tinta Ferreira inauguraram a casa

O projeto de reinserção social, designado “Casa da Rainha”, visa a integração de pessoas em situação de sem-abrigo, sem suporte familiar e social, desde que sejam naturais ou se encontrem no concelho há, pelo menos, três anos, e tenham autonomia suficiente para realizar as suas atividades de vida diária, possibilitando-lhes condições adequadas de conforto, higiene e segurança, e assegurando o acompanhamento individualizado, nomeadamente, ao nível do desenvolvimento de competências pessoais e sociais. Para já, a habitação vai acolher dois homens, de 50 e 65 anos.

A iniciativa resulta da definição de estratégias no âmbito da Rede Social das Caldas da Rainha, onde foi criado um grupo de trabalho para realizar o Diagnóstico Social e um Plano de Desenvolvimento Social, no Eixo Saúde e Comportamentos Aditivos, que considerou de grande importância a criação de uma resposta temporária numa perspetiva de inclusão comunitária.

A habitação disponibilizada pela Câmara Municipal é composta por dois quartos, sala, cozinha e casa de banho, tendo sido estabelecido um protocolo com a Associação Viagem de Volta, com sede no Coto, nas Caldas da Rainha, a quem caberá a despistagem de consumos de álcool ou drogas e de tratamento, nos casos em que tal seja necessário, através da sua comunidade terapêutica.

Será feito um acompanhamento regular pela equipa técnica gestora, com base no plano individual de intervenção social elaborado, e um treino de competências pessoais e sociais em contexto residencial. Haverá encaminhamento para respostas existentes na comunidade, ao nível da alimentação, sempre que necessário, e para outras entidades, para consultas de psicologia e exames de diagnóstico, assim como para programas de voluntariado, cidadania e atividades ocupacionais.

Para os dois ocupantes, esta será a sua casa, “pelo menos durante um ano”, revelou a vereadora da Ação Social, Conceição Pereira, apontando que ao integrarem o programa deixarão a rua para “passarem a ter alojamento e acompanhamento regular” e comprometem-se “a cumprir regras”, nomeadamente de convivência, sendo responsáveis pela manutenção e limpeza da casa, onde não podem levar outras pessoas a não ser que sejam familiares e com autorização prévia da equipa técnica de gestão, que definirá o horário para o efeito.

“Espera-se que estas pessoas encontrem o seu caminho”, manifestou a autarca, que revelou que o grupo de trabalho faz “rondas quinzenais, de noite e madrugada, com o apoio da PSP, para fazer um levantamento” e tem atualmente identificadas 22 pessoas no concelho em situação de sem-abrigo, a maioria homens, com comportamentos aditivos ou problemas do foro mental. Deambulam pela cidade, são arrumadores de carros, vivem em casas devolutas ou em espaços públicos. Alguns recebem o Rendimento Social de Inserção ou têm uma prestação social para inclusão.

“Para nós, ter sucesso é dar-lhes vida digna enquanto estão connosco e que andem de cabeça levantada”, declarou Vítor David, presidente da Associação Viagem de Volta, que alertou que “a sociedade também tem de estar aberta a receber as pessoas”.

Para Jorge Varela, presidente da União de Freguesias de Santo Onofre e Serra do Bouro, está dar-se “mais um passo para tornar Caldas da Rainha mais inclusiva”, mas “não se dá só o peixe como também se ensina a pescar”.

O presidente da Câmara, Tinta Ferreira, afirmou que “apesar de não ser um concelho problemático nesta área, tem alguns problemas que têm de ser encarados de frente”. Contudo, alertou que o sucesso “é impossível de garantir e não depende só das políticas municipais”.

O protocolo prevê que o município comparticipe em 900 euros mensais os custos de acompanhamento dos novos habitantes da casa de transição.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Compromisso de Óbidos com o Governo desbloqueia verbas do PRR

O Município de Óbidos anunciou que foi decisivo para desbloquear o acesso do Governo aos 713 milhões de euros do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) retidos por Bruxelas, ao ter assinado, no dia 17 de maio, o auto de transferência de competências na área da saúde.

PRR

Criatividade de alunas da Escola de Hotelaria posta à prova

Realizou-se a 2ª edição do EstrELA Monumental, evento criado pelo Mosteiro do Leitão, restaurante na Batalha, com o apoio da Escola de Hotelaria e Turismo do Oeste (EHTO). Neste estabelecimento de ensino, 17 alunas estiveram na manhã de 21 de maio a preparar os seus pratos de autor, de modo a convencer o júri a tornarem-se um dos quatro pratos vencedores. 

monumental

Cardeal na celebração dos Votos Perpétuos de religiosa caldense

No dia 1 de junho, pelas 17h00, na Igreja Paroquial das Caldas da Rainha, terá lugar a Celebração da Profissão Religiosa dos Votos Perpétuos da Irmã Ana Margarida Lucas, da Congregação das Irmãs Dominicanas de Santa Catarina de Sena, presidida pelo Cardeal D. Manuel Clemente, Patriarca Emérito de Lisboa. Haverá depois um jantar convívio no Centro Paroquial.

religiosa