Q

Previsão do tempo

28° C
  • Saturday 26° C
  • Sunday 23° C
  • Monday 21° C
28° C
  • Saturday 26° C
  • Sunday 23° C
  • Monday 21° C
29° C
  • Saturday 29° C
  • Sunday 25° C
  • Monday 22° C

Autarquias lançam foguetes pela aprovação das dragagens na Lagoa de Óbidos

Marlene Sousa / Francisco Gomes

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
“O Tribunal de Contas já concedeu o visto que permite iniciar a segunda fase das dragagens da Lagoa de Óbidos”, disse o presidente da Câmara Municipal das Caldas da Rainha ao JORNAL DAS CALDAS.
Espera-se que as dragagens se iniciem ainda durante este mês

Tinta Ferreira obteve a informação da parte da direção da Agência Portuguesa do Ambiente (APA) ao final da tarde da passada quarta-feira e regozija-se com o que considera serem “excelentes notícias para salvar a Lagoa”.

Segundo o autarca, o governo “irá agora marcar a consignação da obra, que deverá ser durante este mês e espera-se que a obra inicie até ao final de abril, princípio de maio”.

A segunda fase das dragagens da Lagoa de Óbidos, um investimento de 14,6 milhões de euros que deveria ter iniciado em 2019, foi adiada várias vezes.

Em causa está a empreitada de dragagens da zona superior da Lagoa, visando a retirada de 875 mil metros cúbicos de areia, ao longo de 4 mil metros de canais e 27 hectares de bacias daquele ecossistema, e a sua deposição no mar, para sul, a partir da arriba do Gronho.

O presidente da Câmara revelou que já alertou a APA da necessidade de fazer novamente o desassoreamento dos canais

dentro da Lagoa de Óbidos.

Na primeira fase das dragagens foram retirados 716 mil metros cúbicos de areia da lagoa, tendo a segunda fase dos trabalhos sido aprovada, em Conselho de Ministros, em 14 de dezembro de 2017.

As dragagens visam combater o assoreamento que periodicamente fecha o canal de ligação ao mar, a denominada “aberta”, pondo em causa a subsistência dos bivalves e a atividade económica de cerca de uma centena de pescadores e mariscadores.

A intervenção irá contemplar também a valorização ambiental de 78 hectares a montante da foz do rio Real, com a erradicação de vegetação infestante e plantação de espécies vegetais autóctones.

O prazo de execução dos trabalhos é de 18 meses, sendo que as dragagens devem ficar concluídas dentro de um ano, a

contar da data de consignação da empreitada.

A obra é financiada em 85% pelo POSEUR (Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos) e em

15% e pelo Fundo Ambiental.

Foz e Nadadouro festejam

O anúncio da aprovação do visto do Tribunal de Contas que dá “luz verde” às dragagens na Lagoa de Óbidos teve direito ao lançamento de foguetes na Foz do Arelho e no Nadadouro na noite da passada quarta-feira.

A população foi surpreendida com os foguetes, tendo o executivo da junta de freguesia da Foz do Arelho explicado que numa das intervenções na Assembleia Municipal das Caldas da Rainha o presidente da autarquia fozense, Fernando Sousa, aquando da apresentação de uma moção a exigir as dragagens, tinha dito, em tom de brincadeira, que “todos os dias me sento na praia do mar a ver se a draga aparece no horizonte e no dia em que houver o visto do Tribunal de Contas iremos fazer uma alvorada de foguetes”.

Logo após saber que as dragagens irão avançar ainda este mês, a junta de freguesia da Foz do Arelho resolveu cumprir as promessas, realizando o lançamento dos foguetes, iniciativa à qual se juntou o Nadadouro, freguesia vizinha.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

João Almeida com Covid-19 desiste do Giro d’Italia

A 18ª etapa do Giro d’Italia, nesta quinta-feira, fica marcada pela ausência do ciclista caldense João Almeida, que acusou positivo à Covid-19, sendo assim forçado a abandonar a prova, quando ocupava o quarto lugar, a 1 minuto e 54 segundos do líder e a 49 segundos do pódio.

almeida 3

Aluna caldense “Embaixadora UC à Frente” 

A caldense Beatriz Lopes, estudante do Mestrado Integrado em Ciências Farmacêuticas na Universidade de Coimbra, recebeu o prémio “UC à Frente”, atribuído pela Reitoria da Universidade de Coimbra (UC).

premio 1

Vigília com “abraço” ao hospital das Caldas da Rainha

Uma vigília que terminou com um cordão humano em frente à urgência do hospital das Caldas da Rainha foi a forma encontrada pela população para exigir medidas do Governo para melhorar as condições em que trabalham os profissionais de saúde. O alerta foi feito na noite da passada sexta-feira.

vigilia2