Q

Previsão do tempo

27° C
  • Saturday 26° C
  • Sunday 23° C
  • Monday 21° C
28° C
  • Saturday 26° C
  • Sunday 23° C
  • Monday 21° C
29° C
  • Saturday 29° C
  • Sunday 25° C
  • Monday 22° C

Fragilidade branca

Francisco Martins da Silva

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
À pergunta «Considera-se racista?», alguém socialmente reconhecido como branco responderá um “não” muito ofendido. Se a seguir for perguntado se daria emprego a ciganos, a resposta será também enfaticamente negativa, agora acompanhada da previsível e estafada lista de preconceitos justificativos.
Francisco Martins da Silva

Se perguntarmos a alguém de etnia cigana por que não procura emprego, a resposta será «Porque não vale a pena. Depois de me fecharem sempre a porta na cara, desisti. Agora, sou eu que não quero. Desenrasco-me na economia de subsistência». Criado o ressentimento, se este desenrascanço prejudicar os que lhe fecharam a porta na cara, tanto melhor. E assim se perpetua o círculo vicioso.

Alargando o enquadramento para todos os outros grupos habitualmente racializados em Portugal — pretos (epíteto vexatório usado para qualquer negro de qualquer parte do mundo), chinocas (diminui-se assim todo e qualquer asiático), monhés (sobranceria para indianos, paquistaneses e bengalis) e brasileiros (qualquer que seja a pele) —, a pessoa socialmente reconhecida como branca dirá que não se considera discriminatória ou preconceituosa para com eles.

Toda a gente descrimina e tem preconceitos. A diferença de atitude advém tão-só do grau de consciência desse facto. Mas a pessoa socialmente reconhecida como branca é incapaz de admitir que ser percepcionada como branca lhe dá um estatuto social e institucional e uma identidade impregnada de direitos e privilégios legais, políticos, económicos e sociais que são sonegados a outros. Este enquadramento racial branco está tão interiorizado, tão submerso, que nunca é posto em causa pela maioria das pessoas tidas como brancas. É a esta incapacidade de reconhecer as prerrogativas tácitas inerentes à branquitude que Robin Diangelo, pensadora branca, chama Fragilidade Branca, e que é o título do seu livro recentemente publicado em Portugal pela Edita X.

Adaptando o argumentário deste livro ao contexto português, diremos que tornar a identidade branca na identidade portuguesa, convertendo crenças racistas em crenças nacionais, como se viu na campanha para as últimas eleições presidenciais, deve ser combatido com o argumento veemente de que ser-se português não é o mesmo que ser-se branco. Portugal é diverso, de jure e de facto, e muito mais complexo na nossa autocompreensão colectiva.

Também não colhe o argumento do chamado racismo inverso. Igreja, Estados-nação e Ciência não se uniram durante séculos para fazer crer que os brancos eram inferiores. Ao invés, inculcaram profundamente a ideia de que determinados grupos não-brancos são subalternos. E, como reconhece a socióloga e activista Cristina Roldão, somos mais racistas com quem temos proximidade histórica, como os brasileiros, pessoas de origem africana, indiana e chinesa ou a população cigana. Por que não há racismo com os finlandeses, por exemplo? Simplesmente, por não termos História comum. O nosso racismo tem sobretudo que ver com hierarquias raciais legitimadas durante séculos por grandes instituições da Ciência, da Igreja e da Política. É desse infeliz legado que advém a frágil percepção branca. Mas quem quer saber da História?

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

As festas das aldeias e suas tradições

Com a chegada do verão começa a altura dos arraiais, das festas das aldeias, onde reina o tradicional bailarico e de seguida o dj a fazer o resto da magia.

Novo recorde de maior onda surfada na Praia do Norte

Há um novo recorde mundial de maior onda já surfada na Praia do Norte, na Nazaré, que foi alcançado pelo alemão Sebastian Steudtner, que em 29 de outubro de 2020 atingiu os 26,21 metros, segundo foi anunciado nesta terça-feira pela World Surf League (WSL), organizadora dos Red Bull Big Wave Awards.

onda