Q

Previsão do tempo

12° C
  • Saturday 11° C
  • Sunday 9° C
  • Monday 10° C
12° C
  • Saturday 11° C
  • Sunday 9° C
  • Monday 10° C
13° C
  • Saturday 11° C
  • Sunday 9° C
  • Monday 10° C

Jaime Feijão entrevista emigrantes na Mais Oeste Rádio

Carolina Neves

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Estive vários anos na Suíça e os portugueses são bem vistos lá” – Paula Clemente
Paula Clemente tem um atelier de cerâmica nas Gaeiras

Terça-feira, às 10h30, 14h50 e 18h15, é altura de conhecer o testemunho dos portugueses fora de portas, na Mais Oeste Rádio, em entrevistas conduzidas por Jaime Feijão. São conversas que revelam como é a vida de quem está fora do seu país, como se sentem acolhidos nos países onde trabalham e como veem Portugal à distância.

A entrevistada desta semana foi Paula Clemente, uma emigrante que regressou ao seu país. É ceramista, viveu na cidade de Lausanne, na Suíça, entre 1988 e 2006.

Foi para a Suíça porque o seu marido estava lá a viver, mas nunca pensou ali ficar tanto tempo. Desde criança ligada à cerâmica, arte já praticada pelos seus pais, Paula conta que a adaptação nesta área na Suíça foi complicada no início. No entanto, inscreveu-se e conseguiu ser aceite na École-club Migro, uma escola onde deu cursos de cerâmica durante quinze anos. “Nessa escola e tínhamos fornos onde podia cozer e vidrar e terminar as peças, portanto, estive sempre ligada a cerâmica, praticamente nunca interrompi”, indicou.

Os alunos eram “basicamente suíços, que durante duas horas pensavam em fazer coisas criativas com as mãos e eu tinha muito boa relação com eles”.

Para além de ser professora nesta escola às sextas e sábados, também “tomava conta do imóvel onde o dono vivia”, contou.

Outro obstáculo inicial foi a língua. “Já falava um pouco de francês que se aprende na escola”, mas mesmo isso não chegando foi-se adaptando bem.

“Falava para Portugal por telefone, mas os pais também iam lá de vez em quando, foi difícil, fomo-nos adaptando, vínhamos cá duas vezes por ano, no natal e no verão.

Nunca viveu confinada aos centros portugueses e integrou-se com a comunidade suíça. “Os portugueses normalmente são bem vistos na Suíça, os suíços gostam dos portugueses, porque são trabalhadores e, cumpridores”, disse.

Paula Clemente tinha um apartamento na Suíça. “De início era um estúdio, depois mudámos para um T1, depois um T2”, visto que ao terem duas filhas tiveram de se ir adaptando às suas necessidades. A primeira língua que as suas filhas aprenderam foi o português. “Em casa sempre falámos em português”, relatou. “Depois nas escolas elas tiveram tempo de convivência com outros para aprenderem o francês, mas nunca tiveram problemas com as duas línguas”, acrescentou.

O que fez regressar a Portugal? “Em parte foi pelas minhas filhas, especialmente a mais velha, porque esteve lá no 11º ano e queria continuar cá. Ela teve que repetir o 11º ano porque não deram equivalência, fez o 12º e foi para a faculdade. Eu sempre quis vir para Portugal porque eu tinha aquela vontade de fazer o meu próprio atelier, criar peças, ter o meu espaço e achámos que estava na altura. Vim numa altura muito complicada, no início da crise, mas tenho o atelier e gosto de cá estar. Nunca equacionei a possibilidade de ter que voltar, nem sequer de passeio lá fui ainda. Tenho ideia de ir, porque tenho lá família”, respondeu.

Quando voltou para Portugal, as suas ainda eram menores – a mais velha tinha 17 anos e a mais nova tinha 9. A adaptação delas ao país não foi difícil.

Atualmente, Paula Clemente vive nas Gaeiras, tem um atelier de cerâmica, o Lagar d’Arte, onde faz as suas criações e peças de autor, e “há umas semanas dei formação no Cencal”, referiu.

Se as suas filhas um dia lhe disserem que vão emigrar para a Suíça ou outro país, porque não encontra trabalho, Paula Clemente irá “encorajá-las”.

“Gostaria pouco mas se arranjassem trabalho sim, porque é mau estarem a formar aqui as pessoas e depois terem que ir para outro país, mas se não há cá cada um tem que ir procurar”, comentou.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Suspeitos de pesca ilegal fogem à GNR

O Subdestacamento de Controlo Costeiro da Nazaré da GNR apreendeu seis quilos de meixão naquele concelho, no passado dia 24, no âmbito de uma ação de fiscalização levada a cabo com o objetivo de combater a captura ilegal de enguia europeia, vulgarmente conhecida...

meixao 1

Infantis de Óbidos em bom plano

A equipa de infantis do clube Óbidos Criativa competiu, no passado dia 21 na XXX Taça Vale do Tejo, nas piscinas municipais de Alcobaça. Mara Cotrim, Leonor Martins, Leonor Silva, Justin Borges, Tiago Correia e Pedro Capinha foram os jovens que nadaram com as cores...

infantis 2

Óbidos Cycling Team quer ser referência em sub-23

Nasceu a Óbidos Cycling Team sob a égide do Município de Óbidos, concretizando o sonho do diretor e manager da equipa, Micael Isidoro, ex-ciclista profissional licenciado em treino desportivo com especialização na área do ciclismo, pós-graduação e mestrado em alto...

cycling