Q

Previsão do tempo

20° C
  • Friday 20° C
  • Saturday 21° C
  • Sunday 22° C
20° C
  • Friday 20° C
  • Saturday 21° C
  • Sunday 23° C
21° C
  • Friday 21° C
  • Saturday 23° C
  • Sunday 24° C

Menos pera rocha e mais vinho

Francisco Gomes
11 de Agosto, 2015
Este ano a produção de pera rocha vai sofrer uma redução de 30% mas os fruticultores portugueses vão tentar manter o volume de exportações. Já os produtores de vinho têm motivos para ficarem mais satisfeitos. A produção terá um ligeiro aumento.
Passos Coelho disse ser consumidor regular de pera rocha

Os números foram revelados no 32º Festival do Vinho Português e 22ª Feira Nacional da Pera Rocha, que decorreram no Bombarral entre 4 e 9 de agosto. Trata-se do certame vitivinícola mais antigo do país e um certame dedicado ao fruto nacional com mais venda no estrangeiro, a pera rocha.

Espera-se uma colheita de 140 mil toneladas de pera rocha, menos 60 mil do que no ano anterior. “Estamos a preparar tudo para fazer a colheita. Há uma quebra de produção acentuada, mas a qualidade será na mesma boa”, revelou Aristides Sécio, presidente da Associação Nacional de Produtores de Pera Rocha.

“Na agricultura não há certezas e é próprio do ciclo agrícola haver anos de grande produção e outros de quebra. Tem a ver com o período da floração que não foi tão amigo como é costume. Não havendo tanta produção, vai refletir-se na exportação, mas as organizações produtores vão tentar satisfazer os mercados tradicionais”, indicou.

A menor quantidade disponível poderá levar a uma oscilação dos preços. “Os preços têm sido muitas vezes abaixo da produção e pode haver um equilíbrio, mas não é tão linear assim, porque os consumidores têm outras frutas à disposição pelas quais podem optar. Mas os consumidores habituais poderão estar disponíveis para pagar um pouco mais”, referiu Aristides Sécio.

No que diz respeito ao vinho o panorama é mais animador. Vasco d’Avillez, presidente da Comissão Vitivinícola da Região de Lisboa, disse que as condições climatéricas favoreceram a produção de uva. “Fazia falta um bocadinho de chuva, mas do ponto de vista da qualidade e da quantidade da uva que está nas videiras está um ano bom e na nossa região está ótimo. Esperamos que se mantenha assim até à vindima, que deve ser este ano um pouco mais cedo. Estamos a contar com mais 20% de uva. A nossa região poderá produzir um milhão de hectolitros de vinho e a nível nacional Portugal, que produz num ano normal sete milhões de hectolitros, poderá atingir os 7,3 milhões”, relatou.

A autarquia do Bombarral quer aumentar a área de vinhas e pomares. José Vieira, presidente da Câmara Municipal, afirmou que “estamos apostados no alargamento da área de produção, porque queremos que esta atividade económica seja imparável”.

“A pera rocha é o principal fator económico do concelho, mais do que o vinho nos dias de hoje. Fazemos este evento em simultâneo para criar mais animação, tornando a festa maior”, declarou.

O Primeiro-Ministro, Passos Coelho, que inaugurou o festival no Bombarral, destacou que “é um evento muito importante. O Bombarral está no centro da zona de produção”.

“A pera rocha é um cartão de visita em todo o mundo e temos vindo a melhorar significativamente em qualidade vinícola e o Oeste tem sido também muito importante na qualificação dos nossos vinhos e já os começamos a ver mais nos restaurantes europeus”, comentou.

Quanto à pera rocha, o Primeiro-Ministro afirmou ser consumidor. “É uma fruta regular em minha casa”, afirmou ao JORNAL DAS CALDAS.

Francisco Gomes

Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Dia da Freguesia

A Junta de Freguesia de Santa Maria, São Pedro e Sobral da Lagoa organiza no dia 18 de outubro, no âmbito das celebrações do Dia da Freguesia, uma visita a vários pontos de interesse do roteiro turístico desta freguesia do concelho de Óbidos.

Greve Climática Estudantil convoca nova ação

Os jovens da Greve Climática Estudantil Caldas da Rainha voltam a mobilizar-se no dia 22 de outubro para uma nova Greve Climática, para exigir mudança sistémica e respostas à iminente crise climática.

Tinta Ferreira despede-se fazendo balanço “francamente positivo”

A cerimónia de tomada de posse dos órgãos autárquicos nas Caldas da Rainha ficou ainda marcada pela intervenção aplaudida do presidente da Câmara cessante, Tinta Ferreira, que deixará funções executivas na autarquia depois de mais de 25 anos de exclusividade como adjunto do presidente, vereador, vice-presidente e nos últimos 8 anos como presidente.

tinta ferreira