Q

Previsão do tempo

20° C
  • Saturday 22° C
  • Sunday 23° C
  • Monday 24° C
20° C
  • Saturday 22° C
  • Sunday 24° C
  • Monday 24° C
21° C
  • Saturday 23° C
  • Sunday 25° C
  • Monday 26° C

Salário mínimo em discussão em “Pontos de Vista”

Francisco Gomes

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Os sindicatos reivindicam e a algumas associações patronais até concordam. Aumentar o salário mínimo é possível e desejável, dizem. O pretexto é que o dinheiro no bolso de muitos faz crescer muito mais a economia do que entregue a alguns para investimento.Há quem defenda que pode não ser comportável para grande parte das pequenas e médias empresas, apontando que o aumento dos salários dos funcionários públicos vai ser pago pelos impostos de todos os portugueses.Desde a sua instituição, em 1974, o salário mínimo só não sofreu atualizações em 1976, 1982 e no ano passado. Em 1989 até foi atualizado duas vezes. Atualmente situa-se em 485 euros e a proposta é que chegue a entre 500 e 515 euros.
Vítor Fernandes, da CDU

O assunto foi comentado em “Pontos de Vista”, na Mais Oeste Rádio, numa parceria com o JORNAL DAS CALDAS.

“Estou de acordo com o aumento do salário mínimo. Já devia ter sido aumentado. A CGTP fez uma proposta de 515 euros. É um salário compatível com as possibilidades da economia portuguesa e necessário, porque a economia só se pode desenvolver se houver poder de compra. O mercado interno tem de se desenvolver, porque é uma forma de sairmos da crise“, manifestou Vítor Fernandes, da CDU.

Pedro Amorim, do Bloco da Esquerda, é da mesma opinião. “Portugal tem o ordenado mínimo mais baixo de toda a Europa e as pessoas não têm dinheiro ao fim do mês com os cortes que o Governo está a fazer. As pessoas vão morrer asfixiadas”, vincou.

“Sou defensor da passagem para 500 euros. O aumento de 15 euros é de certa maneira insignificante, mas é importantíssimo para as pessoas que recebem os 485 euros, e servirá para aplicar nos bens essenciais. Pergunto se os vencimentos estivessem a zero, se a economia evoluía?”, declarou Manuel Nunes, do PS.

“Estou de acordo e parece-me que o ordenado mínimo de 500 euros ainda é baixo. O facto do Governo ser do partido a que pertenço não me tira a capacidade de raciocínio e tenho o direito de concordar ou discordar. Neste caso o aumento iria fazer jeito às pessoas, para melhorarem, por exemplo, a sua alimentação”, afirmou Alberto Pereira, do PSD.

O representante do CDS-PP não participou na emissão. “Pontos de Vista” é emitido às quartas-feiras, às 19h.

Francisco Gomes

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Obras arrancam em setembro no Centro de Saúde de Óbidos

Foi assinado no dia 10 de agosto, no Centro de Saúde de Óbidos, o auto de consignação da requalificação da unidade de saúde. Trata-se de um investimento de 473.991,83€ (acrescido do valor do IVA) e com um prazo de construção de dez meses. A cerimónia contou com a presença do executivo municipal de Óbidos, do diretor executivo do Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Oeste Norte, João Gomes, e de João Soares, gerente da Sunever Engenharia, Lda, empresa que vai realizar a obra.

centro

Nadadouro com nove dias de animação

De 29 de julho a 6 de agosto realizou-se no Nadadouro, nas Caldas da Rainha, a festa em honra de Nossa Senhora do Bom Sucesso, habitualmente uma das iniciativas mais concorridas fora da sede do concelho.

animacao

Lavadouro embelezado

A Junta de Freguesia do Nadadouro requalificou o lavadouro, construído em 1980, e transformou-o num verdadeiro tributo às lavadeiras da localidade.

lavadouro