Q

Previsão do tempo

16° C
  • Wednesday 21° C
  • Thursday 22° C
  • Friday 26° C
17° C
  • Wednesday 22° C
  • Thursday 23° C
  • Friday 27° C
18° C
  • Wednesday 24° C
  • Thursday 25° C
  • Friday 31° C

Livro “A Primavera chegou” convida a defender o ambiente

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
No passado dia 7 realizou-se na ilha do Lago do Parque D. Carlos I o lançamento do livro infantil "A Primavera chegou", fruto da colaboração entre a Sementes Vivas e a autora Sandra Custódio, com ilustrações de Mara Silva.
A autora, Sandra Custódio

No passado dia 7 realizou-se na ilha do Lago do Parque D. Carlos I o lançamento do livro infantil “A Primavera chegou”, fruto da colaboração entre a Sementes Vivas e a autora Sandra Custódio, com ilustrações de Mara Silva.

É uma história que partilha valores de sustentabilidade e proteção da natureza. Conta a história da Beea, uma abelha que embarca numa emocionante jornada para salvar a natureza quando percebe que as plantas estão a perder cor e as abelhas da sua colmeia estão a adoecer. Com a ajuda dos amigos e uma poção mágica que inclui ingredientes como Reciclar, Reutilizar e Respeitar, Beea e a sua equipa lutam para trazer a primavera de volta.

Esta é uma narrativa educativa e inspiradora sobre a importância dos polinizadores, da preservação ambiental e da solidariedade  

No final da história, há uma surpresa – uma saqueta de sementes de facélia, para ajudar a Beea a semear um futuro mais colorido. A facélia é uma flor que produz uma grande quantidade de néctar e pólen para as abelhas.

Estas sementes são produzidas pela Sementes Vivas, empresa dedicada à produção de uma forma sustentável, promovendo a saúde dos solos, dos ecossistemas e das pessoas.

“Estas sementes com alma representam para mim ‘o semear de um mundo novo’, um mundo mais sustentável, harmonioso, compassivo, saudável, unido e feliz. Esta parceria torna o meu livro ainda mais especial”, referiu Sandra Custódio.

“Eu acredito que juntos podemos semear um mundo mais consciente e mais responsável. ‘A poção mágica está nas nossas mãos’, vamos partilhá-la com o mundo”, manifestou a autora.

Segundo apontou, “os livros infantis são sementes de valores, são pontes para mundos mágicos que nos fazem sonhar e são companheiros que têm sempre uma palavra amiga para nos animar”.

“Desde pequena que adoro ler, escrever e sonhar. Adorava ir para um pequeno bosque perto da minha casa. Depois da escola, era aí que brincava e me divertia observando a natureza e imaginando mil e uma histórias. As árvores, os animais e as plantas eram as personagens das minhas histórias e eu, a menina que entendia a sua linguagem e as protegia. O tempo passou, mas esta menina continua muito presente em mim. É na Natureza que encontro a minha própria natureza. É ela que alimenta o meu corpo e a minha alma. Tudo nela me inspira. Foi com base neste respeito pela natureza que escrevi este conto infantil”, relatou.

Esta história “faz-nos refletir sobre a possibilidade de um dia ‘A Primavera não chegar’”. “E se um dia as árvores deixarem de produzir frutos? E se os solos deixarem de ser férteis? E se as águas deixarem de nos hidratar? E se o ar deixar de nos oxigenar?”, questionou.

Sobre as ilustrações, elogiou o trabalho de Mara Silva: “Tem um grande respeito pela natureza e age, no seu dia a dia, em sintonia com os valores de sustentabilidade e proteção do meio ambiente. Era esta a energia que queria que “brilhasse” em cada ilustração do meu livro. É essa a energia que vocês vão sentir ao olharem cada ilustração”.

A autora sublinhou que foi o presidente da Junta de Freguesia de Alvorninha quem lhe lançou o desafio de escrever uma história infantil que apresentasse valores de sustentabilidade e de respeito pela natureza.

A União de Freguesias de Caldas da Rainha – Nossa Senhora do Pópulo, Coto e São Gregório e as Juntas de Freguesia de Alvorninha e Vidais apoiam o livro.

“A história certamente contribuirá para muitos meninos se tornem adultos com elevada consciência ambienta. O nosso planeta bem precisa”, manifestou José Henriques, autarca de Alvorninha.

“Poderíamos escrever uma imensidão de palavras sobre a dedicação da Sandra ao meio ambiente e à natureza. Mas a humildade e o amor serão por certo as palavras certas para descrever todo este projeto que a Sandra tanto se tem dedicado”, afirmou o presidente da Junta de Vidais, Rui Henriques.

As Juntas de Alvorninha e Vidais vão oferecer um livro a cada menino do Centro Escolar de Alvorninha por forma a “’semear” em cada um deles uma mensagem ambiental”. “É uma forma de retribuir e promover este projeto que tanto nos orgulha”, expressou.

“Esta é uma história infantil que partilha valores como a sustentabilidade e proteção da natureza e do meio ambiente, à qual a União de Freguesias, sendo uma Eco-Freguesia não podia ficar indiferente”, refere a União de Freguesias de Caldas da Rainha – Nossa Senhora do Pópulo, Coto e São Gregório.

“Acreditamos que as preocupações ambientais devem ser transmitidas desde tenra idade e nada melhor que, uma bonita história, para consciencializar os mais novos e também os mais velhos. O planeta, esta nossa acolhedora casa no universo, precisa que cuidemos dela, porque caso contrário, um dia…”A Primavera pode não chegar”, comentou Pedro Brás, presidente da União de Freguesias.

Conceição Henriques, vereadora da Cultura da Câmara Municipal das Caldas da Rainha, também esteve presente no lançamento do livro, elogiando a mensagem transmitida pela obra.

O livro tem 44 páginas e custa doze euros. Uma das formas de adquiri-lo é enviar um mail para livroaprimaverachegou@gmail.com.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

“Rota do Voluntariado Local” juntou 14 associações no Parque D. Carlos I

“Rota do Voluntariado Local” é como se designa a iniciativa que juntou no passado dia 25, no Parque D. Carlos I, 14 associações das Caldas da Rainha que fazem trabalho voluntário para ajudar a comunidade.
A iniciativa é da União das Freguesias de Nossa Senhora do Pópulo, Coto e São Gregório, que, dado o sucesso, vai voltar a realizar a “Rota do Voluntariado Local”, pelo menos duas vezes por ano.

voluntariado 1

Leiloeira caldense vendeu lenço que está exposto no Museu da Presidência da República

O antiquário e leiloeiro Nuno da Silva, que trabalha no ramo de compra e venda de antiguidades há 25 anos, proprietário da Leiloeira Domusarte, com sede nas Caldas da Rainha, tem uma peça de cerâmica datada de 5 de outubro de 1910, assinada pelo ceramista José Alves Cunha (1849-1901), que fundou uma fábrica de cerâmica em 1862 nas Caldas da Rainha, que neste momento ainda se encontra em investigação e que irá fazer parte de um futuro leilão.

Domusarte 1