Q

Previsão do tempo

14° C
  • Friday 18° C
  • Saturday 20° C
  • Sunday 19° C
14° C
  • Friday 18° C
  • Saturday 20° C
  • Sunday 19° C
14° C
  • Friday 19° C
  • Saturday 22° C
  • Sunday 21° C

Manifestação de agricultores encheu Caldas da Rainha de tratores

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Mais de dois mil agricultores e quatro centenas de tratores participaram na passada quinta-feira numa marcha lenta nas Caldas da Rainha em protesto contra o Ministério da Agricultura. Entre outras questões, os agricultores quiseram expressar publicamente que não são os grandes responsáveis pelo aumento dos preços dos alimentos.

Mais de dois mil agricultores e quatro centenas de tratores participaram na passada quinta-feira numa marcha lenta nas Caldas da Rainha em protesto contra o Ministério da Agricultura. Entre outras questões, os agricultores quiseram expressar publicamente que não são os grandes responsáveis pelo aumento dos preços dos alimentos.

Reclamar contra a extinção das direções regionais de agricultura era o principal motivo invocado para esta concentração nas Caldas da Rainha, mas a ação organizada pela Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) tinha mais reclamações. “Esta manifestação deve-se à indignação dos agricultores pela incompetência do Ministério da Agricultura em executar as verbas que estão disponíveis por Bruxelas para Portugal”, disse ao JORNAL DAS CALDAS Luís Mira, secretário-geral da CAP.

Segundo a CAP, em causa está terem ficado por utilizar 1.300 milhões de euros do último quadro de apoio e o chumbo de projetos no âmbito do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), pretendendo a organização que o Governo “altere os procedimentos e coloque as verbas europeias à disposição dos agricultores”.

Por outro lado, as candidaturas às medidas de apoio para o novo período de Política Agrícola Comum estão abertas, mas a CAP queixa-se que 80% dos agricultores não se conseguem inscrever.

Para além disso foi reclamada uma explicação para que o PEPAC – Plano Estratégico da Política Agrícola Comum 2023-2027 ainda não tenha arrancado, num momento em que os agricultores lutam com o aumento exponencial dos custos de produção.

O presidente da confederação, Eduardo Oliveira e Sousa, sublinhou o mote do protesto – “Contra a incompetência de quem nos governa – Ministério da Agricultura”, defendendo ser necessária “uma alteração profunda” no Ministério que, apontou estar “em completa desarticulação e a desmanchar-se todos os dias”, sem “uma defesa forte do setor agrícola e um reconhecimento do valor da agricultura e do trabalho dos agricultores”.

“A agricultura está muito maltratada pelo Governo e o agricultor não sabe com o que pode contar no futuro, porque as ajudas prometidas não chegam e os preços dos alimentos não param de subir, muito fruto do abandono a que o setor agrícola foi votado”, afirmou Eduardo Oliveira e Sousa, que fez notar que no país vizinho os agricultores espanhóis “receberam ajudas nos combustíveis, nos fertilizantes e têm ajudas”.

Os agricultores “não são os grandes responsáveis pelo aumento dos preços dos alimentos“, já que estes “nem sequer ainda refletem o aumento dos custos” de produção, disse, focando que outro problema é a seca, que pode levar em breve, na região Oeste, a “uma carência” de frutas e hortícolas.

Naquela que foi considerada pela CAP “a maior manifestação de agricultores efetuada na região Oeste” foi igualmente contestada a transferência de competências das direções regionais de agricultura para as Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional.

Juntaram-se neste protesto 65 organizações de produtores, de norte a sul do país, numa ação que percorreu várias artérias das Caldas da Rainha, em marcha lenta, ao som de palavras de ordem contra a ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes. Simbólica foi a concentração junto à “Zona Agrária” das Caldas da Rainha (Delegação Regional do Oeste da Direção Regional de Agricultura e Pescas de Lisboa e Vale do Tejo).

Nesta ação estiveram presentes para manifestar solidariedade os deputados na Assembleia da República Hugo Oliveira, do PSD, e Gabriel Mithá Ribeiro e Pedro Frazão, do Chega. Os protestos dos agricultores vão voltar a fazer-se ouvir, no dia 9, em Beja, e, no dia 24, em Elvas, informou Luís Mira, acrescentado que, além de manifestações, estão previstas outras formas de luta.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Feriado municipal celebrado com a população

Foi em frente ao Hospital Termal, no largo Rainha D. Leonor, que os dois principais representantes políticos do concelho, os presidentes da Assembleia e da Câmara Municipal, se dirigiram à população para evocar o Dia da Cidade e a sua fundadora.

15demaioHTermal3

Festas da Cidade com três concertos

Foram três noites com uma seleção musical muito eclética, da música clássica às cantigas em crioulo, que preencheram o programa das Festas da Cidade de 2024.

concerto1

ACCCRO inaugurou espaço de projeto “Aceleradoras Digitais”

A ACCCRO – Associação Empresarial das Caldas da Rainha e Oeste inaugurou no dia 14 de maio o seu novo espaço dedicado ao projeto “Acelerar 2030 – Para um Centro Mais Digital”, liderado pelo Conselho Empresarial do Centro e Câmara de Comércio e Indústria do Centro.

aceleradoraACCCRO