Q

Previsão do tempo

13° C
  • Saturday 18° C
  • Sunday 18° C
  • Monday 17° C
13° C
  • Saturday 19° C
  • Sunday 18° C
  • Monday 17° C
13° C
  • Saturday 19° C
  • Sunday 19° C
  • Monday 18° C

Novo diretor geral quer fazer do CCC uma referência regional e nacional

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Mário Branquinho, que é desde 1 de dezembro o novo diretor geral e de programação do Centro Cultural e de Congressos (CCC) das Caldas da Rainha, quer potenciar através da cultura o equipamento, contribuindo para o desenvolvimento e para a valorização do território. 
Sessão de apresentação do novo diretor geral do CCC

Mário Branquinho, que é desde 1 de dezembro o novo diretor geral e de programação do Centro Cultural e de Congressos (CCC) das Caldas da Rainha, quer potenciar através da cultura o equipamento, contribuindo para o desenvolvimento e para a valorização do território. 

É uma nova etapa aquilo que Mário Branquinho ambiciona para o CCC, procurando cimentar a posição desta infraestrutura na região, país e além-fronteiras.

Foi no passado dia 15 que o CCC apresentou oficialmente às forças vivas do concelho o novo responsável pelo CCC.

Mário Branquinho deu a conhecer alguns dos seus planos para o CCC perante as entidades e agentes culturais presentes, que considerou serem “parceiros desta construção”.

“Vamos fazer do CCC uma referência deste equipamento cultural na região, país, mas também a nível internacional”, com uma “programação de qualidade sempre numa lógica da sustentabilidade ambiental”.

A fechar a programação do primeiro semestre de 2023, espera em janeiro encerrar a programação do segundo semestre. Vai trazer espetáculos do “panorama internacional, nacional e local com artistas emergentes e locais” e “ainda na vertente do experimentalismo, explorando novos conceitos”.

Numa cerimónia presidida pelo Diretor Geral das Artes, Américo Rodrigues, o novo diretor revelou que vai no próximo ano submeter uma candidatura robusta à Direção Geral das Artes (DGArtes) no âmbito do concurso de apoio à programação da Rede de Teatros e Cineteatros Portugueses, que vai permitir a melhoria da qualidade com o financiamento de 50% da programação”. “Estamos todos empenhados nisso em conjunto com a Câmara Municipal e a direção da Culturcaldas (entidade gestora do CCC) e contamos com a colaboração dos parceiros”, afirmou.

O novo responsável pretende uma programação cultural “abrangente”, para que o CCC seja “sobretudo um local de acolhimento das várias áreas artísticas, mas não descurando o apoio à criação através de residências artísticas e com produções, articulado com vários espaços, estruturas e entidades da cidade”.

Quer também dar corpo ao CCC “fora de portas” com espetáculos e eventos “no espaço exterior do CCC e noutros locais da cidade e nas freguesias, articulados com o município”.

Fez uma referência à componente dos congressos, que está na “designação do próprio equipamento para contribuir para a sua sustentabilidade financeira”.

Falou ainda do “turismo de negócios” e da importância das parcerias também com as “estruturas empresariais do concelho e região”. 

Pretende igualmente repensar e inovar alguns festivais existentes na cidade e no CCC.

Quanto às exposições, pretende criar uma espécie de “comité”, porque “uma cidade que tem uma escola superior de artes (ESAD.CR) é ter um parceiro importante e um interlocutor, assim como o Centro de Artes fazer parte deste grupo de trabalhos”.

O diretor destacou o estabelecimento de parcerias com escolas para o novo “serviço educativo no CCC”. 

Para além da abrangência e do ecletismo, Mário Branquinho apresentou como meta “a atração de públicos de todo o país”.

Revelou que vão apresentar brevemente à Câmara Municipal um plano de “comunicação global de modo a que toda a programação e eventos possam ter uma maior expressão junto da comunidade e país”.

Ao fim de cerca de vinte dias nas Caldas da Rainha garantiu que vai colocar a sua “experiência ao serviço do CCC”. Destacou ainda a equipa do CCC, que nestes dias “já deu para perceber que é fantástica e que juntos podemos fazer um trabalho magnífico”.

Candidatura a apoios da DGArtes

O Diretor Geral das Artes, Américo Rodrigues, referiu que os centros culturais “têm a obrigação de fazer programação, oferecer espetáculos de qualidade para todos os públicos, mas têm também a obrigação de se envolver e apoiar os criadores que residem no território”.

Américo Rodrigues sublinhou a importância de este tipo de equipamentos “se constituir ou afirmar-se como um centro difusor e produtor de cultura, em articulação com as diversas comunidades que constituem o território”, devendo para isso “estabelecer uma relação permanente com os criadores locais, sejam companhias de teatro, companhias de dança, instituições de música, associações de artistas plásticos ou criadores individuais”.

O CCC integra a rede de teatros portugueses (constituída por 84 teatros e cinemas de todo o país), mas não tem apoio financeiro à programação, pelo que Américo Rodrigues destacou o facto do novo diretor ter anunciado que pretende avançar com uma candidatura aos apoios da DGArtes.

“O concurso vai abrir no próximo ano e presta apoio substantivo para a programação cultural em equipamentos deste tipo”, afirmou, alertando, no entanto, que este apoio tem como contrapartida que “a autarquia comparticipe com o mesmo valor” que o apoio que venha a ser atribuído.

A vereadora responsável pelo pelouro da cultura, Conceição Henriques, manifestou a sua satisfação porque o CCC pela primeira vez em 14 anos de existência “tem um diretor cujo recrutamento foi feito através de um concurso, o que significa uma nova trajetória de um equipamento com esta relevância”.

Segundo a autarca, Mário Branquinho foi escolhido por unanimidade pelo júri do concurso, com base na “solidez de um currículo assente em longa experiência e provas dadas em funções idênticas às que irá desempenhar”.

“O que nós queremos é um CCC eclético, diferenciador, criador de públicos, inclusivo, gerador de cultura, que tenha um serviço educativo e que colabore em rede não só com as outras estruturas deste tipo a nível nacional, mas que trabalhe em rede com os autores locais”, salientou. “Quero que seja um motor de desenvolvimento de capacitação humana”, adiantou, convicta de que o novo diretor é a pessoa que “tem as caraterísticas, aptidões e também o entusiasmo o para abraçar este projeto”. “Temos a certeza que temos um diretor que vai projetar o CCC e potenciar Caldas Cidade Criativa”, salientou.

Pedro Brás, presidente da direção da Culturcaldas, realçou a vertente humana de Mário Branquinho, “uma qualidade que esta casa já precisava”.

O presidente da Câmara, Vitor Marques, fez referência ao antigo diretor do CCC, Carlos Mota, que “terminou um ciclo de treze anos de trabalho”. “Construiu todo este processo, mas agora abriu-se uma nova etapa e a vida é mesmo assim, feita de ciclos”, relatou.

Mário Branquinho tem 56 anos, é formado em Ciências Sociais e mestre em Animação Artística e desenvolveu funções na Câmara de Seia, onde foi programador da Casa Municipal da Cultura e dirigiu o Festival Seia Jazz & Blues.

Foi um dos fundadores, em 2013, da Green Film Network, uma rede de 40 festivais de cinema de ambiente de todo o mundo, da qual é membro da direção, e é diretor do CineEco – Festival Internacional de Cinema Ambiental da Serra da Estrela, único festival de cinema ambiental em Portugal.

diretor 2
Mário Branquinho foi escolhido por unanimidade pelo júri do concurso
(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Detido por tentar matar com caçadeira

A Polícia Judiciária deteve no passado dia 14, nas Caldas da Rainha, um homem de 27 anos, “fortemente indiciado pelos crimes de homicídio na forma tentada, posse de arma proibida e dano”.

cacadeira

Peça coreográfica de dança no CCC

“De onde vim? Para onde vou?”, é como se designa a peça coreográfica para o público infantojuvenil que decorreu no passado dia 9 no Centro Cultural e Congressos das Caldas da Rainha (CCC).

Escola Danca 1