Q

Previsão do tempo

14° C
  • Saturday 23° C
  • Sunday 26° C
  • Monday 28° C
15° C
  • Saturday 23° C
  • Sunday 27° C
  • Monday 28° C
15° C
  • Saturday 25° C
  • Sunday 29° C
  • Monday 30° C

Recriação histórica com a Rainha D. Leonor no Largo Termal

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Este ano, as comemorações do Feriado Municipal das Caldas da Rainha foram celebradas de forma diferente, com uma recriação histórica no Largo Termal, em que esteve presente a Rainha D. Leonor, que assim foi homenageada de forma simbólica, no dia 15 de maio.

Este ano, as comemorações do Feriado Municipal das Caldas da Rainha foram celebradas de forma diferente, com uma recriação histórica no Largo Termal, em que esteve presente a Rainha D. Leonor, que assim foi homenageada de forma simbólica, no dia 15 de maio.

O Dia da Cidade, data em que tradicionalmente o Hospital Termal abria portas para os tratamentos, foi celebrado no “melhor lugar para comemorar o dia mais importante da nossa cidade, no largo Rainha D. Leonor”, sublinhou o presidente da Câmara Municipal das Caldas da Rainha, após a recriação histórica sobre “as origens mais primordiais da cidade”. Essa encenação, que foi promovida pelos membros da Associação Cultural Terras de ViriArte, recordou que foi a partir do Hospital Termal fundado por D. Leonor, em 1485, que “a cidade se constituiu, mantendo a sua identidade termal até aos nossos dias”.
No discurso, o autarca fez questão de salientar que “o património herdado, que integra o complexo termal, a Mata Rainha D. Leonor, o Parque D. Carlos I e o edificado histórico, é a base sobre a qual deveremos alicerçar o projeto para o relançamento das termas, estando ainda cientes da responsabilidade que a Concessão Hidromineral HM 14 – Termas das Caldas da Rainha representa para o município”.
Face a isso a autarquia encontra-se a desenvolver um plano estratégico municipal para o Hospital Termal, que incluirá o edificado, a zona histórica e a envolvente de espaços verdes, nomeadamente o Parque e a Mata, e “no qual se definirá o modelo de gestão”, acreditando que “só desta forma podemos desenvolver um termalismo assente nas necessidades da população, nomeadamente ao nível de tratamentos curativos e bem-estar, mas com uma visão muito mais integrada, onde a intervenção será alargada a todo o espaço envolvente”.
No que diz respeito à concessão termal, Vitor Marques sublinhou que “em março deste ano reabrimos os serviços com os tratamentos das vias respiratórias, e no Hospital Termal continuámos a obra na ala sul, que se encontra em fase de conclusão”. Também referiu que “brevemente” serão disponibilizados os serviços na área da musco-esquelética, de forma a “promover a melhoria da qualidade de vida e bem-estar da população caldense, bem como desenvolver um turismo local assente no termalismo”.
O autarca manifestou que “Caldas da Rainha mantém efetivamente uma estreita ligação com as águas, através de todos os fontanários e chafarizes da cidade”, recordando as requalificações realizadas recentemente nestas estruturas, que permitem que “de novo fosse possível ver brotar as águas”.
“O desiderato do município é dar sentido à expressão que a água é fonte de vida e trazê-la de novo à cidade”, frisou o presidente da Câmara Municipal, destacando que “a ligação da cidade à água deve-se também especialmente às nossas águas termais”, que “têm contribuído para a melhoria ao nível de várias problemáticas da saúde, da população e de todos aqueles de diversos pontos do país nos procuram, por saberem o quanto estas águas termais são benéficas”. Contudo, e para preservação dos furos onde é feita a extração de águas termais, o município está neste momento desenvolver placas de sensibilização e informação sobre os mesmos.
Atualmente, a autarquia encontra-se a projetar “um novo conceito de termalismo para Caldas da Rainha”, que não incide apenas na vertente curativa, mas “indo muito mais além, num plano transversal onde aliamos o termalismo à cultura, ao bem-estar, ao turismo e à identidade municipal”. Para isso, o município tem como “objetivo primordial valorizar as diversas vertentes, que constituem a identidade da cidade e potenciar uma especial interligação entre todas. E nosso termalismo faz efetivamente parte da identidade caldense, merecendo por isso que saibamos sempre respeitar e preservar o edificado, mas acima de tudo que possamos dignificá-lo”.
Nesse sentido, “queremos que o património caldense possa continuar a ser uma referência, e o termalismo é sem dúvida uma vertente em que estamos e iremos investir mais”, pois pretende-se “edificar um termalismo com maior proximidade à população e que seja atrativo para todos os que visitem a nossa cidade”.
Após a recriação histórica, as portas do Balneário Novo e Hospital Termal foram abertas à população, para que todos pudessem visitar estes espaços, e “que num futuro próximo venham usufruir das nossas Termas de excelência”, concluiu o autarca.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Despiste mortal na estrada entre a Foz e Caldas

Um homem de 63 anos morreu na sequência do despiste do carro que conduzia, ao final da manhã da passada quinta-feira na variante entre a Foz do Arelho e as Caldas da Rainha, na zona da freguesia do Nadadouro, após uma curva.

despiste 1

43 cães com ferimentos ou em condições deploráveis foram resgatados

O IRA - Intervenção e Resgate Animal divulgou que uma ação de fiscalização a um caçador, no concelho do Cadaval, culminou com a apreensão e resgate de 43 cães. Nessa operação, para além do IRA, estiveram envolvidas várias entidades, como o Gabinete Médico Veterinário Municipal, duas associações locais de proteção de animais, o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, e a GNR, que constituiu arguido o detentor dos animais, que estavam em condições deploráveis de higiene e alguns com fraturas expostas, doentes e esqueléticos.

ira0

127 anos dos bombeiros festejados em cerimónia emotiva

A cerimónia do 127º aniversário da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários das Caldas da Rainha, realizada no passado domingo, foi bastante emotiva, pela passagem ao quadro de honra de dois bombeiros, pelas promoções, condecorações e louvores, pela transferência de testemunho do porta-estandarte, pela atribuição de patrono a duas viaturas, pelo elogio ao comandante de Pedrógão Grande, mas sobretudo por ter sido lembrada a morte de um bombeiro da corporação vizinha de Óbidos no maior incêndio ocorrido este ano nas Caldas da Rainha.

bombeiros1