Q

Previsão do tempo

20° C
  • Friday 28° C
  • Saturday 26° C
  • Sunday 22° C
21° C
  • Friday 29° C
  • Saturday 27° C
  • Sunday 23° C
22° C
  • Friday 32° C
  • Saturday 29° C
  • Sunday 24° C

Obras de modernização da Linha do Oeste podem sofrer mais atrasos

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
A Infraestruturas de Portugal (IP) assegura que já foi executada mais de 30% do total da empreitada de modernização e eletrificação da Linha do Oeste no troço entre Meleças e Torres Vedras, e que as obras estão a decorrer, mas a Comissão Para a Defesa da Linha do Oeste (CPDLO) aponta que estão “paradas” por terem sido reveladas desconformidades no projeto que terão levado o consórcio construtor a retirar metade dos equipamentos e trabalhadores.
Intervenção no troço entre Meleças e Torres Vedras

A Infraestruturas de Portugal (IP) assegura que já foi executada mais de 30% do total da empreitada de modernização e eletrificação da Linha do Oeste no troço entre Meleças e Torres Vedras, e que as obras estão a decorrer, mas a Comissão Para a Defesa da Linha do Oeste (CPDLO) aponta que estão “paradas” por terem sido reveladas desconformidades no projeto que terão levado o consórcio construtor a retirar metade dos equipamentos e trabalhadores.

O jornal “Público” divulgou no final de março que o consórcio confrontou-se com a necessidade de fazer trabalhos a mais na ordem dos dez milhões de euros, por ter sido detetado que havia uma desconformidade entre a base topográfica fornecida pelo projetista e aprovada pela IP, e a realidade do terreno. Na prática, de acordo com o jornal, isso obrigava a que em zonas onde se previa retificar o traçado da via férrea ou construir a via dupla, os aterros e escavações a efetuar se revelaram muito superiores aos que constavam no projeto, o que aguardará autorização.

Contactada pela agência Lusa, a IP esclareceu que a empreitada não está parada e que “as frentes de trabalho continuam a decorrer”.

A CPDLO alerta que “a paralisação das obras neste troço a que soma o atraso relativo ao lançamento da obra do troço entre Torres Vedras e Caldas da Rainha e a divisão do processo de modernização e eletrificação da Linha do Oeste em duas fases distintas (a sul e a norte das Caldas da Rainha) que poderão ter uma diferença de conclusão superior a cinco anos, revelam a ausência de empenho em fazer deste eixo ferroviário um importante vetor de desenvolvimento económico e social da região Oeste”.

Segundo faz notar, “os atrasos já registados na execução do projeto de modernização e eletrificação da Linha do Oeste impedem também que fiquem, mais rapidamente, reunidas as condições para uma melhor oferta do transporte público ferroviário, nas ligações regionais e interregionais, para a redução dos custos decorrentes da utilização de material circulante a diesel e do transporte rodoviário coletivo ou individual, designadamente nas ligações entre os grandes centros urbanos e para a diminuição dos níveis de poluição”.

Se a situação se protelar, a CPDLO assegura que realizará iniciativas que pressionem o Governo e as outras entidades envolvidas, tendo já solicitado ao ministro das Infraestruturas e Habitação uma reunião com caráter de urgência para reclamar a sua intervenção para que a obra entre Torres Vedras e Caldas da Rainha seja lançada e para a resolução do problema existente no troço entre Meleças e Torres Vedras.

À Lusa, a IP afirmou que a intervenção entre Torres e Caldas já foi contratada, aguardando-se a assinatura do auto de consignação, que marcará a data de início da empreitada, após a concessão do visto prévio ao contrato, que foi solicitado ao Tribunal de Contas em dezembro de 2021. A empreitada tem um prazo de execução de 660 dias.

A obra no troço Torres Vedras-Caldas da Rainha, ao longo de 44 quilómetros, orçada em 40 milhões de euros, compreende a construção de uma variante com dois quilómetros de extensão e correções de traçado para melhoria da velocidade no troço, eletrificação integral, estabilização de taludes e construção de muros de suporte.

Haverá beneficiação em cinco estações e quatro apeadeiros, com o alteamento das plataformas de passageiros e a criação de acessos para pessoas com mobilidade condicionada, transformação do apeadeiro de São Mamede em estação, com a construção de uma nova linha. Está ainda prevista a automatização e supressão de passagens de nível, e construção de quatro passagens desniveladas ao caminho de ferro e caminhos paralelos.

A intervenção no troço da Linha do Oeste entre Meleças e Torres Vedras, num investimento de 61,7 milhões de euros, estende-se ao longo de 43 quilómetros, com construção de desvios para cruzamento de comboios, eletrificação integral, estabilização de taludes e construção de muros de suporte, beneficiação em cinco estações e seis apeadeiros, com o alteamento de plataformas e a criação de acessos para pessoas com mobilidade condicionada, a construção de uma subestação de tração elétrica e de postos autotransformadores.

Está prevista a automatização e supressão de passagens de nível, construção de nove passagens desniveladas e intervenções em quatro túneis.

De acordo com a IP, “a obra permitirá a melhoria da eficiência e competitividade do sistema ferroviário, através do aumento da capacidade, segurança e fiabilidade da exploração e redução dos tempos de trajeto, diminuindo as emissões de dióxido de carbono”.

A eletrificação do troço até às Caldas da Rainha não só permitirá a redução do tempo de percurso desde Lisboa, como abre a possibilidade de aumento da oferta de 16 circulações para 48 (nos dois sentidos).

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Suspeito de esfaqueamento detido pela Judiciária

Um homem de 24 anos que tentou matar outro com uma faca, no ano passado em Rio Maior, foi detido no dia 24 de maio pelo Departamento de Investigação Criminal de Leiria da Polícia Judiciária em Ferrel, no concelho de Peniche.

pj

João Almeida com Covid-19 desiste do Giro d’Italia

A 18ª etapa do Giro d’Italia, nesta quinta-feira, fica marcada pela ausência do ciclista caldense João Almeida, que acusou positivo à Covid-19, sendo assim forçado a abandonar a prova, quando ocupava o quarto lugar, a 1 minuto e 54 segundos do líder e a 49 segundos do pódio.

almeida 3

Vigília com “abraço” ao hospital das Caldas da Rainha

Uma vigília que terminou com um cordão humano em frente à urgência do hospital das Caldas da Rainha foi a forma encontrada pela população para exigir medidas do Governo para melhorar as condições em que trabalham os profissionais de saúde. O alerta foi feito na noite da passada sexta-feira.

vigilia2