Q

Previsão do tempo

14° C
  • Thursday 26° C
  • Friday 28° C
  • Saturday 27° C
15° C
  • Thursday 27° C
  • Friday 29° C
  • Saturday 28° C
15° C
  • Thursday 29° C
  • Friday 32° C
  • Saturday 31° C
Escaparate

A alma exterior

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Todos os dias vestimos a roupa que mais agrada aos outros. Frequentamos os lugares que nos indicam. Bebemos o que nos impingem em insalubres propagandas. Dizemos palavras que, na realidade, deveriam estar sempre silenciadas, por terem sido pensadas por mentes alheias à nossa. Resumindo: Vivemos para fora. As redes sociais, e o que os outros pensam de nós, vieram biblicamente alçar-nos a qualquer coisa de inútil.

Escaparate

Todos os dias vestimos a roupa que mais agrada aos outros. Frequentamos os lugares que nos indicam. Bebemos o que nos impingem em insalubres propagandas. Dizemos palavras que, na realidade, deveriam estar sempre silenciadas, por terem sido pensadas por mentes alheias à nossa. Resumindo: Vivemos para fora. As redes sociais, e o que os outros pensam de nós, vieram biblicamente alçar-nos a qualquer coisa de inútil.

A vontade dos outros, sobre a nossa, desmanchou-nos a alma interior.

Recuperar a nossa identidade, a nossa voz, a nossa consciência, é um trabalho exaustivo, penoso, quase impossível. E, será que o gostaríamos de fazer?

A síndrome do alheio abastece-nos de tal modo que confundimos a realidade da vida com a virtualidade das redes.

A maioria das pessoas, atualmente, acorda nervosa, irritada, destilando fel e arrogância. Como são vítimas da veleidade absorta, a primeira coisa que fazem, ao saltar da cama, não é dar continuidade à leitura de um livro, é, lamentavelmente, mergulhar os olhos pelas redes sociais, perscrutando o vazio que os outros destilam sem cessar, devido, justamente, à improficuidade das suas ações e pensamentos.

Johann Goethe (1749-1832) disse-nos que “O declínio da literatura indica o declínio de uma nação”. Neste momento virtual (obscuro) que vivemos, ler é um exercício tão difícil quanto correr uma maratona. Infelizmente, devido às nossas más práticas, absorvemos o que há de pior no pensamento humano, entregando à humanidade as mais tolas frivolidades, os mais débeis pensamentos, as mais patéticas ações.

O que poderia engrandecer-nos? Investir no nosso cérebro; na bondade que, se desejarmos, trazemos nos gestos; na alegria que possuímos na alma (e que não deixamos vir à tona); na mão que podemos estender a quem necessita. Temos de conseguir regressar ao mundo real, pois as práticas virtuais resumem-se (e atiram-nos) a uma insignificância inacreditável, a uma decadência enquanto humanidade.

Ser, versus parecer. Vida (quase) pública, versus vida íntima. Ao analisar o comportamento humano lembro-me do conto “O Espelho”, de Machado de Assis (1839-1908), escrito em 1882. Nele, o Bruxo do Cosme Velho explana acerca da nossa alma externa, e da conexão desta com o estatuto e a influência social, a impressão que os outros fazem de nós, etc., situações e factos que colidem com a nossa alma interna (a nossa verdadeira personalidade), rigorosamente (devido ao nosso parcial apagamento do mundo real), o que provoca os conflitos que abalam o planeta nos tempos que correm.

Ser o outro representa nada ser. Levando-nos a um caminho de ganância, arrogância e destruição do entorno. As consequências são gravosas, a maior de todas é a da letargia cerebral, que pode ocasionar a perda do raciocínio, da capacidade de pensar. E, assim, passarmos a viver mortos, zombies, ignavos, perfeitamente manipuláveis, dando voz a indivíduos regidos por interesses estranhos e dissimulados, cúmplices de todos os conflitos.

Como disse o meu querido Quincas Borba: “Se a guerra não fosse isso, tais demonstrações não chegariam a dar-se, pelo motivo real de que o homem só comemora e ama o que lhe é aprazível ou vantajoso, e pelo motivo racional de que nenhuma pessoa canoniza uma ação que virtualmente a destrói. Ao vencido, ódio ou compaixão; ao vencedor, as batatas”. Nos tempos que correm, sem a prática da boa leitura, a subsistência deixa de ser racional. Não existirão vencedores. E as batatas…serão produzidas em FarmVille.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

As festas das aldeias e suas tradições

Com a chegada do verão começa a altura dos arraiais, das festas das aldeias, onde reina o tradicional bailarico e de seguida o dj a fazer o resto da magia.

Praças decadentes

As praças da fruta e do peixe, em Caldas da Rainha, estão em franca decadência. A maioria dos vendedores acredita, inclusive, que com a abertura da nova superfície comercial, no centro da cidade, será muito difícil continuarem a trabalhar.

Parlamento dos Jovens

Nos dias 9 e 10 de maio tive a oportunidade de participar no programa Parlamento dos Jovens, enquanto deputada efetiva do Agrupamento de Escolas Rafael Bordalo Pinheiro, na Sessão Nacional na Assembleia da República.

olhar