Q

Previsão do tempo

14° C
  • Tuesday 20° C
  • Wednesday 20° C
  • Thursday 20° C
14° C
  • Tuesday 21° C
  • Wednesday 20° C
  • Thursday 20° C
15° C
  • Tuesday 21° C
  • Wednesday 21° C
  • Thursday 21° C

A que público se destinam os museus?

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Quando se trata de escrever ou mostrar a História, não há neutralidade. No caso dos museus, os curadores seleccionam, evidenciam e apagam — enquadram, com determinado objectivo de leitura.

Quando se trata de escrever ou mostrar a História, não há neutralidade. No caso dos museus, os curadores seleccionam, evidenciam e apagam — enquadram, com determinado objectivo de leitura.

A maioria dos museus europeus são estruturas excludentes que fazem parte dos aparelhos de controlo dos Estados. São mostruários dos projectos imperiais passados, arquivos de um tempo de poder e dominação.

Baseando-se nos conceitos falaciosos de património colectivo e experiência universal, expõem diegeses que visam moldar o nacionalismo e a identidade. Estas instituições existem para manter seguras, e visíveis de determinado ângulo, as relíquias mais valiosas e significativas da nossa História. Porém, “nossa” de quem?, “valiosas” para quem?

Os museus da Europa, na sua maioria, reflectem as preocupações nacionalistas e imperialistas dos séculos XVIII e XIX. Os acervos foram constituídos a partir do século XV, com a expansão do poder europeu, através do comércio, da escravização e da subjugação imperial, e traduzem ainda hoje as crenças dos seus fundadores. Almejam representar os heróis da nação; os rostos que exibem são europeus, masculinos, brancos e ricos. Visam confortar e confirmar os preconceitos do seu público, sobretudo europeu, masculino, branco e rico. Estes museus são espaços de exaltação racista, colonialista e misógina, e cumprem o que para eles foi planeado.

No último decénio, de forma crescente, os museus tornaram-se objecto de protesto. Por um lado, novos artistas e curadores, homens e mulheres, de diferentes origens geográficas e sociais, surgiram no espaço público com autoridade, reclamando o direito à voz, ao seu lugar e à dignidade cidadã.

Por outro lado, os vários públicos excluídos da lógica supremacista, nacionalista, misógina e, também, negacionista da crise ambiental, exigem que os museus passem à auto-reflexão dos aspectos desconfortáveis da História, que reconheçam a natureza essencialmente colonial e masculina das suas colecções e levem o tradicional público-alvo a enfrentar a cumplicidade nessa lógica.

As novas curadorias, onde já pontificam muitas mulheres e há diversidade étnica e social, estão dispostas a expor os acervos de modo que os vários públicos os possam questionar, para que os museus de hoje sejam apenas anfitriões e não mais guardiões de uma certa perspectiva da História.

O actual clima de ódio e conflito, com violência racista e extremismo de direita em ascensão, torna imperioso que os museus mantenham viva a História que corremos o risco de repetir e adoptem uma perspectiva de denúncia e responsabilização.

 As obras de arte de mulheres e homens devem passar a estar representadas apenas na proporção da relevância criativa, assim como deve haver pluralidade cultural nas colecções a reflectir a diversidade social, acabando com o eurocentrismo vigente.

Vivendo em tempos de crise ambiental, os museus também têm a responsabilidade de mostrar como chegámos a este ponto e de apontar caminhos sustentáveis.

Uma curadoria honesta, isenta, tornará estas histórias visíveis com facilidade, pois sempre estiveram nos museus, à espera de serem mostradas. Só assim, os museus serão para todos os artistas e públicos.

Artigo segundo a anterior grafia.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Caldas e a Cultura

A atual gestão camarária tem vindo a prestar contas aos caldenses sobre os investimentos culturais nas Caldas. Assim, foi justificado, e bem, o abandono do projeto World Press Cartoon, que envolvia verbas na ordem de mais de um milhão de euros/ evento/ano. A...

Arte musical do Ocidente

Refletindo um pouco acerca da música que enlevou algumas regiões do nosso planeta em tempos idos, vêm-me à memória diversos e inauditos temas, entre eles os do período medieval e renascentista, aquando do surgimento da monodia, no século VII.

Para que serve a Cultura?

Recentemente desfrutámos da excelente notícia da criação da Biblioteca António Lobo Antunes, na freguesia de Benfica, em Lisboa, a ser instalada no antigo edifício da Fábrica Simões (Simões & Cª Lda., 1907-1987). Depois da recuperação do imóvel, abandonado por mais de trinta anos, o seu destino só poderia ser o cultural, desejo antigo dos moradores de uma freguesia que conta com, aproximadamente, 37 mil pessoas, e possui, também, dois outros importantes espaços, o restaurado Palácio Baldaya (com uma excelente biblioteca) e o Auditório Carlos Paredes.