Q

Previsão do tempo

11° C
  • Monday 15° C
  • Tuesday 16° C
  • Wednesday 13° C
11° C
  • Monday 16° C
  • Tuesday 16° C
  • Wednesday 14° C
11° C
  • Monday 16° C
  • Tuesday 17° C
  • Wednesday 14° C
Escaparate

Um ciclone nas Caldas da Rainha

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
O 26 de setembro de 2021 ficará nos anais da história caldense como o dia do grande ciclone. Como foi noticiado em todos os quadrantes: Um furacão de grandes proporções passou pelo território, modificando o mapa político do concelho.

Escaparate

O 26 de setembro de 2021 ficará nos anais da história caldense como o dia do grande ciclone. Como foi noticiado em todos os quadrantes: Um furacão de grandes proporções passou pelo território, modificando o mapa político do concelho.

O Movimento Vamos Mudar, ao vencer as eleições autárquicas locais, terá pela frente um trabalho árduo, principalmente nas duas maiores freguesias, pois os candidatos vitoriosos não possuem nenhuma experiência política. É necessário, portanto, um tempo de adaptação, para conhecerem os assuntos que dominam o dia-a-dia daqueles órgãos e, principalmente, de tranquilidade e sagacidade para perceberem as necessidades dos seus fregueses.

Neste momento, é urgente diminuir os conflitos políticos na região. É imprescindível que exista união de partes para que a qualidade de vida de cada cidadão melhore. Preocupa-me por isso, e grandemente, quem ficará com as pastas da Cultura e da Ação Social.

A apreensão, no que trata à Cultura, é grande pois existem pessoas que a confundem com entretenimento. São campos distintos. A Cultura é o que pode alavancar o concelho, dando-lhe projeção, inclusive internacional, o entretenimento é apenas para divertir os distraídos, enquanto se bebem algumas cervejas e se degustam alguns tremoços.

No que diz respeito à Ação Social – temos de ser honestos – foi uma área bem cuidada pelo PSD, portanto, a fasquia da qualidade deve ser daí para melhor.

Quando se discute política o que mais sobressai é a necessidade de se mostrar que quem está com a razão é o partido A ou B, ou seja, limitamo-nos a um debate meramente institucional, que em nada colabora para a modificação do sistema (esta palavra causa-me urticária) vigente.

A política não está apenas na mão dos partidos, e esta eleição autárquica é prova disso. Está presente na vida de qualquer pessoa, dos mais variados modos. Porém, é necessário que todos os lados percebam que a grande transformação de um concelho passa, em muito, pela consolidação e investimento na Cultura e na Questão Social.

Caldas da Rainha é um exemplo de Democracia Participativa, pois a intervenção direta eleitoral dos cidadãos fez-se nos processos de tomada de decisão e de intendência do exercício do poder. Existe, porém, um detalhe que deve ser muito bem clarificado pelo candidato eleito (Vítor Marques): O Movimento Vamos Mudar possui pessoas de diversos quadrantes políticos, desde a Esquerda à Extrema-Direita, o que significa que é necessário equilibrar pensamentos e ações.

A Democracia Participativa é um modelo interessante para o exercício do poder político, mas o que fazer com os excessos é preocupante. E eles existirão, é inevitável. Todos nós, cidadãos pensantes de um concelho como este desejamos, também, que o deslumbre não cubra os olhos dos inexperientes eleitos. Que estes não se esqueçam que estarão nos cargos para servir o próximo.

A legitimidade das decisões devem passar por um amplo processo de discussão, onde se percebam (sem fazermos muito esforço para ver) os princípios da inclusão, o respeito pelas minorias, a justiça social, etc., não podem ficar no campo do “Quero, Posso e Mando”.

Para concluir: Uma nota de pesar. O Partido Socialista morreu. Paz à sua alma.

O grande derrotado (como era de se esperar, devido às artimanhas de bastidores que as lideranças do partido vêm fazendo, sucessivamente, desde 2017) é o Partido Socialista. Não restando, portanto, outra hipótese à sua Comissão Política e ao seu Secretariado senão a demissão imediata dos integrantes desses dois organismos. Graças à péssima gestão política, feita pela últimas três lideranças concelhias, o PS/Caldas possui atualmente a pior representatividade do país.

Não restam nem canas para apanhar.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Teremos sempre Paris (e as intenções da COP 21)

Dias antes da COP26 (Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre as alterações climáticas), em Glasgow, a ONU apontou Madagáscar como estando a sofrer a primeira grande crise de fome no mundo relacionada com as alterações climáticas. Ao cabo de cinco anos de seca no Sul do país, as projecções do clima apontam para estios ainda mais severos. 91% já vive abaixo do limiar de pobreza.

Uma polémica sem sabor

Recentemente publiquei dois artigos que foram baseados num excelente texto do historiador, investigador e médico dr. Duílio Crispim Farina, de saudosa lembrança. Esse abalizado cultor das belas-letras, com a sua verve tão peculiar e repleta de elegância, aponta para algumas obras de arte que existiram em três concelhos portugueses, e que, por razões que se desconhece, deixaram de estar visíveis ao público.

Obras de arte desaparecidas – Estátua Equestre de D. João IV

D. João IV (1604-1656), 8º duque de Bragança, 5º duque de Guimarães, 3º duque de Barcelos, filho de D. Teodósio II de Bragança (1568-1630) e da Sra. D. Ana Fernández de Velasco y Téllez-Girón (1585-1607), casado, no ano de 1633, com a Sra. D. Luísa Maria Francisca de Gusmão e Sandoval (1613-1666), da Casa espanhola de Medina-Sidónia, foi aclamado como o 22º Rei de Portugal e Algarves no dia 15 de dezembro de 1640.