Q

Previsão do tempo

14° C
  • Sunday 13° C
  • Monday 13° C
  • Tuesday 13° C
14° C
  • Sunday 13° C
  • Monday 13° C
  • Tuesday 13° C
14° C
  • Sunday 13° C
  • Monday 14° C
  • Tuesday 13° C
Escaparate

Agricultura Sintrópica

Rui Calisto

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
No Brasil e na Suíça há um procedimento agrícola muito interessante do ponto de vista orgânico: O cultivo que propõe a conservação do território de mata natural em determinada área, associando-o à plantação de diversas culturas (verduras, legumes, raízes e frutas).

Essa boa prática facilita a diminuição radical da utilização de produtos químicos, pois, permite a preservação dos atributos genuínos da região – o que será, também, uma mais-valia para o ambiente – podendo chegar rapidamente à não-necessidade de aplicação de aditivos nocivos à saúde dos seres humanos (e dos animais em geral).

A agricultura sintrópica (ou agrofloresta de sucessão) carece apenas da própria natureza para vingar, tendo como única preocupação a da necessidade, pela parte do agricultor, de estudar muito bem as características do solo a ser utilizado, para que se possa perceber quais os alimentos que se devem ali plantar. Com as escolhas certas, naturalmente, o próprio ecossistema oferecerá a luz, a humidade e todos os nutrientes necessários para a plena evolução do que foi plantado.

Essa prática agrícola inovadora, além de enriquecer as plantações, trará um enorme equilíbrio ao alimento e à região onde este foi produzido. Podendo, inclusive, ser muito mais rentável para o agricultor do ponto de vista financeiro.

Não confundir a agricultura que proponho com a agricultura orgânica. Há diferenças. A sintrópica possui como foco principal a não-intervenção abusiva do solo; A não-utilização de produtos químicos; A mínima intervenção direta do agricultor, pois o seu trabalho mais vincado será o de repor a camada superficial do plantio com folhas e galhos (alimento essencial para os bicharocos que tanto incomodam a agricultura comum e arcaica praticada em Portugal), cuidar da fase da poda e do reaproveitamento dos seus resquícios, utilizando-os na própria plantação; E a aplicação de adubos orgânicos somente será permitida se o terreno escolhido necessitar de nutrientes e da proliferação de micro-organismos (neste caso específico, ao terceiro cultivo o solo já deverá estar pronto, preparado para “seguir sozinho o seu caminho”, podendo, assim, deixar de receber os tais adubos).

A agricultura sintrópica não sendo alvo de pragas ou doenças é importante para todo o ecossistema. Além disso, mantém todas as composturas da mata, o que permite uma excelsa familiaridade entre a fauna e a flora circundantes, sem que exista o constrangimento de algum tipo de desflorestação ou de excreção de castas nativas. O equilíbrio que a natureza trará ao cultivo, quiçá a si própria, permitirá ao solo uma riqueza extraordinária, que se refletirá na qualidade dos alimentos dali retirados.

Em Portugal, infelizmente, a larga maioria dos agricultores foi influenciada pela ganância das empresas que desejam “ganhar rios de dinheiro” com a venda de produtos químicos e adubos inorgânicos, como resultado o país possui uma parca variedade de verduras, legumes, raízes e frutas, e o que possui, na sua gritante maioria, está repleta de pesticidas, etc.

Um povo pouco saudável sucumbe facilmente, independente da doença que o atinja. O seu verdadeiro medicamento deve ser o alimento que ingere, e se este não for minimamente saudável, ocorre o óbvio: Uma vida de sofrimentos físicos e mentais.

Existe um pequeno exemplo de agricultura sintrópica implementada no alto Alentejo pelas mãos do agricultor e pesquisador suíço Ernest Gotsch, formado em ciência genética, um ponto de partida para algo efetivamente grandioso. Será que a região Oeste está preparada para a inovação, o renascer da agricultura, e a busca de uma vida mais saudável e feliz para a sua população?

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

O Trump francês

Éric Zemmour é filho de judeus franceses argelinos, designa-se judeu berbere, tem um nome afrancesado — azemmur significa azeitona em cabila, a língua berbere da Argélia — e defende que os imigrantes devem afrancesar os nomes dos filhos. Acha inconcebível que um neto de imigrantes continue a chamar-se Mohammed. Diplomado pelo Instituto de Estudos Políticos de Paris (vulgo Sciences Po), jornalista, político, escritor, ensaísta, polemista, cronista…

Dois médicos vão reforçar Unidade de Saúde Familiar

Foi concedido um regime de exceção para a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT) contratar mais dois médicos avençados para ajudar a resolver a atual fraca resposta da Unidade de Saúde Familiar do Bombarral.

usf

Morreu na cama

Os bombeiros das Caldas da Rainha tiveram na manhã da passada sexta-feira de forçar a entrada numa habitação na aldeia do Chão da Parada para tentar socorrer uma mulher de 55 anos que vieram a encontrar deitada na cama em paragem cardiorrespiratória, na sequência de doença súbita.