Q

Previsão do tempo

27° C
  • Tuesday 24° C
  • Wednesday 23° C
  • Thursday 24° C
27° C
  • Tuesday 25° C
  • Wednesday 24° C
  • Thursday 25° C
25° C
  • Tuesday 27° C
  • Wednesday 25° C
  • Thursday 27° C

Mau tempo no Sahel

Francisco Martins da Silva

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Sahel significa fronteira e é uma faixa do continente africano que vai da costa atlântica à costa do Mar Vermelho, abrangendo parcialmente catorze países, entre o Saara, a Norte, e a savana, a Sul.
Francisco Martins da Silva

O clima do Sahel ficou muito mais seco nos últimos decénios, gerando um problema dramático de cobertura vegetal. A demografia também se modificou bastante — em 2019, o Sahel tinha 84 milhões de habitantes e prevê-se que em 2050 tenha 200 milhões. Hoje é muito difícil às populações desta imensa zona transversal de África cultivar e criar animais.

Há um projecto de gerar uma muralha verde, a par da reabertura dos corredores que permitiam aos pastores não só deslocar os rebanhos como ter acesso aos mercados das zonas costeiras da África ocidental. Ora, os países costeiros como o Togo, Costa do Marfim ou Benim, por receio do terrorismo, fecharam os corredores e os pastores deixaram de poder comercializar os rebanhos. Estas dificuldades poderão desaparecer se houver cooperação regional, o que parece só ser possível se a Europa a promover.

A intervenção europeia no Sahel tem-se resumido a evitar a exportação do terrorismo e a emigração para a Europa. Na realidade, a maior parte dos fluxos migratórios do Sahel são para a costa de África ou para a península arábica. As pessoas fogem da parte mais árida e procuram modos de vida idênticos nos países à beira do oceano.

A somar a este quadro de complexidade económica, social, demográfica e climatérica, há um vazio de Estado que tem permitido o terrorismo escalar.

No dia 16 de Fevereiro, houve em Bamako a cimeira do G5 Sahel, reunião entre representantes do Mali, Chade, Mauritânia, Níger e Burkina Faso, para debater problemas de segurança e o seu papel num contexto regional mais vasto, que inclui a Líbia, o Golfo da Guiné e a República Centro-Africana. A esta cimeira na capital do Mali juntaram-se o Presidente francês e o primeiro-ministro português, por inerência da presidência portuguesa do Conselho da UE. Não tendo sido tomadas grandes decisões, destacou-se a afirmação de Emmanuel Macron de que a França não vai reduzir o contingente militar no Sahel. Também os países do Sahel continuam a insistir na resposta militar a um problema que vai muito além das questões da defesa.

É na zona das três fronteiras (entre Mali, Níger e Burkina Faso), chamada Liptako, quase quatro vezes o território de Portugal continental, que está o nó do problema militar do Sahel. É aqui que tem havido o maior número de ataques terroristas e de operações militares e a maior crise humana. Neste momento, há dois milhões de deslocados e quase novecentos mil refugiados em todo o Sahel, na maior parte pessoas que viviam no Liptako.

O aumento do número de vítimas resulta não só dos actos de terrorismo, mas também da resposta das forças armadas de França e dos países do Sahel.

António Costa sublinhou que o restabelecimento dos laços de confiança entre os cidadãos e o Estado constitui a chave para travar o avanço dos grupos armados. A falta da presença do Estado em territórios vastíssimos de países muito pobres, a somar à corrupção das autoridades civis e das forças militares é a complexa origem da instabilidade do Sahel. Nalgumas zonas destes países, a presença do Estado central é inexistente — ou são as autoridades tradicionais que impõem algum controlo local ou são grupos armados que exercem domínio sobre as populações. E o abuso de poder das forças militares sobre as populações que deviam proteger levam-nas a aderir aos grupos terroristas.

A par de melhor governação, é necessário substituir a influência dos chefes tradicionais, formados na Arábia Saudita, nos Emirados Árabes Unidos e em Abu Dhabi, onde foram convertidos ao Islão. Também o espaço educativo foi ocupado pelos grupos radicais, suprindo a inexistência de escolas oficiais. Não é possível falar em desenvolvimento na região do Sahel, sem primeiro quebrar este ciclo de violência e radicalismo. Para que tal aconteça, é necessária uma atitude conciliatória e não apenas a habitual resposta militar. A França, até agora em consonância com a UE, apenas tem prolongado a crise, respondendo sempre militarmente a questões extremamente complexas, exigentes do diálogo e diplomacia preconizados por António Costa. Que a presidência portuguesa do Conselho da UE contribua para dissipar os maus ventos que fustigam o Sahel.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Contratação de pessoas com deficiência e incapacidade

Apoios à Contratação de Pessoas com Deficiência e Incapacidade” foi o tema da sessão de Informação promovida pela Cercipeniche, no passado dia 28, no âmbito da aprovação de um projeto candidatado ao Instituto Nacional para a Reabilitação.

sessao

Arte musical do Ocidente – O classicismo

O século XVIII foi extremamente inovador em termos musicais. Em meados dessa centúria, Franz Joseph Haydn (1732-1809) ao utilizar figuras mais moderadas de expressão; Carl Philipp Emanuel Bach (1714-1788) ao purificar a harmonia no estilo de composição; Christoph Willibald von Gluck (1714-1787) ao imputar a primazia da música instrumental sobre os improvisos vocais da ópera napolitana; Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791) ao redefinir a sinfonia e modificar a música de câmara; Ludwig van Beethoven (1770-1827) ao ampliar a linguagem e o conteúdo musical (impulsionando o início da autonomia da forma, dando mais expressão às emoções e mais realce à consonância harmónica), entre outros, ditaram a transmutação do barroco para o classicismo.