Q

Previsão do tempo

14° C
  • Sunday 14° C
  • Monday 12° C
  • Tuesday 13° C
14° C
  • Sunday 15° C
  • Monday 12° C
  • Tuesday 13° C
14° C
  • Sunday 15° C
  • Monday 12° C
  • Tuesday 13° C

Mau tempo no Sahel

Francisco Martins da Silva

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Sahel significa fronteira e é uma faixa do continente africano que vai da costa atlântica à costa do Mar Vermelho, abrangendo parcialmente catorze países, entre o Saara, a Norte, e a savana, a Sul.
Francisco Martins da Silva

O clima do Sahel ficou muito mais seco nos últimos decénios, gerando um problema dramático de cobertura vegetal. A demografia também se modificou bastante — em 2019, o Sahel tinha 84 milhões de habitantes e prevê-se que em 2050 tenha 200 milhões. Hoje é muito difícil às populações desta imensa zona transversal de África cultivar e criar animais.

Há um projecto de gerar uma muralha verde, a par da reabertura dos corredores que permitiam aos pastores não só deslocar os rebanhos como ter acesso aos mercados das zonas costeiras da África ocidental. Ora, os países costeiros como o Togo, Costa do Marfim ou Benim, por receio do terrorismo, fecharam os corredores e os pastores deixaram de poder comercializar os rebanhos. Estas dificuldades poderão desaparecer se houver cooperação regional, o que parece só ser possível se a Europa a promover.

A intervenção europeia no Sahel tem-se resumido a evitar a exportação do terrorismo e a emigração para a Europa. Na realidade, a maior parte dos fluxos migratórios do Sahel são para a costa de África ou para a península arábica. As pessoas fogem da parte mais árida e procuram modos de vida idênticos nos países à beira do oceano.

A somar a este quadro de complexidade económica, social, demográfica e climatérica, há um vazio de Estado que tem permitido o terrorismo escalar.

No dia 16 de Fevereiro, houve em Bamako a cimeira do G5 Sahel, reunião entre representantes do Mali, Chade, Mauritânia, Níger e Burkina Faso, para debater problemas de segurança e o seu papel num contexto regional mais vasto, que inclui a Líbia, o Golfo da Guiné e a República Centro-Africana. A esta cimeira na capital do Mali juntaram-se o Presidente francês e o primeiro-ministro português, por inerência da presidência portuguesa do Conselho da UE. Não tendo sido tomadas grandes decisões, destacou-se a afirmação de Emmanuel Macron de que a França não vai reduzir o contingente militar no Sahel. Também os países do Sahel continuam a insistir na resposta militar a um problema que vai muito além das questões da defesa.

É na zona das três fronteiras (entre Mali, Níger e Burkina Faso), chamada Liptako, quase quatro vezes o território de Portugal continental, que está o nó do problema militar do Sahel. É aqui que tem havido o maior número de ataques terroristas e de operações militares e a maior crise humana. Neste momento, há dois milhões de deslocados e quase novecentos mil refugiados em todo o Sahel, na maior parte pessoas que viviam no Liptako.

O aumento do número de vítimas resulta não só dos actos de terrorismo, mas também da resposta das forças armadas de França e dos países do Sahel.

António Costa sublinhou que o restabelecimento dos laços de confiança entre os cidadãos e o Estado constitui a chave para travar o avanço dos grupos armados. A falta da presença do Estado em territórios vastíssimos de países muito pobres, a somar à corrupção das autoridades civis e das forças militares é a complexa origem da instabilidade do Sahel. Nalgumas zonas destes países, a presença do Estado central é inexistente — ou são as autoridades tradicionais que impõem algum controlo local ou são grupos armados que exercem domínio sobre as populações. E o abuso de poder das forças militares sobre as populações que deviam proteger levam-nas a aderir aos grupos terroristas.

A par de melhor governação, é necessário substituir a influência dos chefes tradicionais, formados na Arábia Saudita, nos Emirados Árabes Unidos e em Abu Dhabi, onde foram convertidos ao Islão. Também o espaço educativo foi ocupado pelos grupos radicais, suprindo a inexistência de escolas oficiais. Não é possível falar em desenvolvimento na região do Sahel, sem primeiro quebrar este ciclo de violência e radicalismo. Para que tal aconteça, é necessária uma atitude conciliatória e não apenas a habitual resposta militar. A França, até agora em consonância com a UE, apenas tem prolongado a crise, respondendo sempre militarmente a questões extremamente complexas, exigentes do diálogo e diplomacia preconizados por António Costa. Que a presidência portuguesa do Conselho da UE contribua para dissipar os maus ventos que fustigam o Sahel.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

1.º aniversário da Biblioteca do Reguengo da Parada

Um ano depois de ter sido inaugurada, a Biblioteca do Reguengo da Parada continua a promover a leitura e o amor pelos livros e pela criatividade junto dos mais pequenos e dos mais graúdos.

Noite de fados no Bairro Senhora da Luz

Decorre no dia 23 de março, com início às 22h00, no Bairro Senhora da Luz, em Óbidos, uma noite de fados. O espetáculo terá lugar no salão do Sport Clube do Bairro.

Sporting das Caldas com boas classificações no Circuito Challenge  

A equipa de seniores de ténis de mesa do Sporting das Caldas continua a disputar o Circuito Challenge (3º escalão) nacional. No dia 3 de fevereiro deslocou-se a Mafra para o Torneio EDP, onde participaram João Mateus, Jorge Bandeirinha, Eduardo Francisco e André Bento.

mesa