Q

Previsão do tempo

19° C
  • Friday 19° C
  • Saturday 20° C
  • Sunday 24° C
19° C
  • Friday 19° C
  • Saturday 20° C
  • Sunday 24° C
19° C
  • Friday 19° C
  • Saturday 22° C
  • Sunday 25° C

Casal caldense dá a volta ao mundo

Joana Oliveira e Tiago Fidalgo

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Nihao, dizem sempre de forma apressada! Sim, na China: o país sobrelotado e cheio de luz. Quando lhe pusemos os pés em cima nem queríamos acreditar: estávamos em êxtase por ser esta a primeira grande etapa concluída da nossa viagem pelo mundo e à boleia. Era talvez aquilo que nos parecia mais distante e mais impossível, mais longínquo e inacreditável. Mas chegámos! E logo na fronteira nos sentimos, agora sim, do lado de lá do globo. Se até aqui as fronteiras não passavam de edifícios erguidos no meio do nada e apenas equipados de postos de controlo, à chegada à China a conversa foi outra. Em plena cidade, cheia de luzes coloridas, máquinas e maquinetas, eletrónicos, câmaras e sorrisos. E não sabemos se por sermos de Portugal, mas muito bem recebidos! E assim demos início à descoberta de uma nova e distinta cultura.
Fotografia tirada junto de uma mesquita chinesa, em Hami

Logo na primeira tarde pudemos perceber que boleias não é com eles: não sabem do que se trata e, quando param, a primeira coisa que tentam pedir-nos é o passaporte, para se certificarem de quem somos e de onde viemos. Tentam, porque a língua foi a maior barreira de sempre. Nunca nos havíamos sentido tão perdidos quanto aqui, nem mesmo no Irão. Inglês não é com eles e em chinês não há nada parecido com nada: nem tão pouco wc ou táxi se diz da mesma maneira. Quanto à minoria de jovens que sabe inglês, decoraram-no para a escola e têm francas dificuldades em comunicação. Ainda assim, logo nos primeiros dias, fomos ajudados por várias pessoas, de uma forma inexplicável: não só nos deram dinheiro até conseguirmos encontrar onde trocar o nosso (o que foi complicado e levou uma manhã inteira), como até nos levaram a casa de transportes públicos, pagando-os sempre a menina que nos ajudou, numa tarde em que não conseguíamos descortinar quais os autocarros urbanos a apanhar, nem onde. E, claro, tudo isto sempre com a super barreira linguística.

Para ajudar, também os gestos na China são diferentes! Por exemplo, fazer um L com o polegar e o dedo indicador, significa 8. E todos os números têm os seus gestos, o que até para comprar alguma coisa dificulta. Por agora já aprendemos todos, mas levamos o seu tempo a descortiná-los. Dizer adeus com a mão significa “não” e o gesto de dinheiro não existe como o conhecemos. Muitas outras se acrescentam: cada dia é uma descoberta!

Por aqui cospem para o chão constantemente, fazem-no com bastante som, sem pudor e com orgulho. Nos autocarros têm um balde com água para o puderem fazer na mesma. Embora ainda não tenhamos sentido grande impacto, sabemos que é muita a poluição, chegando o sol a ficar tapado. Não obstante, fumam em todo o lado, seja edifício público ou privado.

Pelas ruas há pessoas, mais pessoas e pessoas: circulam apressadamente por entre todas aquelas que se encontram a vender o que têm em pequenas barraquinhas. Carne de animais acabados de abater, peixes ainda vivos em alguidares ou tachos de óleo a ferver com petiscos a sair! Vêm-se também por todo o lado sofás e grandes cadeirões e é neles que se encontra gente a descansar.

E é também por toda a parte que circulam motas elétricas, seja passeio ou estrada. E em cada virar de esquina, há lojas e mais lojas, com luzes a piscar e letras chinesas a brilhar! Dentro, cheiro a Martim Moniz e um mundo de coisas desorganizadas, sobre as quais não percebemos nada – os carateres chineses são lindos, mas difíceis para nossa compreensão.

Temos tanto ainda por contar que não sabemos por onde ficar, mas não podemos deixar de partilhar que embora pouco abertos e até medrosos, é a generosidade de todos que fica em nós!

Joana Oliveira e Tiago Fidalgo

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Papagaios gigantes coloriram o céu na Foz do Arelho

O passado fim-de-semana foi de grande animação na Foz do Arelho, com diversos eventos a terem lugar, no âmbito do 2º Festival da Lagoa. No domingo, os papagaios tomaram conta do céu.

primeira

Urgência de Ginecologia/Obstetrícia e Bloco de Partos continuam fechados ao fim de semana

A Urgência de Ginecologia/Obstetrícia e Bloco de Partos no hospital das Caldas da Rainha, na Unidade Local de Saúde (ULS) do Oeste, vão continuar a não receber utentes entre as manhãs de sexta-feira e de segunda-feira e quem necessitar de assistência médica deverá dirigir-se ao Hospital de Santarém, pertencente à ULS da Lezíria.

urgencia

“Mural dos afetos” dá as boas-vindas a quem chega à cidade

A imagem de uma mãe abraçada à filha embeleza a fachada de um edifício na Rua General Amílcar Mota, na entrada sul da cidade. Trata-se de um mural de arte urbana, da autoria de Daniel Eime, que identifica Caldas da Rainha como uma cidade que há uma dezena de anos faz parte do Movimento Cidade dos Afetos.

afetos