Q

Previsão do tempo

17° C
  • Friday 26° C
  • Saturday 28° C
  • Sunday 28° C
18° C
  • Friday 28° C
  • Saturday 29° C
  • Sunday 29° C
19° C
  • Friday 32° C
  • Saturday 32° C
  • Sunday 32° C

Henrique Neto no “21 às 21” do MVC

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Decorreu no passado sábado, no auditório da União de Freguesias de Nossa Senhora do Pópulo, Coto e São Gregório, mais um “21 às 21”, evento mensal promovido pela Associação Movimento Viver o Concelho. O convidado deste mês foi Henrique Neto, industrial, empreendedor e inovador da indústria de moldes na Marinha Grande. Desde novo se interessou pela política. Hoje, continua a ser um cidadão atento e embora não esteja ligado à política ativa, é uma voz crítica, respeitada e abalizada em Portugal.
Teresa Serrenho, do MVC, e Henrique Neto

Num regresso ao passado, Henrique Neto, levou a audiência a refletir sobre os motivos que nos trouxeram ao momento de crise atual que vivemos. “Portugal vive há doze anos em estagnação e com crescimento praticamente nulo. No passado éramos um país essencialmente agrícola, um país das pescas, dos têxteis e do calçado, mas a adesão à União Europeia e a motivação que daí surgiu levou a uma euforia pela economia de serviços. Portugal entrou nessa “febre” e dizimou aquilo que era o seu motor, para dar as boas vindas aos serviços. Cometeram-se muitos erros, esquecendo todo o potencial do mar que nos banha”, manifestou.

“Depois veio a fase das privatizações, onde se apostou na privatização dos bens não transacionáveis, como a energia, as comunicações e a banca. Eram setores monopolistas e foi nesses fatores que se apostou, ao invés de se apostar nos bens transacionáveis”, referiu.

“Se Cavaco Silva baseou a sua política no betão, António Guterres afirmava que cada português poderia comprar a sua casa, surgindo assim a explosão do imobiliário. A construção afirmou-se e os baixos juros permitiram que os portugueses adquirissem a sua própria casa, muitas vezes construindo-se subúrbios em redor das cidades, contribuindo para a especulação imobiliária e consequentemente a corrupção autárquica. A construção era tanta que a mão de obra tinha de vir de África, até que o setor foi decrescendo cada vez mais”, sublinhou.

“Apostou-se nas redes rodoviárias. Temos inúmeras autoestradas sem carros, com custos diários para o erário público, esquecendo as redes ferroviárias. Hoje concluímos que os custos logísticos dos transportes rodoviários são muito superiores em relação aos transportes ferroviários. Portugal suprime a ferrovia”, declarou Henrique Neto.

“Quando chegámos à União Europeia seria importante termos atingido os níveis de vida dos europeus, mas nunca poderíamos ser iguais, fazendo hoje, aquilo que os europeus já fizeram há 30 anos. Fizemos o caminho a copiar os outros, sem ter a nossa própria estratégia e hoje, afinal, têm sido os têxteis, o calçado e a nossa indústria, as alavancas da economia, permitindo o aumento das exportações. Portugal nunca soube ter uma estratégia, preferindo ir a reboque dos outros. Os nossos governos não desenham estratégias a longo prazo. Ficamos pela governação mensal e a alternância sem alternativa tem conduzido a estratégias que se esgotam em cada governo”, declarou.

“Essencialmente todos estes fatores contribuíram para a crise atual. Foi o estado e os sucessivos governos que induziram os portugueses em erro, não havendo dúvidas que a crise atual foi provocada pelo sistema político”, frisou.

Henrique Neto apontou ainda soluções para o futuro. “Há uma mudança que tem de ocorrer. A cidadania tem um papel relevante”, frisou, perante sala cheia.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Alojamento na Serra do Bouro ganha prémio do Tripadvisor

A Flamboyant Boutique B&B, um alojamento de pequena escala na Serra do Bouro, nas Caldas da Rainha, ganhou o prémio Best of the Best 2024 do Tripadvisor, plataforma de avaliações que permite ao utilizador ficar a saber os melhores preços para tudo o que precisa na sua viagem, para além de informações e opiniões de conteúdos relacionados com o turismo.

Flamboyant1

Sofia está desaparecida

Ana Sofia Sousa Ribeiro, de 28 anos, foi supostamente passar uns dias em casa de uma amiga, em Lisboa, no passado dia 19, mas está desaparecida desde então, relata a família.

desaparecida

“Há Festa na Bordalo”

A Escola Secundária Rafael Bordalo Pinheiro, nas Caldas da Rainha, é palco da iniciativa “Há Festa na Bordalo”, no dia 4 de junho, para encerramento do ano letivo.