Q

Previsão do tempo

27° C
  • Tuesday 24° C
  • Wednesday 23° C
  • Thursday 24° C
27° C
  • Tuesday 25° C
  • Wednesday 24° C
  • Thursday 25° C
27° C
  • Tuesday 27° C
  • Wednesday 25° C
  • Thursday 27° C
EDITORIAL

Eleições democráticas ou ditaduras?

Clara Bernardino

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Quando pensamos em eleições, vem-nos logo a ideia de democracia. Mas quando pensamos em ditaduras, para além da nossa, que durou 40 anos, pensamos logo nos países da América do Sul. Há quem lhe chame terceiro mundo, devido às consequências que as longas ditaduras têm no desenvolvimento e no progresso dos países.

Pensamos em Fidel Castro, e, mais recentemente em Hugo Chavez, devido às eleições na Venezuela. Como pode um povo oprimido ter a oportunidade de votar e continuar a dar um voto de confiança ao seu opressor? Deve ser uma espécie de “Síndrome de Estocolmo”, que é como chamam os entendidos no assunto à simpatia que uma pessoa sequestrada desenvolve pelo seu sequestrador. Uma espécie de laço invisível e para quem não sofre dele, quase incompreensível.

A questão é que os mundos não se contam por ordem: não há primeiro mundo, segundo mundo. Só há a designação “terceiro mundo”, como uma espécie de estigma com muitos ditadores à mistura e povos ignorantes que se deixam enganar e comprar por falsas promessas.

Não sei se foi do degelo, do problema da camada do ozono ou se foi mesmo por causa do movimento de rotação da terra que os tais hábitos do terceiro mundo, que ninguém parece entender, estão a chegar à Europa, o velho Continente e, mais propriamente a Portugal, um país com muitos séculos de História e tradição.

Um pouco por toda a parte, agitam-se os partidos, ralham as secções locais, as distritais e até as nacionais. Ninguém quer perder um votinho que seja. Por isso, os políticos vão, nesta altura, às compras! Quanto vale o silêncio dos adversários? Não tem trabalho, para ele, para a mulher, para a filha, para a tia, a prima, o cão, o gato, o periquito? Como se pode calar a fome da ganância? É fácil: tudo se compra e tudo se vende. Afinal, parece que a chave do sucesso, por ironia, está em dar dinheiro a quem mais ralha, quase sempre só para ter um “tacho”. Sim, porque isso também deve ser um outro síndrome para o qual ainda não inventaram nome.

É por isso, que todos têm os presidentes que merecem…

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Arte musical do Ocidente – O classicismo

O século XVIII foi extremamente inovador em termos musicais. Em meados dessa centúria, Franz Joseph Haydn (1732-1809) ao utilizar figuras mais moderadas de expressão; Carl Philipp Emanuel Bach (1714-1788) ao purificar a harmonia no estilo de composição; Christoph Willibald von Gluck (1714-1787) ao imputar a primazia da música instrumental sobre os improvisos vocais da ópera napolitana; Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791) ao redefinir a sinfonia e modificar a música de câmara; Ludwig van Beethoven (1770-1827) ao ampliar a linguagem e o conteúdo musical (impulsionando o início da autonomia da forma, dando mais expressão às emoções e mais realce à consonância harmónica), entre outros, ditaram a transmutação do barroco para o classicismo.