Q

Previsão do tempo

18° C
  • Sunday 21° C
  • Monday 22° C
  • Tuesday 20° C
18° C
  • Sunday 22° C
  • Monday 22° C
  • Tuesday 21° C
19° C
  • Sunday 24° C
  • Monday 24° C
  • Tuesday 22° C

Caldense com tese de doutoramento sobre a ação dos morcegos na produção de chocolate

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Um caldense de 31 anos terminou o seu doutoramento sobre a ação dos morcegos na produção de chocolate. Diogo Ferreira, da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (FCUP) e do Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos (BIOPOLIS/CIBIO-InBIO), estudou o papel dos morcegos no controlo das pragas de insetos nas plantações de cacau em África.
O caldense estudou os morcegos, voltando a libertá-los após a sua identificação

Um caldense de 31 anos terminou o seu doutoramento sobre a ação dos morcegos na produção de chocolate. Diogo Ferreira, da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (FCUP) e do Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos (BIOPOLIS/CIBIO-InBIO), estudou o papel dos morcegos no controlo das pragas de insetos nas plantações de cacau em África.

Diogo Ferreira dedicou a sua tese de doutoramento aos morcegos, sobretudo aos insetívoros, pelo seu papel no controlo das pragas nas plantações de cacau.

“Quando comemos chocolate, não é propriamente em morcegos que pensamos. Mas, na verdade, é também graças a eles que o temos”, sustenta. No âmbito do doutoramento em Biodiversidade, Genética e Evolução, da FCUP, Diogo Ferreira estudou o papel dos morcegos no controlo das pragas de insetos nas plantações de cacau em África.

Segundo descreve o noticias.up.pt, portal noticioso da Universidade do Porto, apaixonou-se, há dez anos, por morcegos e, quando surgiu uma oportunidade de liderar uma equipa de investigação para um trabalho de campo nos Camarões, com estes animais, não hesitou. Em 2018, candidatou-se a uma bolsa de doutoramento na Fundação para a Ciência e Tecnologia e começou uma aventura que terminou em fevereiro deste ano com a defesa da sua tese na FCUP.

“Apesar de todos ouvirmos falar de cacau e amarmos chocolate, a verdade é que sabemos muito pouco sobre o assunto. Por exemplo, poucas pessoas sabem que grande parte do cacau que consumimos, quase 70% vem de África”, conta o investigador, que desenvolveu o seu trabalho em colaboração com o BIOPOLIS/CIBIO-InBIO.

“As pragas do cacau podem custar à volta de 700 milhões de euros anualmente aos agricultores e, tendo em conta que os morcegos podem consumir até dois terços do seu peso em insetos por noite, o papel que têm nas plantações de cacau pode ser enorme”, salienta.

E foi exatamente o que concluiu. Em dez meses de viagens aos Camarões, estudou as populações de morcegos insetívoros em 38 plantações de cacau. Realizou também, durante um ano, uma experiência de exclusão. O objetivo foi, através de uma rede de pesca à volta de algumas árvores de cacau, bloquear o acesso dos morcegos às árvores. “A ideia era tentar perceber se, quando os morcegos não conseguiam consumir os insetos presentes nestas árvores excluídas, haveria uma quebra na produção dos frutos do cacau devido ao aumento de pragas”, relata

Num estudo publicado em abril de 2023, apresentou os resultados. “Descobrimos que os morcegos estavam realmente a contribuir para o aumento do número de frutos de cacau, à volta de 450 euros por hectare, e por ano, mas isso só acontecia quando havia plantações com muitas árvores de grande porte a fazer sombra”, conta.

Para além disso, estudou também o número e a diversidade de espécies de morcegos insetívoros, frugívoros e nectarívoros, montando redes para captura e voltando a libertá-los após a sua identificação. Os resultados sugeriram uma maior diversidade de morcegos insetívoros em plantações com mais sombra e com árvores de sombra de grande porte, e floresta à sua volta. “Como plantações com mais sombra são mais semelhantes às florestas nativas, vão ter mais insetívoros e portanto maior potencial para suprimir pragas”, destaca.

Decidiu, assim, adicionar à sua tese sugestões para a gestão das plantações de cacau para serem “bat-friendly”. “Propus medidas de gestão para tentar maximizar a diversidade de morcegos e os serviços de supressão de pragas que eles efetuam nas plantações”. E é por aqui que devem seguir os próximos passos de Diogo Ferreira após a conclusão da sua tese. Quer testar, por exemplo, alternativas a árvores de grande porte para fazer sombra, como “a construção de abrigos artificiais onde os morcegos possam dormir durante o dia”.

Tendo convivido com os agricultores e com a realidade de quem vive das plantações de cacau, conheceu de perto a importância dos morcegos e também o impacto das escolhas do consumidor. Regressou a Portugal com um sonho: “Estabelecer um certificado bat-friendly para conseguir preços melhores para o cacau vendido por estes agricultores e assim reconhecer todo o sacrifício que eles têm que fazer para manter estas plantações sustentáveis”.

Segundo o investigador, “os agricultores de cacau recebem uma pequena fração do preço dos chocolates: apenas entre 3% e 6% do valor final”. Defende, por isso, que tenham acesso a preços premium que considerem uma margem maior de lucro, uma realidade que só é possível através da certificação do cacau, refere o portal noticioso noticias.up.pt.

O caldense participou na competição final do Three Minute Thesis (teses em três minutos) na Universidade do Porto e ganhou um prémio de dois mil euros.

“Começou com um “E se te dissesse que os morcegos podem ajudar a curar o teu coração partido? E ao fim de 3 minutos acabou nisto. Na realidade, os morcegos não curam corações partidos, mas o chocolate que nós comemos para curar as nossas mágoas fica mais barato graças a eles. Estou super feliz pela oportunidade de aprender a tornar a ciência que faço mais acessível”, manifesta Diogo Ferreira, que nas Caldas da Rainha estou na Escola Secundária Raul Proença.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Canoísta de Peniche com medalha de ouro nos Europeus

O canoísta Kevin Santos, de 28 anos, natural de Atouguia da Baleia, Peniche, com Iago Bebiano, de 23 anos, seu colega de equipa no Kayak Clube Castores do Arade, do concelho de Lagoa, no Algarve, conquistou na passada sexta-feira a medalha de ouro na final de K2 200 metros dos Europeus de Canoagem, na Hungria.

canoagem

Cristiano Ronaldo investe na marca Bordallo Pinheiro

Foi anunciado na passada sexta-feira que Cristiano Ronaldo, através da CR7, SA, e em alinhamento estratégico com o Grupo Visabeira, acordou a criação conjunta, em partes iguais, de uma nova empresa no Médio Oriente e Ásia, cujo objetivo é fazer crescer as marcas Bordallo Pinheiro e Vista Alegre naquelas áreas geográficas.

cristiano0