Q

Previsão do tempo

18° C
  • Sunday 21° C
  • Monday 22° C
  • Tuesday 20° C
18° C
  • Sunday 22° C
  • Monday 22° C
  • Tuesday 21° C
19° C
  • Sunday 24° C
  • Monday 24° C
  • Tuesday 22° C

­A juventude Z vai formosa e não segura

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Bela e airosa, mas cheia de dúvidas e receios — referindo-nos àquela juventude mais privilegiada, nascida entre 1990 e 2000 (chamada geração Z, sucedeu à geração Y ou millenial, que sucedeu à geração X, que sucedeu à dos chamados baby  boomers…), filha da burguesia delirante, não à outra, a menos ou nada privilegiada, que abandona o secundário e se faz à vida logo que a CPCJ deixa de andar em cima. Mas hoje a ansiedade e a insegurança dessa juventude Z, que negoceia e finta as projecções dos pais-helicóptero, são do tamanho do mundo ao alcance de um voo low cost. Ter perdido a espontaneidade de brincar na rua e ser levada de carro pelos progenitores, da creche à faculdade, também não ajuda à autonomia e à autoconfiança.

Bela e airosa, mas cheia de dúvidas e receios — referindo-nos àquela juventude mais privilegiada, nascida entre 1990 e 2000 (chamada geração Z, sucedeu à geração Y ou millenial, que sucedeu à geração X, que sucedeu à dos chamados baby  boomers…), filha da burguesia delirante, não à outra, a menos ou nada privilegiada, que abandona o secundário e se faz à vida logo que a CPCJ deixa de andar em cima. Mas hoje a ansiedade e a insegurança dessa juventude Z, que negoceia e finta as projecções dos pais-helicóptero, são do tamanho do mundo ao alcance de um voo low cost. Ter perdido a espontaneidade de brincar na rua e ser levada de carro pelos progenitores, da creche à faculdade, também não ajuda à autonomia e à autoconfiança.

Frívolos umbiguistas, nem lhes ocorre retribuir o investimento que o Estado faz. — Cá, paga-se mal? Temos pena, vou já tipo à internet ver para onde posso emigrar. Mesmo aceitando o que não me passaria pela cabeça fazer em Portugal. Servir num bar da Piccadilly Circus ou estar de plantão no Hotel Savoy sempre é outra coisa. Ganha-se muito mais, nem se compara. É claro que só chega para uma espécie de quarto tipo minúsculo com casa-de-banho partilhada, lá para os lados de Barking and Dagenham, mas sempre é em Londres. Diz-se para aí que sou da geração mais qualificada de sempre, mas acho que confundem saber e competência com certificação. Sempre fizemos tudo para que as aulas fossem tipo uma ribaldaria. Quando a bagunça dava para torto, lá iam os nossos cotas à escola, e agora também à faculdade, pôr tipo os profes na linha. Fomos passando de ano tipo vencendo os profes pelo cansaço, toda a gente sabe disso. E suspirámos de alívio quando o bacharelato foi tipo promovido a licenciatura. E agora, por mais uns semestres, até se consegue o certificado de mestre ou doutor em qualquer coisa, continuando a passar o tempo a coçar o telemóvel. E enquanto não aparece nada melhor, ganhar boas libras esterlinas a aviar copos num sítio fixe, tipo bué longe dos cotas, ‘tá-se bem… Imigrantes? Claro que voto contra! Ouvi dizer que são tipo bué perigosos.

Esta geração Z que se faz à fotografia em entrevistas nas universidades, para “artigos de fundo” sociológicos, diz não ter grande apego ao país e, julgando que o mundo é o que o algorítmo lhes mostra, acha-se cidadã do mundo; declara que tem acesso privilegiado à informação, mas não lê jornais nem livros, porque tudo tem de ser imediato e bom; quando quer saber, “pesquisa”, não lê; define o que é bom e mau sem aprofundar; é-lhe impensável a adversidade, porque, lá está, exige aprofundar, logo, é mau; não se imagina daqui a dez anos, porque não sabe o que acontecerá daqui a dois; maioritariamente de filhos únicos, acha que é a geração mais ansiosa e menos autónoma de todas; em inquéritos de orientação vocacional, diz não querer a vida de trabalho, abnegação e privações dos pais, que não vale a pena trabalhar tanto; quer tempo para outras coisas, horário flexível e emprego estimulante.

Será o sonho suficiente para lhes comandar o confronto com a vida? É que o confronto exige aprofundar, logo…

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Oeste e agora?

Estamos em 2024 e temos um novo governo. Um novo partido guia as opções futuras do país. Naturalmente, serão de esperar mudanças em várias áreas sensíveis, nomeadamente na saúde. Neste contexto cremos que uma decisão deve ser revista por quem agora dirige, no que à...