Q

Previsão do tempo

18° C
  • Sunday 21° C
  • Monday 22° C
  • Tuesday 20° C
18° C
  • Sunday 22° C
  • Monday 22° C
  • Tuesday 21° C
19° C
  • Sunday 24° C
  • Monday 24° C
  • Tuesday 22° C
Escaparate

Bons ventos trazem belos livros

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Escaparate “As minhas memórias”, do obidense Maximino Alves Martins, está com a sua segunda edição praticamente esgotada. O que é muito merecido, pois quem conhece o autor sabe que o seu cunho de memorialista é excelente e o seu saber, no que concerne às coisas da sua terra e das suas gentes, é imenso. Esse […]

Escaparate

“As minhas memórias”, do obidense Maximino Alves Martins, está com a sua segunda edição praticamente esgotada. O que é muito merecido, pois quem conhece o autor sabe que o seu cunho de memorialista é excelente e o seu saber, no que concerne às coisas da sua terra e das suas gentes, é imenso.

Esse género literário, onde o narrador explana acerca de factos da sua vida, possui um tratamento verídico, o que lhe dá um carácter bem próximo ao coração.

A história da literatura está repleta de apontamentos memorialistas, basta, por exemplo, consultarmos a epistolografia de alguns nomes sonantes da cultura e da ciência para o comprovarmos. Vejamos o caso da permuta de correspondência entre Charles Darwin (1809-1882) e o escritor e naturalista argentino William Henry Hudson (1841-1922), acerca dos hábitos do Molothrus bonariensis (estorninho, também conhecido como chupim, chopim, maria-preta, godero e melro). Ali, a abordagem é carregada de reminiscências, entrecortadas com a troca de informes sobre um estatuído experimento e sobre os efeitos alcançados na descoberta dos costumes da espécie assinalada. Neste caso, o género memória presta-se a abrir espaços para opiniões, sempre em função do assunto tratado, construindo pontes de diálogo e interpretações variadas. Em se tratando de dois cientistas do porte dos citados acima, o que se percebe é que, ao agirem de modo informal na comunicação epistolográfica, estão a guardar a exigência do rigor para o relatório final ou para a sublimidade do respeito ao método a ser publicado cientificamente, tornando aqueles documentos num manancial de informação, tanto pessoal quanto acerca do quotidiano de cada um.

Maximino Alves Martins similarmente caminha por alguns desses planos, entregando-nos apontamentos de uma riqueza extraordinária sobre a sua árvore genealógica, os seus professores, as regiões onde nasceu e viveu, os amigos, as brincadeiras de criança, as coisas sérias de adulto, a Lagoa de Óbidos, os passeios, etc. Além disso, todo o livro traz uma panóplia de nomes que me são muito caros, naturais do concelho de Óbidos, amigos de meus familiares mais chegados. É um livro que aproxima as gentes, que cria laços, que sai do seu espaço físico e avança pela alma humana. Uma anamnese que relaciona memórias, ajudando, inclusive, a definir a identidade nacional, pois, esta, é feita dos fragmentos que cada ser humano semeia ao seu redor. Maximino Alves Martins entrega-nos emoções visíveis, eternidades que adormeciam em si e que caritativamente ofereceu à sua comunidade, ao seu país.

Se o avançar dos anos nos leva a vida, somente contrariamos o fim que nos é destinado se o desafiarmos, para isso devemos, por exemplo, trazer a lume as nossas recordações, entregando-as à humanidade através da arte, em qualquer uma das suas ramificações. Logo, o nosso envelhecimento jamais atingirá a nossa obra, se esta for solidamente edificada. A nossa mente possui gavetas que, se abertas nos tempos certos, podem trazer imortalidade, para as pessoas e as coisas das quais nos recordamos. As lembranças afetivas de cada um de nós não obedecem a cronónimos.

Na história trabalhamos com documentos que podem ser classificados nas mais distintas espécies, sempre em concordância com as suas características. Assim, preocupamo-nos com o género, a família, a forma, o formato e a natureza do assunto, enquanto um memorialista somente deve ter em atenção o cantar do seu coração. Se este estiver carregado de sinceridade acabará por legar-nos um livro emotivo. Como é o caso do aqui comentado.

Parafraseando Johann Wolfgang von Goethe (1749-1832): “O que passou… passou. Mas o que passou luzindo resplandecerá para sempre”. A luz de “As minhas memórias” permanecerá acesa na terra até ao ocaso dos tempos. Longa vida ao seu autor, para que possa, por muitos anos, colher as alegrias que lhe são merecidas.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

­A juventude Z vai formosa e não segura

Bela e airosa, mas cheia de dúvidas e receios — referindo-nos àquela juventude mais privilegiada, nascida entre 1990 e 2000 (chamada geração Z, sucedeu à geração Y ou millenial, que sucedeu à geração X, que sucedeu à dos chamados baby  boomers…), filha da burguesia delirante, não à outra, a menos ou nada privilegiada, que abandona o secundário e se faz à vida logo que a CPCJ deixa de andar em cima. Mas hoje a ansiedade e a insegurança dessa juventude Z, que negoceia e finta as projecções dos pais-helicóptero, são do tamanho do mundo ao alcance de um voo low cost. Ter perdido a espontaneidade de brincar na rua e ser levada de carro pelos progenitores, da creche à faculdade, também não ajuda à autonomia e à autoconfiança.

francisco martins da silva

Oeste e agora?

Estamos em 2024 e temos um novo governo. Um novo partido guia as opções futuras do país. Naturalmente, serão de esperar mudanças em várias áreas sensíveis, nomeadamente na saúde. Neste contexto cremos que uma decisão deve ser revista por quem agora dirige, no que à...