Q

Previsão do tempo

15° C
  • Thursday 20° C
  • Friday 21° C
  • Saturday 19° C
15° C
  • Thursday 21° C
  • Friday 22° C
  • Saturday 19° C
16° C
  • Thursday 22° C
  • Friday 24° C
  • Saturday 20° C

Bloco de Esquerda quer contribuir para o movimento LGBTQI+ em Portugal

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
O Bloco de Esquerda promoveu no passado sábado nas Caldas da Rainha uma sessão aberta "Rumo ao I Fórum LGBTQI+", onde a ativista e militante do partido, Fabíola Cardoso, sublinhou que o papel do BE “foi essencial para todo o movimento LGBTQI+ (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transexuais, Queer, Intersexuais e outras sexualidades e identidades de género), não controlando, mas sim participando nele”.
A sessão juntou diversos apoiantes da causa no espaço Spacy

O Bloco de Esquerda promoveu no passado sábado nas Caldas da Rainha uma sessão aberta “Rumo ao I Fórum LGBTQI+”, onde a ativista e militante do partido, Fabíola Cardoso, sublinhou que o papel do BE “foi essencial para todo o movimento LGBTQI+ (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transexuais, Queer, Intersexuais e outras sexualidades e identidades de género), não controlando, mas sim participando nele”.

Na sessão, que decorreu no espaço Spacy, a antiga deputada Bloco de Esquerda na Assembleia da República começou por explicar que “o movimento LGBTQI+ não é uma estrada com um destino à vista, antes pelo contrário”. “As questões trans colocam novos desafios ao movimento, assim como as relacionadas com a educação sexual, o acesso à saúde e a precariedade no trabalho das comunidades LGBTQI+”, apontou a ativista, adiantando que “queremos ter coragem de discutir estes assuntos entre as novas ideias, e o BE quer contribuir para o movimento LGBTQI+ em Portugal”.

Além de ativista, Fabíola Cardoso também é cofundadora da única associação portuguesa vocacionada para a defesa dos direitos das lésbicas, o Clube Safo, em 1996, com intuito de “combater a invisibilidade e o silenciamento”, e ainda contribuir para “a possibilidade de criar uma identidade positiva”. “Quando eu nasci em Portugal ser homossexual era crime”, recordou a professora, adiantando que “algumas marcas desse ostracismo social continuam ainda ativas hoje em dia”.

Também lembrou que “durante muitos anos neste país houve uma esquerda que achava que o único problema era a luta de classes, tentando silenciar todas as outras formas de opressão”. “Uma esquerda, que tinha uma voz baixa e pequena sobre as desigualdades de género, que na sua própria estrutura não praticava o feminismo ativo”, disse a militante do BE, apontando para “uma esquerda, que não tinha uma palavra a dizer sobre o racismo estruturante que existia e continua a existir neste país, bem como um movimento que expulsava pessoas dos seus órgãos por serem gays”. Contudo, “o Bloco não foi essa esquerda, castrada que nega a diversidade da própria sexualidade humana”, afirmou.

Para Fabíola Cardoso, “o BE é essa esquerda que aceita que a nossa luta não é só uma luta de classes e enquanto não tivermos coragem para enfrentar isto e fazer esta luta, estamos a pactuar com essas opressões”.

Na opinião da ativista, “o Bloco foi essencial a todo o movimento LGBTQI+, não controlando, mas sim participando no movimento”, sobretudo no que diz respeito à revisão constitucional e à possibilidade de adoção. “A presença do partido no parlamento foi essencial para construirmos toda uma arquitetura legislativa, colocando Portugal como um dos países mais à frente, em termos de direitos”, indicou Fabíola Cardoso, destacando o papel das marchas LGBTI+ pelo país, que se “têm tornado mais ativas à medida que o movimento cresce”.

A antiga deputada do BE destacou que “as marchas são essenciais para aquilo que é o verdadeiro objetivo deste movimento, que é a mudança social”, e é também “uma bandeira contra o conservadorismo e extrema-direita, bem como pela liberdade e democracia do nosso país”. “Não é uma bandeira, que diz respeito só à comunidade LGBTI+ mas sim de todos aqueles que procuram uma liberdade plena na sua maneira de viver”, referiu Fabíola Cardoso, acrescentando que “o queremos verdadeiramente é uma mudança política da forma de organização da sociedade, sendo mais justa e plena, inclusive para aquelas pessoas que fazem parte do movimento”.

Para a ativista, “não basta mudar as leis. É preciso mudar de facto a sociedade, e nós somos essa esquerda, que não vê a causa como um adereço”.

Acompanhada de outros militantes do partido, Fabíola Cardoso destacou também a importância do Fórum LGBTQI+, que o Bloco de Esquerda e o grupo da Esquerda no Parlamento Europeu estão a organizar no Porto a 11 e 12 de fevereiro, sendo “um dos eventos mais importantes para o partido e para o movimento LGBTQI+ em Portugal, pois é uma oportunidade de todos continuarmos a construir este movimento”.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Grávidas sem médicos na Urgência

Por falta de médicos, a Urgência de Ginecologia/Obstetrícia e Bloco de Partos do Hospital das Caldas da Rainha não estarão a funcionar entre as 09h00 de 13 de junho e as 09h00 de 14 de junho.

gravidas

Habitação e regularização da legalização são os maiores problemas da imigração nas Caldas

A imigração foi um dos temas em destaque na I edição dos Encontros para a Inclusão, que decorreu nos dias 4 e 5 de junho no pequeno auditório do Centro Cultural e de Congressos das Caldas da Rainha, numa iniciativa promovida pelo Município das Caldas da Rainha.
A iniciativa reuniu especialistas e profissionais que discutiram temas como a infância, juventude, envelhecimento, família e comunidade, pessoas em situação de vulnerabilidade social, os desafios da imigração, pobreza e a saúde mental.

inclusao 1