Q

Previsão do tempo

10° C
  • Monday 11° C
  • Tuesday 12° C
  • Wednesday 11° C
10° C
  • Monday 12° C
  • Tuesday 12° C
  • Wednesday 11° C
11° C
  • Monday 12° C
  • Tuesday 12° C
  • Wednesday 11° C

Bloco de Esquerda quer contribuir para o movimento LGBTQI+ em Portugal

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
O Bloco de Esquerda promoveu no passado sábado nas Caldas da Rainha uma sessão aberta "Rumo ao I Fórum LGBTQI+", onde a ativista e militante do partido, Fabíola Cardoso, sublinhou que o papel do BE “foi essencial para todo o movimento LGBTQI+ (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transexuais, Queer, Intersexuais e outras sexualidades e identidades de género), não controlando, mas sim participando nele”.
A sessão juntou diversos apoiantes da causa no espaço Spacy

O Bloco de Esquerda promoveu no passado sábado nas Caldas da Rainha uma sessão aberta “Rumo ao I Fórum LGBTQI+”, onde a ativista e militante do partido, Fabíola Cardoso, sublinhou que o papel do BE “foi essencial para todo o movimento LGBTQI+ (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transexuais, Queer, Intersexuais e outras sexualidades e identidades de género), não controlando, mas sim participando nele”.

Na sessão, que decorreu no espaço Spacy, a antiga deputada Bloco de Esquerda na Assembleia da República começou por explicar que “o movimento LGBTQI+ não é uma estrada com um destino à vista, antes pelo contrário”. “As questões trans colocam novos desafios ao movimento, assim como as relacionadas com a educação sexual, o acesso à saúde e a precariedade no trabalho das comunidades LGBTQI+”, apontou a ativista, adiantando que “queremos ter coragem de discutir estes assuntos entre as novas ideias, e o BE quer contribuir para o movimento LGBTQI+ em Portugal”.

Além de ativista, Fabíola Cardoso também é cofundadora da única associação portuguesa vocacionada para a defesa dos direitos das lésbicas, o Clube Safo, em 1996, com intuito de “combater a invisibilidade e o silenciamento”, e ainda contribuir para “a possibilidade de criar uma identidade positiva”. “Quando eu nasci em Portugal ser homossexual era crime”, recordou a professora, adiantando que “algumas marcas desse ostracismo social continuam ainda ativas hoje em dia”.

Também lembrou que “durante muitos anos neste país houve uma esquerda que achava que o único problema era a luta de classes, tentando silenciar todas as outras formas de opressão”. “Uma esquerda, que tinha uma voz baixa e pequena sobre as desigualdades de género, que na sua própria estrutura não praticava o feminismo ativo”, disse a militante do BE, apontando para “uma esquerda, que não tinha uma palavra a dizer sobre o racismo estruturante que existia e continua a existir neste país, bem como um movimento que expulsava pessoas dos seus órgãos por serem gays”. Contudo, “o Bloco não foi essa esquerda, castrada que nega a diversidade da própria sexualidade humana”, afirmou.

Para Fabíola Cardoso, “o BE é essa esquerda que aceita que a nossa luta não é só uma luta de classes e enquanto não tivermos coragem para enfrentar isto e fazer esta luta, estamos a pactuar com essas opressões”.

Na opinião da ativista, “o Bloco foi essencial a todo o movimento LGBTQI+, não controlando, mas sim participando no movimento”, sobretudo no que diz respeito à revisão constitucional e à possibilidade de adoção. “A presença do partido no parlamento foi essencial para construirmos toda uma arquitetura legislativa, colocando Portugal como um dos países mais à frente, em termos de direitos”, indicou Fabíola Cardoso, destacando o papel das marchas LGBTI+ pelo país, que se “têm tornado mais ativas à medida que o movimento cresce”.

A antiga deputada do BE destacou que “as marchas são essenciais para aquilo que é o verdadeiro objetivo deste movimento, que é a mudança social”, e é também “uma bandeira contra o conservadorismo e extrema-direita, bem como pela liberdade e democracia do nosso país”. “Não é uma bandeira, que diz respeito só à comunidade LGBTI+ mas sim de todos aqueles que procuram uma liberdade plena na sua maneira de viver”, referiu Fabíola Cardoso, acrescentando que “o queremos verdadeiramente é uma mudança política da forma de organização da sociedade, sendo mais justa e plena, inclusive para aquelas pessoas que fazem parte do movimento”.

Para a ativista, “não basta mudar as leis. É preciso mudar de facto a sociedade, e nós somos essa esquerda, que não vê a causa como um adereço”.

Acompanhada de outros militantes do partido, Fabíola Cardoso destacou também a importância do Fórum LGBTQI+, que o Bloco de Esquerda e o grupo da Esquerda no Parlamento Europeu estão a organizar no Porto a 11 e 12 de fevereiro, sendo “um dos eventos mais importantes para o partido e para o movimento LGBTQI+ em Portugal, pois é uma oportunidade de todos continuarmos a construir este movimento”.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

PSP combate criminalidade em bares e ruas no centro das Caldas

Uma operação desenvolvida pela PSP das Caldas da Rainha na noite da passada sexta-feira e madrugada de sábado, tendo como alvo bares no centro da cidade e ruas nas proximidades, com o objetivo de “prevenir a criminalidade violenta e grave ou organizada e aumentar o sentimento de segurança na população”, originou a detenção de quatro homens, com idades entre 21 e 28 anos, pelos crimes de tráfico de droga, posse de arma proibida e condução em estado de embriaguez.

psp1

Lions formaliza entrega de verba de espetáculo solidário

O Lions Clube das Caldas da Rainha fez no passado dia 30 uma entrega formal ao Conselho de Administração do Centro Hospitalar do Oeste (CHO) da verba apurada no concerto solidário com o maestro e pianista António Victorino d’Almeida e trio de Pedro Caldeira Cabral....

lions

Desfile equestre apresentou reis do carnaval das Caldas

Luís Ventura, de 47 anos, e Mariana Mortágua, de 22 anos, foram escolhidos para serem os reis do carnaval das Caldas da Rainha, encarnando as personagens Zé Povinho e Maria da Paciência, respetivamente, criações de Rafael Bordalo Pinheiro como caricaturas do povo português.

reis00