Q

Previsão do tempo

9° C
  • Monday 12° C
  • Tuesday 12° C
  • Wednesday 11° C
9° C
  • Monday 13° C
  • Tuesday 12° C
  • Wednesday 11° C
9° C
  • Monday 13° C
  • Tuesday 12° C
  • Wednesday 11° C

Aumento da prestação do crédito à habitação devido ao agravamento do spread

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
A DECO – Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor tem vindo, ao longo das últimas semanas, a receber pedidos de informação de consumidores que têm visto a sua prestação do crédito à habitação aumentar mais do que expectável, não só como consequência da subida das taxas Euribor, mas também pelo agravamento do spread no seu crédito à habitação.

A DECO – Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor tem vindo, ao longo das últimas semanas, a receber pedidos de informação de consumidores que têm visto a sua prestação do crédito à habitação aumentar mais do que expectável, não só como consequência da subida das taxas Euribor, mas também pelo agravamento do spread no seu crédito à habitação.

O spread corresponde a uma parcela da taxa de juro, definida pelo banco quando concede ao cliente um crédito. Numa definição simples, o spread não é mais do que o lucro do banco quando ‘empresta dinheiro’.

A DECO aconselha o consumidor a analisar cuidadosamente as condições contratualizadas no seu crédito, verificando se todos os serviços/ produtos contratados com o banco estão ativos de modo a beneficiar do spread contratado, isto é, de uma redução do spread base.

Caso o consumidor verifique que essas condições contratualizadas se mantêm, deverá reclamar, por escrito, junto da instituição bancária, solicitando o esclarecimento da situação, poderá, ainda, apresentar reclamação junto do Banco de Portugal.

Existem regras para as vendas associadas

A lei prevê que a instituição de crédito possa propor ao consumidor a aquisição facultativa de alguns produtos ou serviços financeiros como contrapartida para reduzir os custos do contrato de crédito, o spread. Havendo aquisição facultativa de outros produtos ou serviços financeiros em conjunto com o crédito, a ficha de informação normalizada europeia (FINE) entregue ao consumidor deve identificar os produtos e serviços associados ao crédito, explicitar os efeitos financeiros produzidos sobre o empréstimo em resultado da aquisição desses produtos ou serviços, e descrever o impacto de alterações posteriores aos produtos e serviços associados ao crédito, designadamente no que se refere ao valor da prestação, ao impacto no spread e à atualização da taxa de juro aplicável.

No entanto, se o consumidor deixar de subscrever ou de manter um ou vários dos produtos ou serviços financeiros que adquiriu para beneficiar, por exemplo, de uma redução do spread, a instituição pode aumentar o spread do crédito, nos termos previstos no contrato de crédito. Mas a lei prevê que este aumento só pode ocorrer no prazo de um ano após a data em que o consumidor decida não contratar esses produtos ou serviços. Após um ano, a instituição de crédito não pode aumentar o spread com esse fundamento.

Para ajudar nesta, ou outras questões relacionadas com o crédito habitação e as finanças pessoais, conte com o Gabinete de Proteção Financeira da DECO.

A DECO Ribatejo e Oeste mantém-se disponível diariamente para esclarecer as dúvidas dos consumidores, de forma a mantê-los informados e mais protegidos. Pode entrar em contacto pelo endereço eletrónico deco.ribatejoeoste@deco.pt ou pelo telefone 243329950.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Afonso Lopes Vieira

O autor em epígrafe deixou uma indelével marca na história da literatura em língua portuguesa. Nascido em Leiria, a 26 de janeiro de 1878, dono de um virtuosismo encantador e de singular afetividade, foi um profícuo homem de letras e um precursor do cinema e da fotografia. A sua veia literária, além da poesia, das conferências e dos textos para a tenra infância, estendeu-se, também, para as adaptações e as traduções.

Bom senso? Sim, exigimos bom senso

Assim que a revolta dos professores atingiu o limite e explodiu com a proposta inacreditável do governo estender o compadrio e a cunha ao processo de contratação, primeiro-ministro e ministro da Educação deram publicamente o dito pelo não dito. António Costa chegou...

martins

Nova luta dos professores

Não me recordo de nenhum Governo que alguma vez tenha, realmente, sido justo com os professores. Os ordenados líquidos são muito abaixo do merecido, a estabilidade no emprego é duvidosa, a progressão na carreira não é decente e honesta, o exagero na carga tributária, a precariedade, a falta de incentivos, o excesso de carga horária, etc. Além disso, há um número absurdamente grande de docentes por colocar (e dezenas de alunos sem aulas desde o início do ano letivo).