Q

Previsão do tempo

24° C
  • Sunday 25° C
  • Monday 19° C
  • Tuesday 18° C
24° C
  • Sunday 25° C
  • Monday 20° C
  • Tuesday 19° C
24° C
  • Sunday 26° C
  • Monday 21° C
  • Tuesday 20° C

Livro sobre barcos e artes de pesca nas costas da Nazaré e de S. Martinho

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
A apresentação do livro “Barcos e artes de pesca nas costas da Nazaré e de S. Martinho, entre o século XVIII e 1930” vai ter lugar no dia 14 de janeiro, pelas 15h30, no Auditório Municipal José Soares, na Nazaré.

A apresentação do livro “Barcos e artes de pesca nas costas da Nazaré e de S. Martinho, entre o século XVIII e 1930” vai ter lugar no dia 14 de janeiro, pelas 15h30, no Auditório Municipal José Soares, na Nazaré.

De José Manuel de Mascarenhas e António Valério Maduro, tem edição da Hora de Ler e descreve as caraterísticas tipológicas dos barcos e artes de pesca da costa dos Coutos de Alcobaça, no que respeita especialmente ao século XVIII e primeira metade do seguinte.

Este estudo apoiou-se principalmente nas informações iconográficas disponíveis, nomeadamente das obras de João de Souza (1785) e António Baldaque da Silva (1891). Foi sobretudo entre finais do século XIX e a primeira metade do século seguinte que se pôde assistir a uma significativa evolução morfológica e tecnológica das embarcações e artes, com particular realce para a introdução da propulsão mecânica (a vapor e a explosão).

A transição do século XIX para o século XX transportou um conjunto de novidades que alteraram substancialmente a atividade da pesca. Verifica-se, ao longo deste curto período temporal, uma intensificação da exploração dos recursos marinhos, com a introdução de novas artes destinadas essencialmente à captura dos cardumes de sardinha na praia da Nazaré. Produzem-se para isso novas embarcações e aperfeiçoam-se as existentes, tornando-as mais robustas, seguras, iniciando-se a motorização, e multiplica-se o número de homens e mulheres que fazem da exploração dos frutos do mar toda a sua vida.

Para responder às crescentes necessidades de capital reforça-se o associativismo, com a emergência de sociedades e parcerias de pesca. A relação dos quinhões entre os associados não deixa de ser reveladora da diferenciação socioeconómica e de uma afirmação gradual do modelo capitalista de produção. Constituem-se, assim, as elites de empresários da pesca que passam a liderar a gestão social das novas empresas de tipo mais ou menos cooperativo.

O exercício da pesca como uma prática de autossubsistência começa a ser preterido por um modelo que privilegia o lucro, assistindo-se, de facto, à soberania do mercado, o que é acompanhado por uma viva e expressiva modernização da atividade.

Para responder ao acréscimo de pescado constituem-se indústrias conserveiras, iniciativa empresarial que conta com muitos industriais nacionais provenientes de outras costas marítimas, assim como sociedades que se dedicam à exportação de pescado. Outro filão de negócio repousa nos adubos orgânicos, as novas indústrias passam a recuperar os desperdícios da atividade de pesca e graças a estes fertilizantes incrementa-se a lavoura, nomeadamente de regadio, num tempo em que os adubos químicos eram escassos e dispendiosos.

Assiste-se, então, a uma reconfiguração da relação da sociedade com os recursos do mar de uma forma que se pretende mais moderna e logo menos sustentável, ao desenvolvimento de dinâmicas sociais e empresariais rumo a um modelo estruturado de negócio, um novo figurino socioeconómico que irá, por algum tempo, determinar a vida dos homens e mulheres da praia.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Estudantes visitam Paul de Tornada

A Associação PATO recebeu duas turmas da Escola Secundária Raul Proença, que realizaram um conjunto de atividades de voluntariado, explorando a Reserva Natural do Paul de Tornada numa visita guiada, contribuíram para o nascimento de um jardim sensorial e efetuaram ainda uma monitorização ambiental na Lagoa de Óbidos com o Projeto Coastwatch, recolhendo muito lixo marinho.

pato

Jovens portugueses e finlandeses em intercâmbio

Entre os dias 1 e 8 de abril, a Associação Juvenil de Peniche foi palco de um intercâmbio sob a temática da arte e sustentabilidade. O evento recebeu a participação de doze jovens, de Portugal e Finlândia, com idades entre os 15 e os 25 anos.

intercambio

Curso Avançado de Produção de Microalgas e Cultivos Auxiliares

O MARE - Politécnico de Leiria e a Escola Superior de Turismo e Tecnologias do Mar, em Peniche, vão promover uma nova edição do Curso Avançado de Produção de Microalgas e Cultivos Auxiliares, que pretende dar a conhecer as espécies de microalgas cultivadas em laboratório, métodos de cultivo, potencialidades como recursos marinhos, sistemas de produção, e os cultivos auxiliares que beneficiam e cujo valor nutricional pode ser modelado através da alimentação com microalgas. As inscrições estão abertas até dia 27 de maio.