Q

Previsão do tempo

18° C
  • Sunday 19° C
  • Monday 18° C
  • Tuesday 21° C
18° C
  • Sunday 19° C
  • Monday 18° C
  • Tuesday 22° C
19° C
  • Sunday 20° C
  • Monday 20° C
  • Tuesday 24° C

Presidente da Câmara de Óbidos quer em 2023 fazer um evento de “Gamming, Gadgets e Programação”

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Revelou que finalmente iniciaram a reabilitação do Centro de Saúde de Óbidos. O objetivo será passar para “Unidade de Saúde Familiar (USF) tipo A e passar depois para um projeto de USF tipo B, onde já se pode através de melhoramento das condições salariais atrair mais clínicos e assistentes técnicos”. 

Revelou que finalmente iniciaram a reabilitação do Centro de Saúde de Óbidos. O objetivo será passar para “Unidade de Saúde Familiar (USF) tipo A e passar depois para um projeto de USF tipo B, onde já se pode através de melhoramento das condições salariais atrair mais clínicos e assistentes técnicos”. 

JORNAL DAS CALDAS – Há pouco mais de um ano, Filipe Daniel, tomou posse como novo presidente da Câmara de Óbidos. O cargo está a corresponder às suas expectativas?

Filipe Daniel – Desde sempre tive gosto por desenvolver trabalho para a comunidade onde nasci e cresci, que me ensinou e fez de mim aquilo que sou hoje.

Nunca fez parte de mim, lamentar e apontar apenas o que está mal, procurei sempre dar soluções. Essa é, e será sempre a minha forma de estar na vida, sabendo que é um desafio grande, tentarei sempre, ajudar a construir um “Mundo” melhor. Primeiro ainda em tenra idade nas escolas onde passei, mais tarde ligado ao Associativismo Cultural, Social e Desportivo, mais recentemente na Associação de Regantes de Óbidos (maior projeto de todos os tempos no Distrito de Leiria). Candidatar-me à Câmara Municipal de Óbidos (CMO) foi pensado no sentido de fazer ainda mais, numa maior dimensão, mas com a consciência do compromisso.

J.C. – Quais foram as principais surpresas, a maior deceção e a maior alegria?

F.D. – Diria que não foram surpresas, pois já estava de alguma forma à espera do que iria encontrar. A constatação da morosidade dos procedimentos é a maior dificuldade que encontro na função pública, ter tantas ideias para implementar e haver tanto para ainda inovar e desenvolver é castrador toda esta morosidade.

Como alegrias, destaco finalmente termos conseguido avançar com a reabilitação do Centro de Saúde de Óbidos, este equipamento é fundamental para o caminho que pretendemos seguir no melhoramento da Saúde no nosso concelho. Destaco ainda o capital humano que este município tem, fazer o que se faz com os recursos humanos que temos, é notável. Estamos a fechar um conjunto de procedimentos importantes para o concelho, fico naturalmente satisfeito com essa conquista, assim como na redução do tempo de resposta em solicitações da população.

J.C. – O PSD manteve a Câmara. Optou por uma política de continuidade em Óbidos?

F.D. – Depois da conquista da CMO em 2001 pelo PSD, seguiram-se anos de grande dinâmica e grandes conquistas, a população reconhece isso e continua a mostrar a confiança aqueles que sabem onde estão e para onde querem ir. Passados 20 anos de PSD, houve uma renovação, mostramos disponibilidade e a população disse SIM. Quanto à questão da continuidade, será para continuar a fazer o que de bem fazemos e continuar a inovar e desenvolver o que ainda não foi feito (ainda há muito para ser feito), naturalmente com cunho próprio deste novo executivo.

J.C – Quais são as marcas fortes do Orçamento para 2023?

F.D. – Considero que temos que ter uma visão macro e preparar o nosso concelho para onde este deve estar daqui por 20, 30, ou mesmo 50 anos e para tal estamos a preparar um conjunto de intervenções nesse sentido, como exemplo refiro-me a termos finalmente o Quartel da GNR iniciado, ao projeto da Mobilidade Suave com ligação a Caldas da Rainha, Construir o Edifício Multisserviços de fácil acesso para todos, reabilitar o Aqueduto da Usseira, melhorar o complexo Municipal Desportivo, desenvolver Comunidades de autoconsumo e/ou Energias renováveis, desenvolver um Mercado para frescos por forma a criar uma maior proximidade entre a produção agrícola e o consumidor final, entre outros projetos de grande dimensão. Depois teremos que ter presente que existem os problemas do dia a dia da população e não deixar de dar resposta em tempo oportuno, como exemplo são os melhoramentos de redes viárias, em alguns casos com ciclovia e/ou passeios pedonais, passeios nas aldeias e resolver estruturalmente abastecimento, saneamento e pluviais.

J.C – Como é a saúde financeira da autarquia?

F.D. – Contrariando os sinais dados pelo o atual governo, fruto de uma boa gestão e políticas aplicadas pelo atual e anteriores executivo da CMO, encontramo-nos de boa saúde.

J.C. – Aguarda-se que 2023 seja um ano muito difícil. Depende dos efeitos da guerra, depende de a inflação começar a descer ou não crescer, depende da resolução dos problemas da energia e do custo da energia. Qual a sua análise para o ano novo?

F.D. – Diria que nunca houve anos fáceis, tem havido alguma, para não dizer muita instabilidade. É precisamente por toda esta instabilidade que se devem tomar medidas de fundo em vez de se andar constantemente com medidas contínuas de mitigação. O facto de não se pensar a médio-longo prazo leva a que se ande constantemente neste “limbo”. Os políticos devem ter a coragem de tomar medidas que não sejam populistas nem demagogas, decidir em função do que deva ser e não do que os “outros” queiram ouvir ou ver, devem pensar em servir, não em se servir. Depois da esmola dos 125 euros e eventualmente mais 50 euros por descendente, e passado o valor do subsídio de natal e festividades, iremos apanhar um primeiro trimestre mais duro. Do ponto de vista de impacto acredito que pelo facto de sermos um destino barato, onde se vive bem e seguro do ponto de vista do mercado externo, tende a haver algumas oportunidades.

J.C. – A falta de resolução para os problemas de saúde tem sido constante em Óbidos? O que está a pensar fazer nesta área?

F.D. – Conseguimos como disse, finalmente iniciar a reabilitação do Centro de Saúde de Óbidos. Assim, com melhores condições de trabalho, será possível fixar profissionais na área da Saúde no concelho. O objetivo será passar para Unidade de Saúde Familiar (USF) tipo A e passar depois para um projeto de USF tipo B, onde já se pode através de melhoramento das condições salariais atrair mais Clínicos e Assistentes Técnicos, dando resposta às necessidades do Município. Enquanto não chegarmos ao pretendido o executivo da CMO está a preparar um procedimento para garantir com um seguro Municipal de Saúde para dar resposta, contando com assistencialismo no cuidado de saúde.

J.C. – No primeiro semestre o Ministro da Saúde vai decidir e divulgar a localização do novo Hospital do Oeste. Onde é que defende que a unidade seja construída ou para si é importante que seja uma realidade independente da localização?

F.D. – O mais importante e para bem da população é que seja construído o mais breve possível, independentemente da localização e com respostas necessárias e adaptadas à realidade, assim como para futuro.

Uma vez feito o estudo sobre a possível localização do Novo Hospital do Oeste realizado a pedido da CIM Oeste e entregue ao Sr. Ministro, será da sua responsabilidade definir qual a sua localização.

Naturalmente que pretendia que ficasse localizado onde foi proposta de Óbidos (36ha) e Caldas (24ha), pois tinha todas as condições, quer de acessibilidade, quer de mobilidade, quer ainda de área e com potencial de crescimento caso fosse necessário. Espero que seja como disse uma realidade dentro muito em breve e que não aconteça como o aeroporto onde se investiram milhões de euros e tempo perdido e ainda nada.

J.C. – Daqui a 4 anos como é que espera ver Óbidos?

F.D. – Espero que se encontre ainda mais bonito, desenvolvido, sustentável, mais atrativo e seguro para se viver em qualidade. O embelezamento da Vila é algo em que estamos a trabalhar, a defesa do nosso património está a ser trabalhada há vários meses e será uma realidade, há bons indicadores em relação ao Aqueduto, queremos mais tarde preparar para reabilitar a Cidade Romana Eburobrittium. Estamos também a trabalhar no sentido de desenvolver oportunidades nas freguesias, gerando oportunidades e mantendo-as “vivas”.

J.C. – Óbidos comemora a 11 de janeiro o Feriado Municipal. Quais os pontos altos das comemorações de 2023?

F.D. – Estamos a preparar e vai ser surpreendente uma vez mais.

J.C. – Num cenário económico mais negativo em 2023, já tem algumas medidas pensadas para ajudar a população e empresas em Óbidos?

F.D. – Temos um regulamento que permite dar o apoio necessário a pessoas e empresas, caso existam necessidades suplementares serão avaliadas e devidamente tratadas. Além disso aumentamos o apoio no incentivo à natalidade para 1000 euros/criança com o programa Enxoval, encontra-se também em discussão pública a tarifa social da água, entre outras medidas disponíveis.

J.C. – Tem apostado na continuidade dos eventos. Há alguma novidade para 2023?

F.D. – Apesar de termos mantido os eventos, foi necessário fazer um rebranding aos existentes, ainda que correndo riscos, correu muito bem, superando em alguns casos a nossa expectativa. Demos nova vida ao Latitudes. Para 2023 está planeado haver um evento de Gamming, Gadgets e Programação.

Gostaria de em 2024 ter o evento de Agrotecnologia ligado à Fruticultura, Horticultura e Viticultura.

J.C. – Vai candidatar-se nas próximas eleições autárquicas?

F.D. – É cedo para responder a isso, mas se estivéssemos a um ano de eleições e com a vontade que tenho de querer melhor o concelho, seguramente que sim!

J.C. – O que deseja para Óbidos em 2023?

F.D. – Para Óbidos desejo que continue a ser um destino de eleição, que continuemos a ser reconhecidos com prémios importantes a nível nacional, mas que acima de tudo seja um local onde as pessoas se sintam bem e gostem de viver.

J.C. – Mensagem de Feliz Ano Novo aos obidenses?

F.D. – Aos Obidenses, desejo acima de tudo um 2023 cheio de saúde, paz e concretização pessoal. Desejo que nas dificuldades sejam corajosos, que o ciclo que encerra tenha sido um ano de aprendizagem para mais um ano, mas que procuremos dar sempre o nosso melhor para que nunca nos falte harmonia.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Compromisso de Óbidos com o Governo desbloqueia verbas do PRR

O Município de Óbidos anunciou que foi decisivo para desbloquear o acesso do Governo aos 713 milhões de euros do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) retidos por Bruxelas, ao ter assinado, no dia 17 de maio, o auto de transferência de competências na área da saúde.

PRR

Almoço na EHTO uniu sabores e gerações

Um encontro intergeracional na Escola de Hotelaria do Oeste (EHTO), no passado dia 17, uniu gerações num almoço onde os alunos do 2º ano dos cursos de Técnico de Cozinha e Pastelaria e Restaurante e Bar receberam os seus pais e avós no restaurante pedagógico Ferreira da Silva.

Encontro 1