Q

Previsão do tempo

18° C
  • Tuesday 18° C
  • Wednesday 18° C
  • Thursday 19° C
17° C
  • Tuesday 19° C
  • Wednesday 18° C
  • Thursday 19° C
18° C
  • Tuesday 20° C
  • Wednesday 19° C
  • Thursday 21° C

Advogado de homicida de jovem pede pena menos agravada

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
O advogado do jovem de 20 anos que confessou ter assassinado a tiro uma rapariga de 18 anos, junto à estação de comboios da Martingança, em Alcobaça, pediu ao coletivo de juízes do Tribunal Judicial de Leiria que pondere o crime de homicídio simples (8 a 16 anos de prisão) ao invés de homicídio qualificado (12 a 25 anos de prisão) pelo qual o arguido foi acusado.

O advogado do jovem de 20 anos que confessou ter assassinado a tiro uma rapariga de 18 anos, junto à estação de comboios da Martingança, em Alcobaça, pediu ao coletivo de juízes do Tribunal Judicial de Leiria que pondere o crime de homicídio simples (8 a 16 anos de prisão) ao invés de homicídio qualificado (12 a 25 anos de prisão) pelo qual o arguido foi acusado.

A rapariga, da Marinha Grande, morreu na sequência dos ferimentos sofridos quando foi atingida na cabeça, após o disparo de vários tiros. De acordo com o Ministério Público, o crime foi motivado por dívidas de droga, sendo o jovem e o pai, de 46 anos, acusados de homicídio qualificado e detenção de arma proibida. O rapaz está em prisão preventiva enquanto que o pai, considerado o instigador do crime, encontra-se em fuga e foi emitido um mandado de detenção europeu.

O caso aconteceu em outubro do ano passado. O advogado do jovem, que responde ainda pelo crime de coação sobre funcionário, salientou que “o assassino neste processo” é o pai do arguido, mas reconheceu que este “tem de ser condenado, porque acaba por ser o executante”, e pediu uma pena de prisão “na casa dos 10 anos”.

Segundo o despacho de acusação, revelado pela agência Lusa a vítima, Soraia Sousa, amiga dos arguidos, tinha “uma dívida monetária” para com eles “superior a três mil euros”, relativa à compra de estupefacientes.

A vítima tinha pedido mais tempo para pagar mas o pai do detido, munido de um revólver, entregou-o ao filho para ele atingir a jovem, o que aconteceu “por cinco vezes” na cabeça.

O advogado argumentou que o arguido “opôs-se ao pedido do pai para matar a jovem, mas se não a executasse, era executado”.

A procuradora da República salientou que o arguido “disparou até não haver mais munições”, defendendo que, apesar de haver “uma reverência, o medo do pai”, quando lhe é passada a arma para a mão o arguido “tinha tido a possibilidade de nesse momento sair” do local e quando lhe é dada a ordem “tinha, efetivamente, hipótese de ter procedido de outra forma e optou por não o fazer”.

Já o advogado de acusação sustentou que a pena deve ser “a mais severa possível”, apenas beneficiando o arguido do regime legal para jovens.

A leitura do acórdão está prevista para o dia 14 de dezembro, pelas 15h30.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Matou o pai por imaginar que praticava atos sexuais com a irmã

Um jovem de 21 anos vai ser julgado por ter assassinado o pai, em agosto do ano passado, em Peniche, por imaginar que o progenitor, de 44 anos, “praticava atos de natureza sexual” com a irmã menor do arguido, sem que houvesse provas que tal acontecera.

julgamento

Melhorada estrada nova do Béltico

Estão em fase de conclusão as obras de beneficiação da estrada nova do Béltico, que liga os concelhos de Óbidos e Peniche.

beltico

Reabilitação das duas residências de estudantes e construção de uma nova

A empreitada de reabilitação da residência de estudantes ‘Rafael Bordalo Pinheiro’, na Rua Vitorino Fróis, em Caldas da Rainha, vai permitir aumentar a oferta de camas, das atuais 104 para 117, num investimento de cerca de 1 milhão e 360 mil euros, financiado pelo Programa de Recuperação e Resiliência (PRR), no âmbito do Plano Nacional para o Alojamento no Ensino Superior (PNAES).

residencias