Q

Previsão do tempo

10° C
  • Wednesday 11° C
  • Thursday 13° C
  • Friday 14° C
10° C
  • Wednesday 11° C
  • Thursday 13° C
  • Friday 14° C
11° C
  • Wednesday 12° C
  • Thursday 13° C
  • Friday 14° C

Presidente do PSD encerrou Academia no Inatel Foz

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
A VI Academia do Poder Local do PSD decorreu entre 18 e 20 de novembro no Inatel da Foz do Arelho, tendo a sessão de encerramento desta iniciativa dos Autarcas Social Democratas (ASD) contado com o presidente do partido, Luís Montenegro.
Luís Montenegro na sessão final

A VI Academia do Poder Local do PSD decorreu entre 18 e 20 de novembro no Inatel da Foz do Arelho, tendo a sessão de encerramento desta iniciativa dos Autarcas Social Democratas (ASD) contado com o presidente do partido, Luís Montenegro.

O dirigente aproveitou para reagir às declarações proferidas no sábado por António Costa de que os adversários políticos do PS não perdoam a maioria absoluta conquistada nas últimas legislativas e “tudo farão para comprometer essa estabilidade”.

Respondendo ao que considerou serem “queixinhas” do primeiro-ministro, Luís Montenegro afirmou que “quem não está a perdoar a confiança que deu ao Partido Socialista são os eleitores”, perante “casos que mancham a ação política”.

Sublinhando que o PSD vai continuar “a denunciar os erros e as omissões” do governo de António Costa, acusou-o de “tratar mal as autarquias”, dando como exemplos “o simulacro de descentralização” de competências para os Municípios, “porque não quer partilhar as competências com os municípios nem com as comunidades intermunicipais”, e “em coisas que são essenciais como [o pagamento] das despesas com as respostas à pandemia”. “Tanto dinheiro que o Estado tem hoje de financiamento da União Europeia para recuperar dessa situação e não tem dinheiro para pagar a uma junta de freguesia ou a uma câmara. É imoral”, acusou.

Recordando que ele próprio foi autarca 16 anos na oposição e quatro anos no poder, depois de recuperar uma Câmara que era do PS, Luís Montenegro vincou que do período em que exerceu essas funções, entre 1993 e 2013, guarda “uma grande escola de vida e de aprendizagem”.

A missão desempenhada pelo autarca permite-lhe “colocar-se na pele do cidadão que tem pela frente”, vincou o presidente do PSD, elogiando quem cumpre essas funções.

Recuperar em 2025 a direção da Associação Nacional dos Municípios Portugueses e da Associação Nacional de Freguesias, é o objetivo do líder social-democrata, que lembrou também que “hoje sou presidente do PSD mas amanhã quero ser Primeiro-Ministro”.

A Academia do Poder Local, que foi interrompida durante três anos devido às restrições impostas pela pandemia, reuniu cerca de uma centena de autarcas, numa jornada de formação política e autárquica.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Arte em posto Multibanco

Motivos alusivos ao ecossistema natural e animal do Paul de Tornada e a imagem da igreja da localidade embelezam um posto Multibanco naquela povoação das Caldas da Rainha, numa ideia do executivo da junta de freguesia concretizada pelo artista Ricardo Silva, que estudou na Escola Superior de Artes e Design das Caldas da Rainha.

tornada 1

Choque aparatoso na Rua Vitorino Fróis

Um choque aparatoso entre duas viaturas na Rua Vitorino Fróis, na cidade das Caldas da Rainha, ao final da manhã desta terça-feira, levou a que um dos carros ficasse virado de lado. Os dois condutores foram assistidos pelos bombeiros mas recusaram transporte ao hospital.

Vereador do PS explica aprovação do orçamento da Câmara para 2023

O orçamento da Câmara Municipal das Caldas da Rainha para 2023 foi aprovado na passada segunda-feira e nem foi preciso ao Vamos Mudar socorrer-se do voto a favor do vereador do PS, com quem tem um entendimento de compromisso, já que o PSD absteve-se, votando apenas contra o orçamento para os serviços municipalizados. O socialista Luís Patacho explicou concordar com as cautelas e critérios no investimento, tendo em conta “o atual contexto macroeconómico, marcado pela incerteza sobre o fornecimento de bens e serviços, com uma grande pressão inflacionista, especialmente ao nível da energia e dos combustíveis, mas também das matérias-primas, e enorme volatilidade dos mercados”.

ps